A Ingerência da Empresa Transnacional na Escola Pública por Meio da sua Articulação com o Estado / The Transnational Company's Mismanagement in Public School Through its Articulation with the State

Autores

  • Joelma Lúcia Vieira Pires Universidade Federal de Uberlândia - MG

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPOD-v1n1a2012-17367

Resumo

Pesquisa qualitativa sobre a ingerência da empresa na escola pública por meio da sua articulação com o Estado. O estudo foi realizado em uma escola da rede estadual de São Paulo localizada em um município da Região Metropolitana. Realizamos entrevistas com professores da instituição, uma vez que eles são responsáveis por desenvolver o material "pedagógico" (kit) da empresa na sala de aula. O projeto da empresa foi desenvolvido na escola por meio da sua articulação com o Ministério da Educação (MEC) no Governo Fernando Henrique Cardoso e no Governo Lula. Portanto, ambos estabeleceram articulação com o setor privado nas políticas para a Educação escolar pública. Verificamos que o desenvolvimento do kit da empresa na escola atinge a prática pedagógica e autonomia dos professores, pois eles utilizam o referido material "pedagógico" nas suas aulas. Em função disso, os conteúdos das disciplinas são subjugados ao projeto "educativo" da empresa. Embora predomine a tendência de os professores viabilizarem o material "pedagógico" da empresa nas suas aulas, existem alguns que questionam tal material e resistem na tentativa de reafirmarem a sua autonomia e a formação dos estudantes para a emancipação. No entanto, tais questionamentos e resistências são individuais, não evidenciam práticas de fortalecimento coletivo.

ABSTRACT: Qualitative research about transnational company's mismanagement in public school through its articulation with the State. The study was realized in a state school in Sao Paulo, located in a city of the Metropolitan Area. Interviews with the institution's teachers were accomplished since they are responsible for developing the "pedagogical" material (kit) of the company in the classroom. The company's project was developed in the school by the means of articulation with the Education Ministry (MEC) in Fernando Henrique Cardoso's government and Lula's government. Therefore, both established articulations with the private sector in politics for public scholar education. It was verified that the kit's development of the company in school reaches the pedagogical practice and the teacher's autonomy once they use that "pedagogical" material in their classes. As a result, the discipline's content is subjugated to the "educative" project of the company. Although there is a predomination in the teacher's tendency to turn the company's "pedagogical" material available in classes, there are some that question such material and resist, trying to reaffirm their autonomy and the student's formation to their emancipation. However, such questions and resistances are individual, they do not show practices of collective empowerment.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ADRIÃO, T.; BORGHI, R.; GARCIA, T. As parcerias público-privadas para a oferta de vagas na

educação infantil: um estudo em municípios paulistas. Revista Brasileira de Estudos

Pedagógicos, v. 92, n. 231, p. 285-301, maio/ago. 2011.

ADRIÃO, T.; PERONI, V.. O público e o privado na Educação; interfaces entre Estado e

sociedade. São Paulo: Xamã, 2005.

BALL, S. J. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em Educação. Currículo sem

fronteiras, v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001.

BERNARDO, J.. Transnacionalização do capital e fragmentação dos trabalhadores. Ainda

há lugar para os sindicatos? São Paulo: Boitempo Editorial, 2000. 102p.

COSTA, M. V.; MOMO, M.. Sobre a “conveniência” da escola. Revista Brasileira de

Educação, v. 14, n. 42, p. 521-533, set./dez. 2009.

COSTA, S. de S. G. Governamentalidade neoliberal, teoria do capital humano e

empreendedorismo. Educação e Realidade, 34(2), p. 171-186, maio/ago. 2009.

Revista Educação e Políticas em Debate - v. 1, n. 1, - jan./jul. 2012.

COUTINHO, A. F. Filantropia em Educação no Brasil: a outra face da oferta de Educação

Básica aos pobres ou a demissão do Estado? In: Associação Nacional de Pesquisa e Pósgraduação em educação (Anped), 31, 2008, Caxambu (MG). GT 05 (Estado e Política

Educacional). Disponível em: www.anped.org.br/reunioes/31ra/1trabalho/GT05-4561--Int.pdf

Acesso em: 9 fev. 2012.

DEJOURS, C.. A banalização da injustiça social. Tradução de Luiz Alberto Monjardim. 3. ed.

Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.

DUPAS, G.. Os grandes desafios da economia globalizada. In: SACHS, Ignacy; WILHEIM,

Jorge; PINHEIRO, Paulo S. (Orgs.). Brasil: um século de transformações. São Paulo:

Companhia das Letras, 2001, p. 431-455.

______. O mito do progresso. Novos Estudos. São Paulo, n. 77, p. 73-89, mar. 2007.

FALLEIROS, I.. Parâmetros curriculares nacionais para a Educação Básica e a construção de

uma nova cidadania. In: NEVES, Lúcia Maria W. A nova Pedagogia da hegemonia: estratégias

do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005. p. 209-235.

GROS, D. B. Liberalismo, empresariado e ação política na nova República. In: DINIZ, Eli (org.).

Empresários & modernização econômica; Brasil anos 90. Florianópolis: Ed. da UFSC,

IDACON, 1993. p. 133-154.

LAVAL, C.. A escola não é uma empresa. O neoliberalismo em ataque ao ensino público.

Tradução de Maria Luiza M. de Carvalho e Silva. Londrina: Editora Planta, 2004. 324p.

LIPOVETSKY, G.; SERROY, J.. A cultura-mundo; resposta a uma sociedade desorientada.

Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. 208p.

LOPES, A. C. Políticas curriculares: continuidade ou mudança de rumos? Revista Brasileira de

Educação – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação: São Paulo, n. 26,

Revista Educação e Políticas em Debate - v. 1, n. 1, - jan./jul. 2012.

p. 109-118, maio/ago. 2004. Disponível em: anpedrevista@infolink.com.br. Acesso em 2 maio

NEVES, L. M. W. (org.). O empresariamento da educação; novos contornos do ensino

superior no Brasil dos anos 1990. Rio de Janeiro: Xamã, 2002.

PERONI, Vera M. V. A relação público/privado e as implicações para as políticas públicas de

educação. VI Escola de Inverno FACED/UFRGS – julho 2008. Educação e Políticas

Públicas: encontros e desencontros. Disponível em:

http://www.ufrgs.br/comexedu/arquivos/vera_peroni.pdf Acesso em: 22 fev. 2012.

PIRES, J. L. V. A proposta de parceria empresa-escola da Federação das Indústrias do

estado de Minas Gerais (FIEMG) e suas diretrizes para as escolas públicas. Belo

Horizonte: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)), 1997.

(Relatório - Bolsa de Aperfeiçoamento).

SARAIVA, K.; VEIGA-NETO, A.. Modernidade líquida, capitalismo cognitivo e Educação

contemporânea. Educação e Realidade, 34(2), p. 187-201, maio/ago. 2009.

SEGNINI, L. R. P. Bradesco; a liturgia do poder. São Paulo: PUC/SP, 1986. 375p. (Tese,

Doutorado em Ciências Sociais).

SILVA, M. V. O ethos empresarial na educação escolar: novos dispositivos, novas subjetividades.

Disponível em: http:/www.ppgte.cefetpr.br/gtteanpd/trabalhosposteres.htm>. Acesso em: 14

ago. 2006.

TIRAMONTI, G.; ZIEGLER, S.. La Educación de las elites; aspiraciones, estratégias y

oportunidades. Buenos Aires: Paidós, 2008. 208p.

VARELA, J.. Categorias espaço-temporais e socialização escolar. Do individualismo ao

narcisismo. In: COSTA, Marisa V. (Org.). Escola Básica na virada do século; cultura, política

e currículo. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000. p. 73-106.

Revista Educação e Políticas em Debate - v. 1, n. 1, - jan./jul. 2012.

Alunos premiados no concurso do MEC dão aula de valores humanos. Disponível em:

http://www.gestaouniversitaria.com.br/index.php?option=com_content&view=article.

Acesso em: 11 jan. 2012.

Concurso de frases do MEC sobre valores humanos. Disponível em:

http://www.crmariocovas.sp.gov.br/noticia.php?it=7626 Acesso em: 11 jan. 2012.

Concurso leva estudantes a debater valores humanos. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/index.php?view=article&catid=211&id=5071&tmlp=compon.

Acesso em: 20 fev. 2012.

Inscrições abertas para o concurso de artigos sobre o Portal de Periódicos da CAPES. Disponível

em: http://www.ufmg.br/online/arquivos/002841.shtml Acesso em: 11 jan. 2012.

Lula determina hasteamento da Bandeira nas escolas. Disponível em:

http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI139265-EI1194,00-Lula+determina+has.

Acesso em: 20 fev. 2012.

Maranhense recebe prêmio MEC-Nestlé. Disponível em:

http://www.jornalpequeno.com.br/2006/7/25/Pagina38899.htm Acesso em: 11 jan. 2012.

MEC vai promover três diferentes concursos na primeira metade de 2006. Disponível em:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2005-12-30/mec-vai-promover-tres-diferentes-. Acesso

em: 11 jan. 2012.

Nestlé comunica investimentos de mais R$525 milhões em Minas. Disponível em:

http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/nestle-comunica- Acesso em: 21 fev. 2012.

Nordeste promete lucros para multinacional suíça. Disponível em:

http://www.swissinfo.ch/por/Capa/Archive/Nordeste_promete_lucros_para_multinacio.

Acesso em: 20 fev. 2012.

Projeto educacional destaca valores humanos. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=5069 Acesso em: 11

jan. 2012.

RJ: Nestlé investe R$163 milhões em unidade em Três Rios. Disponível em:

http://www.milknet.com.br/print.php?pg=noticias&id=16098&local=1&acao=1 Acesso em: 20

fev. 2012.

Downloads

Publicado

2012-06-18

Como Citar

Pires, J. L. V. (2012). A Ingerência da Empresa Transnacional na Escola Pública por Meio da sua Articulação com o Estado / The Transnational Company’s Mismanagement in Public School Through its Articulation with the State. Revista Educação E Políticas Em Debate, 1(1). https://doi.org/10.14393/REPOD-v1n1a2012-17367

Edição

Seção

Dossiê