Luca, alegoria e intencionalidade autoral

uma análise crítico-discursiva das representações queer no jornal Folha de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/AM-v19n1-2022-65359

Palavras-chave:

Alegoria, Análise de Discurso, Estudos Queer, Intencionalidade autoral, Luca

Resumo

Resumo: No presente trabalho, intenta-se problematizar, sob o holofote de uma abordagem discursivo-crítica, a maneira como as práticas sociodiscursivas midiáticas constroem informações sobre a relação da comunidade queer e sua necessidade de representatividade e como perfomatizam a subjetividade da audiência LGBTQIA+, especificamente ao se avaliar seu objeto de estudo, qual seja, uma reportagem do jornal Folha de São Paulo. Igualmente, também serão destrinchadas as implicações da intencionalidade autoral no caminho da interpretação da obra Luca em contrapartida aos códigos, metáforas, analogias e alegorias que a mesma parece emitir. O artigo foi desenvolvido a partir de uma pesquisa qualitativa bibliográfica feita em relação aos seus referenciais no site de pesquisa SciELO, coletando artigos científicos para posterior leitura e fichamento. Após a coleta de dados por meio de documentação indireta, realizou-se o estudo de caso da reportagem para elaboração da análise crítica, cujos dados obtidos foram organizados para que se pudessem explanar os resultados obtidos. Sobre os resultados, percebe-se que o autor da reportagem realiza escolhas léxicogramaticais pouco emancipatórias, dando margem a uma interpretação que reforça a abjeção sofrida pelos corpos gays. No mesmo sentido, assim se dá o posicionamento do diretor de Luca, o que provoca reflexões frente ao contexto de acusação de censura por que passa a Disney. Por fim, percebe-se que a sétima arte e as animações possuem a força de criarem representações sólidas e orgulhosas da comunidade LGBTQIA+, apesar de esse percurso não se ver consolidado atualmente, observando-se, em seu lugar, migalhas de representatividade superficiais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTHES, R. The rustle of language. New York: Hill & Wang, 1986

BENSHOFF, H. M. Monsters in the closet. Manchester: Manchester University Press, 1997.

BUTLER, J. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. 14ª ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2017.

CARVALHO, M. A. de; RIBEIRO, P. R. M. (2020). Escola, gênero e abjeção: desdobramentos a partir da alegoria na animação X-Men Evolution.. Diversidade E Educação, 8(1), 577–593. https://doi.org/10.14295/de.v8i1.11366

CARVALHO, A. B. de: GOMES, M. C. A. Uma análise crítica e discursiva sobre (re)construções de representações e de identidades em relatos de mulheres gordas em blogs. In: GOMES, Maria Carmen Aires; PIMENTA, Pauline Freire (org.) Representações discursivas de identidades de gênero em práticas sociais brasileiras [recurso eletrônico]. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2020. P. 19-35. Disponível em: https://www.academia.edu/43853203/Representa%C3%A7%C3%B5es_discursivas_de_identidades_de_g%C3%AAnero_em_pr%C3%A1ticas_sociais_brasileiras. Acesso em: 09 abr. 2022.

DUQUE, C. F. A.; RODRÍGUEZ, M. A. P. Alegoría y símbolo en el cine barroco y moderno. Estrategias retóricas, amplificación de sentido. Galáxia (São Paulo) [online]. 2017, n. 36, pp. 18-30. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1982-2554233276>. Acesso em: 23 mar. 2022.

FAIRCLOUGH, N. Analysing discourse: textual analysis for social research. London; New York: Routledge, 2003.

FUZER; CABRAL. Introdução à gramática sistêmico-funcional. 1. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

GAGLIARDI, C. O problema da autoria na teoria literária: apagamentos, retomadas e revisões. Estudos Avançados [online]. 2010, v. 24, n. 69, pp. 285-299. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0103-40142010000200018>. Acesso em: 23 mar. 2022.

GARCIA, C. D.; GOMES, M. C. A. Mulheres, Ciência e Tecnologia: uma análise crítico-discursiva das representações de feminilidades na Revista Marie Claire. In: GOMES, Maria Carmen Aires; PIMENTA, Pauline Freire (org.) Representações discursivas de identidades de gênero em práticas sociais brasileiras [recurso eletrônico]. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2020. P. 56-72. Disponível em: https://www.academia.edu/43853203/Representa%C3%A7%C3%B5es_discursivas_de_identidades_de_g%C3%AAnero_em_pr%C3%A1ticas_sociais_brasileiras. Acesso em: 23 mar. 2022.

GOETHE, J. W. Fausto II. Traducción y presentácion de Manuel Antonio Matta. Pontificia Universidad Católica Del Perú, 1907.

GONÇALVES, F. M. da S.; REINA, F. T.; SIQUEIRA, R. C. de; CARVALHO, M. A. de. O tratamento aos mutantes como alegoria da patologização de sujeitos de gêneros não-inteligíveis: uma leitura a partir das hq dos x-men. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24, n. 1, p. 224–246, 2020. DOI: 10.22633/rpge.v24i1.13058. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/13058. Acesso em: 23 mar. 2022.

GUIMARÃES, T. Luca, Alegoria e Intencionalidade Autoral. Brasil: Ora Thiago, 2021. 1 vídeo (19 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Y4scAsRpBFU&t=241s. Acesso em: 23 mar. 2022.

HANSEN, J. A.: Alegoria, construção e interpretação da metáfora, Hedra, São Paulo, 2006.

HULL, E. Death found an author writing his life. Dec. 1827. 1 pintura. Disponível em: https://collections.nlm.nih.gov/catalog/nlm:nlmuid-101393235-img. Acesso em: 23 mar. 2022.

LEGUM, J. The inside story of how Disney turned its back on the LGBTQ community. Popular Information, Washington D.C., 08 mar. 2022a. Disponível em: https://popular.info/p/the-inside-story-of-how-disney-turned?s=r. Acesso em: 23 mar. 2022.

LEGUM, J. Has Disney really changed?. Popular Information, Washington D.C., 22 mar. 2022b. Disponível em: https://popular.info/p/has-disney-really-changed?s=r. Acesso em: 23 mar. 2022.

LUCA. Direção: Enrico Casarosa. Produção de Pixar Animation Studios. Estados Unidos: Walt Disney Pictures, 2021. DVD.

MAZZINI, M. Cittá Vuota [1963]. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=XF75DFdwpqk. Acesso em: 22 mar. 2022.

MISKOLCI, R. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

MOISÉS, M. Dicionário de termos literários. 12. ed. São Paulo: Cultrix, 2004.

PRADO, M. A. M.; MACHADO, F. V. Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2012

RAMALHO, F. C. Cinema de Animação: Filmes e Metáforas para Crianças e Adultos. Dissertação (Mestrado em Artes, Arte e Tecnologia da Imagem) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

RAMALHO, V.; RESENDE, V. Análise do discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. Campinas: Pontes, 2016.

SALIH, S. Judith Butler e a teoria queer. São Paulo: Editora Autêntica, 2017.

SANCHEZ, L. ‘Luca’, da Pixar, é visto como uma alegoria gay ao mostrar amizade de dois adolescentes. Folha de São Paulo, São Paulo, 17 jun. 2021. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2021/06/luca-da-pixar-e-visto-como-uma-alegoria-gay-ao-mostrar-amizade-de-dois-adolescentes.shtml. Acesso em: 23 mar. 2022.

SILVA, G. das G. e; OTTONI, M. A. R. Conectando multissemioses e tecnologias digitais à prática de ensino de Língua Portuguesa. Revista do SELL, v.6, n.3, p. 1-20, dez. 2017. Disponível em: <http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/sell/issue/view/167/showToc>.

Downloads

Publicado

15.11.2022