Políticas curriculares na formação inicial do licenciado e bacharel em ciências biológicas / Curriculum policies in the graduation of the biology teacher and the biologist by the course of biological sciences

Autores

  • Gilvane Gonçalves Corrêa UNESP - Campus Presidente Prudente

Resumo

Resumo: Na intenção de compreender as relações que estabelecem os contextos de influência e produção com o contexto da prática na produção das políticas curriculares para a formação do licenciado e do bacharel, interessa-me aprofundar a reflexão quanto aos processos de produção das políticas curriculares voltadas para aformação do licenciado e do bacharel. Busco construir uma análise que se apoia em perspectivas mais dinâmicas das relações macro e micro sociais. Nesse sentido, considero o nível de análise em macro-escala como o contexto sócio-político-econômico-cultural, nacional e internacional, onde estão sendo produzidas as políticas educacionais e, especialmente, as políticas curriculares para a formação do licenciado e do bacharel. Busco também estabelecer relações com um nível de análise micro-escala que considera o contexto da formação inicial do biólogo, tendo no curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) mais um espaço formador, que também atua como produtor das políticas curriculares. Para tanto, reforço minha compreensão de que as relações entre esses contextos são bastante complexas e multidirecionais. Considero que as políticas na formação estão engendradas em relações de poder, sendo resultado de disputas e negociações travadas no âmbito governamental e fora dele, além do espaço da reforma curricular que passa a ser um campo fértil para que essa discussão seja empreendida.

Palavras Chave: Ciências Biológicas; Bacharelado; Currículo.

Abstract: With the intention of understanding the relationships established between the contexts of production and influence, and the context of practice in the production of curriculum policies for the graduation of the biology teacher and biologist, I am interested in deepen the discussion about the production processes of curriculum policies aimed for the graduation of the biology teacher and the biologist. I seek to build an analysis that relies on the most dynamic perspectives of macro and micro social relations. For this study, I consider the macro-scale as a national and international socio-political-economic-cultural context and the micro-scale as the context of the biologist graduation by the course of Biological Sciences in the Federal University of Uberlândia (UFU). From these contexts of educational policies production, and especially, the curriculum policies the graduation of the biology teacher and the biologist, I highlight the relationships between macro and micro scale, reinforcing the understanding that they are quite complex and multidirectional. Therefore, I consider that the policies in the graduation are intertwined in the power relations, and outcome from disputes and negotiations held within and outside the government, and the curricular reform space is fertile ground for this discussion is undertaken.

Keywords: Curriculum; Biological Sciences; Graduation.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ANDERSON, Perry. As origens da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zaahar

Editor. 1999.

AYRES, A. C. B. M. As tensões entre a licenciatura e o bacharelado: a formação dos

professores da biologia como território contestado. In: MARANDINO, Martha e

outros organizadores. Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa.

Niterói-RJ: EDUFU, 2005b.

AYRES, A. C. B. M. Tensão entre Matrizes: um estudo a partir do curso de Ciências

Biológicas da Faculdade de Formação de Professores/UERJ. 2005. 346f. (Doutorado -

Doutorado em Educação)- Faculdade de Educação, Universidade Federal

Fluminense, Niterói-RJ, 2005a.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Decreto 3.927/2001: promulga o tratado

de amizade, cooperação e consulta, entre a República Federativa do Brasil e a

República Portuguesa. Brasília. Diário da União. 20 set. 2001. p.4.

BRASIL. Presidência da República. Decreto 88438: Dispõe sobre a regulamentação do

exercício da profissão de Biólogo, de acordo com a Lei nº 6.684, de 3 de setembro de

e de conformidade com a alteração estabelecida pela Lei nº 7.017, de 30 de

agosto de 1982. Brasília. Diário da União. 29 jun 1983, Seção I, páginas 11358 a 11361.

Disponível em:< http://www.cfbio.gov.br/Ajax_Leis.php?q=2&id_Lei=10>. Acesso

em: 02 jun 2012.

BRINHOSA, Mário César. A função Social e Pública da Educação na Sociedade

Contemporânea. In: LOMBARDI, José Claudinei (org.). Globalização, pós-modernidade e

educação: história, filosofia e temas transversais. 3 ed. Campinas-SP: Autores

Associados: HISTEDBR; Caçador-SC: UnC, 2009. p. 40- 60.

BRZEZINSKY, I. Contribuição apresentada pela ANPED nas audiências públicas

sobre as ‚Diretrizes para a formação inicial de professores da Educação Básica em

curso de nível superior‛, promovidas pelo Conselho Nacional de Educação. Revista

Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 16, jan-abr, 2001. pp. 118-124.

BRZEZINSKY, I. Pedagogia, pedagogos e formação de professores: busca e movimentos. 5

ed. Campinas: Papirus, 2005.

CFBIO. Assinatura de Termo de Colaboração entre o MEC e o CFBio. 2003. Disponível em:

< http://www.cfbio.gov.br/noticias.php?id=81>. Acesso em 30 maio 2012.

CFBIO. Lei nº 6.684, de 3 de setembro de 1979. Regulamenta as profissões de Biólogo

e de Biomédico, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Biologia e

Biomedicina, e dá outras providências. Legislação do CFBIO. Disponível em:

<http://www.cfbio.gov.br/legislacao.php#> . Acesso em: 29 jul. 2010a.

CFBIO. Parecer Nº 01/2010 – GT Revisão das áreas de atuação - proposta de requisitos

mínimos para o biólogo atuar em pesquisa, projetos, análises, perícias, fiscalização,

emissão de laudos, pareceres e outros serviços nas áreas de meio ambiente, saúde e

biotecnologia. Disponível em:

http://200.184.179.53/cms/administrador/estrutura/pdfManager/originais/

Parecer%20e%20Resolu%C3%A7%C3%A3o%20CFBio%20213.pdf> Acesso em 27 abr.

a.

CFBIO. Parecer 01/2008: carga horária. Disponível em: <http://cfbio.gov.br/arquivos/

ParecerCFAP_01.pdf>. Acesso em 27 abr. 2010b.

CFBIO. Resolução nº 213, de 20 de março de 2010. Estabelece os requisitos mínimos

para o Biólogo atuar em pesquisa, projetos, análises, perícias, fiscalização, emissão de

laudos, pareceres e outros serviços nas áreas de meio ambiente, saúde e

biotecnologia. Legislação do CFBIO. Disponível em:

<http://www.cfbio.gov.br/legislacao.php#> . Acesso em: 29 jul. 2010c.

CNE/CES. Parecer 08/2007: Dispõe sobre carga horária mínima e procedimentos

relativos à integralização e duração dos cursos de graduação, bacharelados, na

modalidade presencial. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2007/pces008_07.pdf > . Acesso em: 01 jun.

CNE/CES. Parecer 108/2003: Duração de cursos presenciais de bacharelado.

Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2003/pces108_03.pdf > .

Acesso em: 01 jun. 2012.

CNE/CES. Resolução nº 4, de 6 de abril de 2009. Dispõe sobre carga horária mínima e

procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação em

Biomedicina, Ciências Biológicas, Educação Física, Enfermagem, Farmácia,

Fisioterapia, Fonoaudiologia, Nutrição e Terapia Ocupacional, bacharelados, na

modalidade presencial. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/

rces004_09.pdf> . Acesso em: 29 jul. 2010.

CNE/CP. Resolução CNE/CP 1. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/

pdf/CP012002.pdf>. Acesso em: 27 abr. 2010a.

CNE/CP. Resolução CNE/CP 2. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/

arquivos/pdf/rcp01_02.pdf>. Acesso em: 27 abr. 2010b.

FERNANDES, C. M. B.; SILVEIRA, D. N.. Professores em formação e a constituição

do campo de saberes: uma questão em aberto. In: Primer Congreso Internacional sobre

Profesores Principiantes e Inserción Profesional a la Docencia, 1, 2008, Sevilla-ES.

Disponível em: < http://prometeo.us.es/idea/congreso/

pdf%20comunicaciones/24.pdf> . Acesso em: 29 jul 2010.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Edição e Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 4

ed. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2004. V.1.

IANNI, O. A era do globalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira (Grupo Record),

LOPES, A. C. Discursos nas Políticas de Currículo. Currículo sem Fronteiras, v.6, n.2,

pp.33-52, Jul/Dez 2006. Disponível em:

http://www.curriculosemfronteiras.org/vol6iss2articles/ lopes.pdf>. Acesso em: 29

jul. 2010.

LOPES, A.C.; MACEDO, E. O pensamento curricular no Brasil. In: LOPES, A.C.;

MACEDO, E. (Org.). Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002

MÉSZÁROS, István. A educação par além do capital. 2 ed. São Paulo: Boi Tempo, 2008.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley (org). Educação e política no limiar do século XXI. 2 ed.

Campinas-SP: Autores Associados, 2008.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley; SANT’ANNA, Ronaldo. Introdução: Gramsci, o

Estado educador e a nova pedagogia da hegemonia. In: NEVES, Lúcia Maria

Wanderley (org).A nova pedagogia da hegemonia : estratégias do capital para educar

o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

OLIVEIRA, João Ferreira de. Educação escolar e currículo: por que as reformas

curriculares têm fracassado no Brasil. In: DOURADO, Luiz Fernando (org). Políticas e

Gestão da educação no Brasil: novos marcos regulatórios. São Paulo: Xamã, 2009.

SANFELICE, José Luis. Pós-modernidade, Globalização e Educação. In: LOMBARDI,

José Claudinei (org.). Globalização, pós-modernidade e educação: história, filosofia e

temas transversais. 3 ed. Campinas-SP: Autores Associados: HISTEDBR; Caçador-SC:

UnC, 2009. p. 3- 12.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 17 ed. Campinas-SP:

Autores Associados, 2007.

SCHAFF, Adam. A sociedade informática. 4 ed. São Paulo: Editora da UNESP,

Brasiliense, 1995.

TERRAZAN, E. . As diretrizes curriculares para a formação de professores da Educação

Básica e os impactos nos atuais cursos de licenciatura. 2003. Disponível em:

http://www.cienciasbiologicas.ufsc.br/reforma/eduterr.htm>. Acesso em: 02 jun. 2012.

Downloads

Publicado

2013-03-07

Como Citar

Gonçalves Corrêa, G. (2013). Políticas curriculares na formação inicial do licenciado e bacharel em ciências biológicas / Curriculum policies in the graduation of the biology teacher and the biologist by the course of biological sciences. Revista Educação E Políticas Em Debate, 1(2). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/view/21917

Edição

Seção

Artigos