Infância, criança e ludicidade:

a importância do trabalho docente na Educação Infantil

Autores

  • Arcelita Koscheck Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões- URI Frederico Westphalen https://orcid.org/0000-0002-4829-236X
  • Juscilene Demarco URI

DOI:

https://doi.org/10.14393/OT2022v24.n.1.64565

Palavras-chave:

Educação Infantil, Trabalho Docente, Ludicidade

Resumo

Este artigo discute concepções sobre a infância, criança e ludicidade em torno da dimensão do trabalho docente na Educação Infantil e as demandas relacionadas. Além de analisar a relação estabelecida pelas ações lúdicas como contribuições para o ensino-aprendizagem na infância. Optou-se por realizar uma pesquisa bibliográfica com o intuito de investigar as potências da ação lúdica para a prática educativa e para o próprio trabalho docente na Educação Infantil. A partir de aportes teóricos em Ariés (1981); Luckesi (2000); Santos (2007); Estatuto da Criança e do Adolescente (1990); Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil (1998), sendo autores que discutem a concepção de infância, criança e as possibilidades de uma prática docente lúdica, abordando a importância das atividades planejadas intencionalmente. Acredita-se que através do trabalho docente lúdico, é possível ampliar os saberes e solidificar suas descobertas, pois a ludicidade é considerada um dos principais aspectos para o desenvolvimento infantil. Diante disso, é necessário uma (re)inovação das práticas pedagógicas, de modo a articular novos elementos para a construção das aprendizagens na primeira infância. O professor e todos os que fazem parte do contexto infantil devem estar atentos, sendo um sujeito criativo, dinâmico, oportunizando a imaginação, possibilitando um aprendizado interativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arcelita Koscheck , Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões- URI Frederico Westphalen

Mestranda em Educação 

Referências

ARIÈS, P. História Social da Criança e da Família. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

ARRIBAS, T. L. Educação infantil: desenvolvimento, currículo e organização escolar. 5a ed. Porto Alegre: Artmed, 2004

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/lei%209394.pdf . Acesso: 03 jan. 2022.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998). Brasília. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf . Acesso em: 12 jan. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. 3º Versão. Disponível em:

http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNC C_20dez_site.pdf. . Acesso: 15 jan. 2022.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC, 2010.

BERNARDELLI, K. C. A.; TEIXEIRA, P. G. A LUDICIDADE NOS ESPAÇOS/TEMPOS ESCOLARES. Olhares & Trilhas, [S. l.], v. 18, n. 3, p. 116–141, 2017. DOI: 10.14393/OT2016aXIII.n.25.116-141. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/28258 . Acesso em: 1 fev. 2022.

BONDIOLI, A. M. Far finta insieme. Condizione, dinamiche, strategie. Quaderni Infanzia. Bergamo, Itália: Junior S.R.L., 1993.

CANDA, C. N.. Aprender e brincar é só começar. In: PORTO, Bernadete de Souza (Org.). Educação e ludicidade. Salvador: Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Gepel, 2004. p. 123-140.

CUBERO, R. Relações sociais nos anos escolares: família, escola, companheiros. In; COLL, C. Desenvolvimento psicológico e educação. V. 1. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FRABBONI, F. A escola infantil entre a cultura da infância e a ciência pedagógica e didática. In: ZABALZA, Miguel A. Qualidade em educação infantil. Trad. Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artmed, 1998.

MELLO, S. A. As Práticas Educativas e as Conquistas de Desenvolvimento das Crianças Pequenas. In: RODRIGUES, Elaine; ROSIN, Sheila Maria (Orgs). Infância e Práticas Educativas. Maringá – PR: Eduem, 2007, p. 11 a 22.

JÚNIOR, A. S. S. A Ludicidade no primeiro segmento do Ensino Fundamental. IX EnFEFE – Encontro Fluminense de Educação Física Escolar, 2005.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 6ª ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LUCKESI, C. C. O que é mesmo o ato de avaliar a aprendizagem. Revista Pátio, ano 3, n12. fev/abr 2000.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In:

PIMENTA, Selma Garrido. (Org). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez Editora, 1999. (p. 15 a 34)

SANTOS, M. S. O lúdico na formação de educador. Petrópolis, Rio de Janeiro, 2007.

SOARES, N. F. Direitos da criança: utopia ou realidade? In: SARMENTO, M.

J.; PINTO, M. As crianças: contextos e identidades. Braga, Portugal: Centro de Estudos da

Criança, Universidade do Minho, 1997.

VIGOTSKI, L. S.. A Formação Social da Mente: O Desenvolvimento dos Processos Psicológicos Superiores. Trad. José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

SILVA, M. da.; CUNHA, M. D. da. CRIANÇAS NO COTIDIANO ESCOLAR DA ALFABETIZAÇÃO INICIAL: REFLEXÕES SOBRE POLÍTICAS PÚBLICAS, INFÂNCIAS E APRENDIZAGENS. Olhares & Trilhas, [S. l.], v. 20, n. 1, p. 74–87, 2018. DOI: 10.14393/OT2018vXX.n.1.74-87. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/41926 . Acesso em: 24 jan. 2022.

Downloads

Publicado

2022-07-14

Como Citar

KOSCHECK , . A. .; DEMARCO, J. Infância, criança e ludicidade: : a importância do trabalho docente na Educação Infantil. Olhares & Trilhas, [S. l.], v. 24, n. 1, p. 1–15, 2022. DOI: 10.14393/OT2022v24.n.1.64565. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/64565. Acesso em: 28 set. 2022.