BÓCIO COLOIDAL EM AVES - RELATO DE CASO

Autores

  • Guilherme Augusto Marietto-Gonçalves FMVZ - UNESP
  • Edna Tereza de Lima FMVZ - UNESP
  • Júlio Lopes Sequeira FMVZ - UNESP
  • Raphael Lúcio Andreatti Filho FMVZ - UNESP

Palavras-chave:

Aves, bócio, histopatologia, ornitopatologia.

Resumo

A glândula tireóide nas aves é bilateral, localizada na base cervical junto ao tórax, e tem por função produzir os hôrmonios tiroxina (T4) e triiodotiroxina (T3), que agem na regulação do metabolismo orgânico. O crescimento não inflamatório e não neoplásico da glândula tireóide é denominado bócio e pode estar acompanhado por hipotireoidismo ou hipertireoidismo. O presente trabalho relata a ocorrência de bócio coloidal em duas espécies aviárias, Pagagaio verdadeiro e Periquitão maracanã, diagnosticado no Laboratório de Ornitopatologia do Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Estadual Paulista (FMVZ-UNESP), campus Botucatu-SP.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-02-27

Como Citar

Marietto-Gonçalves, G. A., de Lima, E. T., Lopes Sequeira, J., & Andreatti Filho, R. L. (2008). BÓCIO COLOIDAL EM AVES - RELATO DE CASO. Veterinária Notícias, 12(2). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/vetnot/article/view/18813

Edição

Seção

Artigos