Práticas educativas críticas e o futuro da Economia Popular Solidária

Autores

  • José Eduardo Fernandes Universidade Federal de Uberlândia
  • Elson de Oliveira Felice Universidade Federal de Uberlândia
  • Cristiane Betanho Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-2020-54377

Palavras-chave:

Economia Popular Solidária, Práticas educativas críticas, Organizações produtivas solidárias

Resumo

Este relato de experiência apresenta a reflexão dos participantes de uma Roda de Conversa durante a V Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária da Universidade Federal de Uberlândia. Os participantes refletiram sobre a atual conjuntura sociopolítica e a realidade das iniciativas de trabalhadores que se propuseram a se organizar a partir dos princípios da Economia Popular Solidária. Os trabalhadores apontam a importância do desenvolvimento de práticas educativas críticas entre trabalhadores e incubadoras universitárias, para avançarmos para além da caridade e da solidariedade jurídica, para o reconhecimento do outro, no sentido da solidariedade de classe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Eduardo Fernandes, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil; educador do Centro de Incubação de Empreendimentos Populares Solidários (Cieps/PROEXC/UFU).

Elson de Oliveira Felice, Universidade Federal de Uberlândia

Graduado em Artes Visuais pela Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil; educador popular no Centro de Incubação de Empreendimentos Populares Solidários (Cieps/PROEXC/UFU).

Cristiane Betanho, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, Brasil; professora associada da Faculdade de Gestão e Negócios da Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil; coordenadora do Centro de Incubação de Empreendimentos Populares Solidários (Cieps/PROEXC/UFU).

Referências

EID, F. (org.). Construindo uma economia solidária. Confederação Nacional dos Metalúr-gicos – CNM/CUT. Campinas: Editora da Unicamp, 2002.

FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA. Carta de princípios da economia solidária. 2005. Disponível em: http://fbes.org.br/2005/05/02/carta-de-principios-da-economia-solidaria/. Acesso em: 4 abr. 2019.

FRANÇA FILHO, G. C. et al. Ação pública e economia solidária: uma perspectiva interna-cional. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.

LECHAT, N. M. P. Trajetórias intelectuais e o campo da economia solidária no Brasil. 2004. 567 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

Downloads

Publicado

2020-05-01

Como Citar

FERNANDES, J. E.; FELICE, E. de O.; BETANHO, C. Práticas educativas críticas e o futuro da Economia Popular Solidária. Revista Em Extensão, [S. l.], p. 109–114, 2020. DOI: 10.14393/REE-2020-54377. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/54377. Acesso em: 15 ago. 2022.