A AVALIAÇÃO FORMATIVA COMO UMA POLÍTICA INCLUDENTE PARA A EDUCAÇÃO ESCOLAR

Autores

  • Clarice Carolina Ortiz de Camargo Universidade Federal de Uberlândia - UFU
  • Olenir Maria Mendes Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Resumo

O presente artigo é um recorte de uma pesquisa de mestrado em andamento realizada nos anos de 2012 a 2014. Buscamos por meio de levantamento bibliográfico, apresentar os percursos da avaliação educacional destacando as diferentes concepções que tem norteado essa temática, bem como as especificidades e contribuições da Avaliação Formativa. A prática da avaliação formativa contribui para o fortalecimento de relações mais dialógicas, problematizadoras e emancipatórias. Ou seja, possui um forte potencial includente como modalidade avaliativa e, deveria se instituir como política pública para a Educação Básica e Superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Clarice Carolina Ortiz de Camargo, Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Mestra em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia. Professora da Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia

Olenir Maria Mendes, Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo, professora da Universidade Federal de Uberlândia 

Referências

ARREDONDO, Sergio C. e DIAGO, Jesús C. , trad. DOLINSKY, Sandra. Práticas de avaliação educacional: materiais e instrumentos. Curitiba: Ibpex, São Paulo: Unesp, 2009.

BRASIL. Lei n. 9.394: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p. 1-9, dez. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm> Acesso em 22 fev. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB n. 4, de 20 de fevereiro de 2008. Orientação sobre os três anos iniciais do Ensino Fundamental de nove anos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12624%3Aensino-fundamental&Itemid=859> Acesso em 23 fev. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ensino Fundamental de 9 anos: passo a passo do processo de implantação. Brasília: MEC/SEB, 2009.

FERNANDES, Domingos. Para uma ênfase na avaliação formativa alternativa. Editorial. Educação e Matemática, 81, 2005. Disponível em: <http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5639>. Acesso em 16 out. 2012.

FERNANDES, Domingos. Avaliação, aprendizagens e currículo: Para uma articulação entre investigação, formação e práticas. In BARBOSA, Raquel (Org.). Formação de educadores: Artes e técnicas – Ciências e políticas, São Paulo: Editora UNESP, 2006a. Disponível em: <http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5528>. Acesso em 26.11.2012.

FERNANDES, Domingos. Para uma teoria da avaliação formativa. Revista Portuguesa de Educação. Minho – Portugal: Universidade do Minho, p. 21-50, 2006b. Disponível em: <http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rpe/v19n2/v19n2a03.pdf>. Acesso em 07 mai. 2012.

FERNANDES, Claudia. O, FREITAS, Luiz Carlos. Indagações sobre currículo: currículo e avaliação. Brasília: MEC/SEB, 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996a.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 23ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996b.

FREIRE, Paulo, SHOR, Ira. Medo e ousadia: cotidiano do professor. 8 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

FREIRE, Madalena. Observação, registro, reflexão. Série Seminários. 3 ed. São Paulo: Espaço Pedagógico, 2003.

FREIRE, Madalena. Instrumentos Metodológicos II. São Paulo: Espaço Pedagógico, 1997.

FREITAS, Luiz Carlos. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. 8 ed. Campinas: Papirus, 2006 (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

HADJI, Charles. Avaliação desmistificada. Trad. RAMOS, Patricia. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação mito e desafio: uma perspectiva construtiva. Porto Alegre: Mediação, 1993.

HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover. Porto Alegre: Mediação, 2001.

IMBERNÓN, Francisco. Formação permanente do professorado: novas tendências. Trad. VALENZUELA, Sandra T. São Paulo: Cortez, 2009.

LOPES, Amanda Cristina Teagno. Educação Infantil e registro de práticas. São Paulo: Cortez, 2009.

LOPES, José , Helena H.SILVA. 50 técnicas de Avaliação Formativa. Lisboa: Lidel edições técnicas,lda, 2012.

LUCKESI, Carlos C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MENDES, Olenir Maria. Formação de professores e avaliação educacional: o que aprendem os estudantes das licenciaturas durante sua formação. 2006, 214f. Tese (doutorado em Didática, Teorias de Ensino e Práticas Escolares) Universidade de São Paulo, São Paulo.

MIRANDA, Claudia Q. Construção da avaliação formativa nos anos iniciais: a experiência de uma professora pesquisadora. VILLAS BOAS, Benigna M. F. Avaliação formativa: práticas inovadoras. Campinas: Papirus, 2011 (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

PACHECO, José. Avaliação da aprendizagem. In: ALMEIDA, Leandro e TAVARES, José (org.). Conhecer, aprender e avaliar. Porto: Porto Editora, 1998. Disponível em: <http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/8967/1/Avalia%C3%A7%C3%A3o%20da%20aprendizagem.pdf>. Acesso em 01 jul. 2013.

PACHECO, José. [et al] Caminhos para a inclusão: um guia para o aprimoramento da equipe escolar. Trad. KLEIN, Gisele. Porto Alegre: Artmed, 2007.

ROMÃO, José E. Avaliação dialógica: desafios e perspectivas. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2001.

SAUL, Ana Maria. Avaliação emancipatória: desafios à teoria e à prática de avaliação e reformulação do currículo. São Paulo: Cortez, 1988.

SHORES, Elizabeth, GRACE, Cathy. trad. COSTA, Ronaldo C. Manual de portfólio: um guia passo a passo para professores. Porto Alegre: Artmed, 2001.

SILVA, Janssen F., HOFFMANN, Jussara e ESTEBAN, Maria T. Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes contextos e áreas do currículo. 9 ed. Porto Alegre: Mediação, 2012.

SOUSA, Sandra M.Z.L. Avaliação da aprendizagem na legislação nacional: dos anos 1930 aos dias atuais, 2009. Disponível em: http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1536/1536.pdf>. Acesso em: 20 set. 2013.

VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Avaliação: concepção dialética- libertadora da avaliação escolar. São Paulo: Libertad, 1995.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de F. (org.) Virando a escola do avesso por meio da avaliação. 2ª ed. Campinas: Papirus, 2009 (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

VILLAS BOAS, Benigna Maria de F. (org.) Portfólio, avaliação e trabalho pedagógico. 8ª ed. Campinas: Papirus, 2010 (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

VILLAS BOAS, Benigna Maria de F. (org.) Avaliação formativa: práticas inovadoras. Campinas: Papirus, 2011 (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

WARSCHAUER, Cecília. A Rodas e o registro: uma parceria entre professor, alunos e conhecimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

WARSCHAUER, Cecília. Rodas em rede: oportunidades formativas na escola e fora dela. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

ZABALZA, Miguel Ángel. trad. ROSA, Ernani. Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Downloads

Publicado

2014-02-18

Como Citar

Camargo, C. C. O. de, & Mendes, O. M. (2014). A AVALIAÇÃO FORMATIVA COMO UMA POLÍTICA INCLUDENTE PARA A EDUCAÇÃO ESCOLAR. Revista Educação E Políticas Em Debate, 2(2). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/24825

Edição

Seção

Dossiê: Políticas e Práticas de Avaliação