ALTERAÇÕES HISTOPATOLÓGICAS DO NÓ SINOATRIAL EM CÃES COM DILATAÇÃO CARDÃ?ACA

Autores

  • José Eugênio Diniz Bastos UFU
  • Humberto Eustáquio Coelho UNIUBE
  • Aline Oliveira Coelho Magalhães Mestranda em Ciências Veterinárias
  • Regis Kamimura UNIUBE
  • Guilherme Nascimento Cunha Autonomo
  • Maria Conceição dos Santos Autonoma

Palavras-chave:

Dilatação cardíaca, miocárdio, nó sinoatrial, cão.

Resumo

Verificou-se as possíveis alterações microscópicas do nó sinoatrial de cães, com o objetivo de elucidar as freqüentes dilatações cardíacas observadas em necropsias. O nó sinoatrial é o marcapasso, que controla o ritmo cardíaco, localizado na parede atrial direita, na sua junção com a veia cava cranial, na região do sulco terminal. A patogenia e o prognóstico dos casos de miocardites perfazem importante linha de pesquisa, devido ao impacto desta lesão na insuficiência cardíaca. O desfecho das miocardites, pode resultar em completa resolução das lesões, cicatrizes miocárdicas residuais esparsas, lesão miocárdica progressiva com insuficiências cardíacas aguda, ou crônica em alguns casos, como a cardiomiopatia dilatada secundária. Para que se estabeleça uma conduta terapêutica aos pacientes faz-se necessário o conhecimento da sua etiologia para determinação e eliminação dos fatores predisponentes da miocardite e, conseqüentemente, da dilatação cardíaca com insuficiência. Dos caninos necropsiados no hospital Veterinário da UFU em 2002 colheram-se fragmentos de miocárdios de 31 corações, os quais apresentavam dilatações cardíacas macroscópicas, variando em grau e intensidade, e lâminas histológicas foram confeccionadas, segundo os procedimentos de rotina, no laboratório de Patologia Animal. A dilatação cardíaca em cães é uma alteração de fácil diagnóstico macroscópico, porque provoca grande alargamento da morfologia do órgão. As alterações microscópicas observadas no nó sinoatrial, em ordem decrescente foram: inflamação linfocitária (45,3%), degeneração hialina (26,2%), metamorfose gordurosa (9,5%), hemorragia (7,1%), inflamação fibrinosa (7,1%), inflamação supurada (2,4%) e trombose (2,4%), sendo que a inflamação linfocitária foi a alteração histopatológica mais freqüente, encontrada em 19 corações. As diferentes alterações microscópicas observadas no miocárdio atrial, próximo ao nó sinoatrial indicam uma estreita correspondência com a dilatação cardíaca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-04-18

Como Citar

Diniz Bastos, J. E., Eustáquio Coelho, H., Oliveira Coelho Magalhães, A., Kamimura, R., Nascimento Cunha, G., & dos Santos, M. C. (2008). ALTERAÇÕES HISTOPATOLÓGICAS DO NÓ SINOATRIAL EM CÃES COM DILATAÇÃO CARDÃ?ACA. Veterinária Notícias, 13(2). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/vetnot/article/view/18844

Edição

Seção

Artigos