Economia solidária

embates teóricos e políticos

Autores

  • Agripino Souza Coelho Neto Universidade do Estado da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT112410

Resumo

A economia solidária adquiriu inconteste importância no Brasil nessa primeira década do século XXI que o governo federal chegou a criar uma secretaria com esta rubrica para implantar políticas de fomento às ações de economia solidária. No entanto, no meio acadêmico, o conceito está longe de apresentar uma posição consensual, suscitando debates calorosos e controversos. Verifica-se, de um lado, um conjunto de discursos em favor da economia solidária, concebendo-a como uma alternativa ao capitalismo. Por outro lado, há uma contundente crítica à ideia de economia solidária, interpretando suas experiências como uma nova estratégia de operação no âmbito do sistema capitalista em sua fase de acumulação flexível. Este artigo segue a trilha dessas discussões, buscando elucidar seu conteúdo, suas convergências, suas divergências e suas controvérsias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Agripino Souza Coelho Neto, Universidade do Estado da Bahia

Doutor em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (UFF), mestre em Geografia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), professor de Geografia Humana da Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Downloads

Publicado

31-08-2016

Como Citar

COELHO NETO, A. S. Economia solidária : embates teóricos e políticos. Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 11, n. 24 Ago., 2016. DOI: 10.14393/RCT112410. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/33314. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos