FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS/ RS: APLICAÇÃO E COMPARAÇÃO DE DOIS MODELOS

Autores

  • Solange Otte Nörnberg Universidade Federal de Pelotas, Instituto de Ciências Humanas / Programa de Pós-Graduação em Geografia, RS, Brasil
  • Moisés Ortemar Rehbein Universidade Federal de Pelotas, Instituto de Ciências Humanas / Programa de Pós-Graduação em Geografia, RS, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG228155365

Palavras-chave:

Sensoriamento Remoto, Geoprocessamento, Uso e cobertura da terra.

Resumo

A intensificação da erosão pela ação antrópica resulta em prejuízos ambientais, sociais e econômicos e pode ser mitigada pela planificação do uso do solo, orientada por modelos preditivos. Nesta premissa, o objetivo deste trabalho é aplicar e comparar modelos de fragilidade ambiental e de vulnerabilidade à perda de solos para área do município de Pelotas/ RS. A pesquisa se desenvolve pela obtenção e sobreposição, a partir de materiais e técnicas de Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento, de planos de informações da geologia, geomorfologia, hipsometria, declividade, pedologia e cobertura e uso da terra. O modelo de fragilidade ambiental classificou a área do município em cinco classes (de muito fraca a muito forte fragilidade) e o de vulnerabilidade à perda de solos em três classes (de moderadamente estável a moderadamente vulnerável). As classes de semelhante nível hierárquico entre os modelos equivalem a 30,83% da área do município e as de diferentes níveis a 59,17%, o que embasa e, ao mesmo tempo, sugere a formulação de um modelo qualitativo ponderado e adequado às particularidades físico-ambientais e de cobertura e uso da terra para área do município e região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

02-06-2021

Como Citar

NÖRNBERG, S. O. .; REHBEIN, M. O. . FRAGILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS/ RS: APLICAÇÃO E COMPARAÇÃO DE DOIS MODELOS. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 22, n. 81, p. 42–59, 2021. DOI: 10.14393/RCG228155365. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/55365. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos