FRAGILIDADE AMBIENTAL E DINÂMICA GEOSSISTÊMICA: MAPEAMENTO DA PAISAGEM NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO LOURENÇO VELHO, SUL DO ESTADO DE MINAS GERAIS-BRASIL

Autores

  • Thomaz Alvisi de Oliveira Instituto Federal do Sul de Minas Gerais - IFSULDEMINAS/Campus Poços de Caldas http://orcid.org/0000-0002-7550-8779
  • Adler Guilherme Viadana Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho -UNESP/Rio Claro
  • Allan Arantes Pereira Instituto Federal do Sul de Minas Gerais - IFSULDEMINAS/Campus Muzambinho http://orcid.org/0000-0001-7171-0112

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG207146666

Palavras-chave:

Geossistemas. Hierarquia de classificação. Fragilidade ambiental. Meios dinâmicos. Bacias hidrográficas.

Resumo

O arranjo e organização dos mosaicos de paisagem, revelados à superfície como unidades dinâmicas concentradoras de fluxos de matéria e energia, obedecem a uma ordem de classificação definida por homogeneidades e heterogeneidades. Nas bacias hidrográficas, consideradas por lei quando do desenvolvimento de estudos de impactos ambientais, esses mosaicos expõem a relação sistêmica existente nos terrenos compreendidos por divisores topográficos sob a influência de um canal de drenagem principal e seus tributários. Esse trabalho investigou a dinâmica das unidades de paisagem na bacia hidrográfica do rio Lourenço Velho, importante referência físico-geográfica do sul do estado de Minas Gerais, utilizando a concepção geossistêmica associada à fragilidade ambiental, em duas escalas hierarquizadas de análise. A compartimentação geomorfológica e a fragilidade ambiental nortearam a classificação das unidades geossistêmicas hierarquicamente superiores e inferiores, respectivamente, e são apresentadas aqui em documento cartográfico único, contendo também, o posicionamento da paisagem em cena. Os resultados sintetizaram a relevância da fragilidade ambiental quando utilizada na investigação da dinâmica das unidades geossistêmicas de paisagem diante da substituição do quadro natural pela inserção do uso antrópico e servem como balizadores de trabalhos futuros que estejam ajustados ao planejamento do território e à gestão dos recursos hídricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thomaz Alvisi de Oliveira, Instituto Federal do Sul de Minas Gerais - IFSULDEMINAS/Campus Poços de Caldas

Thomaz Alvisi de Oliveira é Doutor em Geografia (2013), Mestre em Geociências e Meio Ambiente (2004) e Geógrafo (2000) pelo Instituto de Geociências e Ciências Exatas - IGCE da Universidade Estadual Paulista UNESP/Rio Claro.

Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geomorfologia, atuando principalmente nos seguintes temas: geossistemas e paisagens, cartografia e mapeamento geomorfológico, análise integrada em bacias hidrográficas, planejamento ambiental. 

Adler Guilherme Viadana, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho -UNESP/Rio Claro

Doutor em Geografia, Docente do Departamento de Geografia da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho/UNESP-Campus de Rio Claro.

Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Biogeografia, atuando principalmente nos seguintes temas: Biogeografia, Fitogeografia, Zoogeografia, Fisiologia da Paisagem e Qualidade Hídrica.

Allan Arantes Pereira, Instituto Federal do Sul de Minas Gerais - IFSULDEMINAS/Campus Muzambinho

Doutor em Ciências Florestais, Docente do curso de Tecnologia em Gestão Ambiental do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais/IFSULDEMINAS-Campus Poços de Caldas.  

Tem experiência em Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento, atuando principalmente nos seguintes temas: Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento da Vegetação, Aprendizagem de Máquinas e Classificação de Áreas Queimadas em Imagens Orbitais.

Downloads

Publicado

31-08-2019

Como Citar

OLIVEIRA, T. A. de; VIADANA, A. G.; PEREIRA, A. A. FRAGILIDADE AMBIENTAL E DINÂMICA GEOSSISTÊMICA: MAPEAMENTO DA PAISAGEM NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO LOURENÇO VELHO, SUL DO ESTADO DE MINAS GERAIS-BRASIL. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 20, n. 71, p. 504–516, 2019. DOI: 10.14393/RCG207146666. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/46666. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos