Acessibilidade e inclusão no ensino superior: experiências e desafios à permanência de pessoas com deficiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v12n3a2023-68708

Palavras-chave:

Acessibilidade, Ensino Superior, Pessoas com deficiência, Experiências, Visibilidades

Resumo

A temática da acessibilidade no ensino superior começa a ganhar destaque na medida em que se eleva o número de pessoas com deficiência nas universidades. Dentre as possíveis abordagens que tratam as dimensões de acessibilidade e inclusão e reafirmam o direito à educação para todos, consideramos que as perspectivas e experiências trazidas pelas pessoas com deficiência necessitam ganhar espaço, visibilidade e compreensão no meio científico e na sociedade. Propomos refletir sobre como se dá a acessibilidade e como a sua ausência impõe às pessoas com deficiência fronteiras e limites ao acesso e à permanência no ensino superior. Para tanto, utilizamos narrativas de pessoas com deficiência com a metodologia da fonte oral, como possibilidade de compreensão e de se pensar a inclusão desses estudantes. As análises apontam alguns avanços, mas ainda há muitos enfrentamentos impostos às pessoas com deficiência em suas experiências no ensino superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Aleska Trindade Lima, Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Mestranda em História. Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Maria Andréa Angelotti Carmo, Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Doutora em História Social. Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Referências

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria n. 1.679, de 2 de dezembro de 1999. Dispõe sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências, para instruir os processos de autorização e de reconhecimento de cursos, e de credenciamento de instituições.

BRASIL. Ministério da Educação/ SEESP. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC, 2008.

DINIZ, Débora. O que é deficiência? Brasiliense. São Paulo. 2007.

FIGUEIREDO, Arlete Carvalho, et al. Acessibilidade e vida universitária: pontuações sobre a educação inclusiva. In: SAMPAIO, Sônia Maria Rocha. (Org.). Observatório da vida estudantil: primeiros estudos [online]. Salvador: EDUFBA, 2011.

FREITAS, Márcia Guimarães de. Políticas de inclusão na educação superior: ecos da acessibilidade arquitetônica na UFU. 2021. 177 f. Tese (Doutoranda em Educação) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2021.

HOOKS, BELL. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

KRAENER, Graciele Marjana; THOMA, Adriana da Silva. Acessibilidade como condição de acesso, participação, desenvolvimento e aprendizagem de alunos com deficiência. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(3). 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-3703000062018.

MANTOAN, E. Tereza, Maria. Inclusão escolar: O que é? Por que? Como fazer?. Moderna. São Paulo. 2003.

MENDES, Fátima Aparecida Gonçalves. A inclusão e a reserva de vagas para a pessoa com deficiência no ensino superior. Revista Educação e Políticas em Debate. v.11, n. 1, jan./abr., 2022. Acesso em 22 fev 2023: DOI: https://doi.org/10.14393/repod-v11n1a2022-64910.

OLIVEIRA, Luiza Maria Borges. Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) / Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD) / Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência; Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012.

POKER, R. B.; VALENTIM, F. O. D.; GARLA, I. A.. Inclusão no ensino superior: a percepção de docentes de uma instituição pública do interior do estado de São Paulo. Psicologia Escolar e Educacional, v. 22, n. spe, p. 127–134, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3539/2018/010.

PORTELLI, Alessandro et al. O que faz a história oral diferente. Projeto História: Revista do Programa de estudos pós-graduados de História, v. 14, 1997.

SAMPAIO, Sônia Maria Rocha (Org.). Observatório da vida estudantil: primeiros estudos [online]. Salvador: EDUFBA, 2011. DOI: https://doi.org/10.7476/9788523212117.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação (Reação), São Paulo, Ano XII, mar./abr. 2009. Disponível em: https://acessibilidade.ufg.br/up/211/o/SASSAKI_-_Acessibilidade.pdf?1473203319. Acesso em 05/01/2023.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

VASSIE, Rebecca. Mais de 1 bilhão de pessoas no mundo vivem com algum tipo de deficiência. ONU News, 2018. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2018/12/1649881. Acesso em 01 de abril de 2022.

Publicado

2023-07-12

Como Citar

LIMA, A. T.; CARMO, M. A. A. Acessibilidade e inclusão no ensino superior: experiências e desafios à permanência de pessoas com deficiência . Revista Educação e Políticas em Debate, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 1132–1150, 2023. DOI: 10.14393/REPOD-v12n3a2023-68708. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/68708. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - POLÍTICAS PÚBLICAS LUSO-BRASILEIRAS DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO PARA PESSORAS COM DEFICIÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR