AVALIAÇÃO ALTIMÉTRICA PARA GESTÃO TERRITORIAL DE USINAS HIDRELÉTRICAS

Conteúdo do artigo principal

Vivian da Silva Celestino
Jürgen Wilhelm Philips

Resumo

Usinas hidrelétricas causam impactos que são usualmente estimados por um indicador que é a potência hidrelétrica produzida por hectare de área inundada e, apesar dos empreendedores utilizarem bases cartográficas com qualidade declarada para atender às normas até as etapas de projeto, não é verificado com segurança, a priori, se a tolerância altimétrica de tais bases é suficiente para assegurar um não aumento nos impactos, tornando-se, na consolidação, um grande problema de gestão territorial. Este trabalho visa definir as tolerâncias altimétricas de bases fotogramétricas e cartográficas e se as mesmas podem ser utilizadas no dimensionamento de áreas alagadas de hidrelétricas e se os mesmos perdem qualidade quando utilizados em áreas com relevos diferenciados. Para atender aos objetivos foi desenvolvido um método para avaliar a qualidade de bases cartográficas priorizando a morfologia, de forma que as informações altimétricas provenientes das bases e dos levantamentos de campo, quando confrontadas, apresentem suas reais diferenças superficiais. Para tanto foram utilizadas duas áreas de estudo com relevos diferenciados. Para validar as bases foram realizadas avaliações pontuais de qualidade de acordo com a legislação. No final, foi apresentada a proposta de avaliação morfológica que levou em consideração os relevos das regiões e os consequentes reflexos ocasionados pela demarcação gráfica das superfícies simuladas. Para cada base testada foi indicada também qual etapa de projeto de hidrelétrica a mesma pode ser utilizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
CELESTINO, V. da S.; PHILIPS, J. W. AVALIAÇÃO ALTIMÉTRICA PARA GESTÃO TERRITORIAL DE USINAS HIDRELÉTRICAS. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 67, n. 3, 2015. DOI: 10.14393/rbcv67n3-44647. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/44647. Acesso em: 8 dez. 2022.
Seção
Artigos