OS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS NO BRASIL E O USO CORPORATIVO DO TERRITÓRIO: O CASO EMBLEMÁTICO DA VILA AUTÓDROMO NO RIO DE JANEIRO

Autores

  • Roberto Paolo Vico Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Francisco Fransualdo de Azevedo Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG217449605

Palavras-chave:

Olimpíadas, Impactos, Remoções, Conflitos territoriais, Resistência

Resumo

O uso dos territórios pelas grandes empresas e organizações esportivas internacionais tende atualmente a ocorrer de acordo com seus interesses e demandas que são cada vez mais influenciadas pelo capital internacional. Deste modo, a utilização de espaços selecionados do território nacional fica submetido a uma dinâmica que, por intermédio de instituições e empresas internacionais e com a tutela do Estado e dos governos locais, acaba se subordinando a uma lógica global. Este artigo tem como campo de estudo o fenômeno dos megaeventos esportivos como instrumentos de transformações socio-territoriais, problematizando de que forma as grandes organizações esportivas internacionais como a FIFA e o COI, junto com seus parceiros comerciais e o Estado, utilizam e planejam o espaço geográfico brasileiro para fins de realização dos megaeventos esportivos. Ao longo do estudo abordam-se questões relativas ao uso corporativo hierárquico do território pelos grandes grupos e organizações esportivas e os efeitos derivantes, com particular ênfase nos recentes megaeventos esportivos no Brasil: Copa do Mundo de Futebol de 2014 e Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro de 2016. Finalmente aborda-se o caso de estudo da Vila Autódromo, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, como exemplo de significativa transformação do espaço pelos megaeventos esportivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

28-04-2020

Como Citar

Vico, R. P., & Azevedo, F. F. de . (2020). OS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS NO BRASIL E O USO CORPORATIVO DO TERRITÓRIO: O CASO EMBLEMÁTICO DA VILA AUTÓDROMO NO RIO DE JANEIRO. Caminhos De Geografia, 21(74), 108–125. https://doi.org/10.14393/RCG217449605

Edição

Seção

Artigos