Ensino de linguagens no contexto remoto: experiência em uma escola pública de Mato Grosso

Conteúdo do artigo principal

Ana Graciela M. F. da Fonseca Voltolini
Elisangela Alves Sobrinho Arbex
https://orcid.org/0000-0002-7228-882X
Marcia de Souza Damasceno
https://orcid.org/0000-0001-8295-8690

Resumo

Neste artigo apresentamos uma prática de ensino de linguagens em uma escola pública de Mato Grosso utilizando a Sequência Didática como metodologia aportada na teoria de Schneuwly e Dolz (2004). Objetivou-se utilizar práticas que assegurem a aprendizagem no contexto do ensino remoto, ao final, foi identificado que trabalhar de forma colaborativa utilizando ferramentas como o Google Documentos, Google Meet e WhatsApp é importante neste cenário, e que devemos também promover atividades voltadas aos letramentos digitais dos alunos das escolas públicas. Ainda que diante de um contexto desigual no que tange às tecnologias digitais, a experiência mostrou a importância em proporcionar aos alunos experiências com o uso das TDIC e de gêneros textuais pertencentes ao cotidiano, como a reportagem, produzida por meio da Sequência Didática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Voltolini, A. G. M. F. da F., Arbex, E. A. S., & Damasceno, M. de S. (2022). Ensino de linguagens no contexto remoto: experiência em uma escola pública de Mato Grosso. Ensino Em Re-Vista, 29(Contínua), e056. https://doi.org/10.14393/ER-v29a2022-56
Seção
DOSSIÊ 3 - A ESCOLA NOS DIAS ATUAIS: E AGORA?

Referências

ANTUNES, Irandé. Avaliação da produção textual no ensino médio. In: BUNZEN, Clecio; MENDONÇA, Márcia (orgs.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola, 2006.

ARAGÃO, Helena. Tiktoker tamanho família. Splash UOL, s.d. Disponível em: https://www.uol.com.br/splash/reportagens-especiais/raphael-vicente-tiktoker-tamanho-familia/#cover. Acesso em: 27 ago. 2021.

BONILLA, Maria Helena; OLIVEIRA, Paulo Cezar Sousa de. Inclusão Digital: Ambiguidades em curso. In: BONILLA, Maria Helena; PRETTO, Nelson de Luca. Inclusão Digital: polêmica contemporânea. v. 2, p. 15-21. Salvador: EDUFBA, 2011.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. 2 ed. São Paulo. Edusp, 2008.

BRANDÃO, Gildo Marçal. Linhagens do pensamento político brasileiro. São Paulo: Aderaldo & Rothschild Editores, 2007.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/pcn/portugues.pdf. Acesso em: 18 jan. 2021.

CANCLINI, Néstor García. Culturas Híbridas, poderes oblíquos. In: Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, 2008, p. 283-350.

COLEMARX. Em defesa da educação pública comprometida com a igualdade social: porque os trabalhadores não devem aceitar aulas remotas. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 22 de abril de 2020. Disponível em:

https://esquerdaonline.com.br/wp-content/uploads/2020/04/Colemarx-texto-cr%C3%ADtico-EaD-vers%C3%A3o-final-b-1.pdf. Acesso em: 10 maio 2021.

DUDENEY, Gavin; HOCKLY, Nicky; PEGRUM, Mark. Letramentos digitais. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

HODGES, Charles; TRUST, Torrey; MOORE, Stephanie; BOND, Aaron; LOCKEE, Barb. Diferenças entre o aprendizado online e o ensino remoto de emergência. Revista da Escola, Professor, Educação e Tecnologia, v. 2, p. 1-12, 2020. Disponível em: https://escribo.com/revista/index.php/escola/article/view/17. Acesso em: 01 abr. 2021.

LÉVY, Pierre. O que é virtual? São Paulo: Editora 34, 2007.

MAIA, Junot de Oliveira. Novos e híbridos letramentos em contexto de periferia. In: ROJO, Roxane (org.). Escol@ conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013, p. 59-71.

MARCON, Karina. Inclusão e Exclusão Digital em Contexto de Pandemia: Que Educação Estamos Praticando e para quem? Revista Criar Educação. v. 9, n. 2, p. 80-103, 2020. Disponível em: http://periodicos.unesc.net/criaredu/article/view/6137/5407. Acesso em: 01 abr. 2021.

MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria das Mídias Digitais. Petrópolis: Vozes, 2014.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa; CANDAU, Vera Maria. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura. BEAUCHAMP, Jeanete; PAGEL, Sandra Denise; NASCIMENTO, Aricélia Ribeiro do. (orgs.). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

NÚCLEO de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br). (2021). Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros: pesquisa TIC Domicílios (Edição COVID-19 - Metodologia adaptada), ano 2020. Disponível em: https://cetic.br/pt/arquivos/domicilios/2020/domicilios/. Acesso em: 01 ago. 2021.

NÚCLEO de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br). Painel TIC COVID-19: pesquisa sobre o uso da Internet no Brasil durante a pandemia do novo Coronavírus (3ª edição: Ensino remoto e teletrabalho), 2020. Disponível em: https://cetic.br/pt/pesquisa/tic-covid-19/analises/. Acesso em: 01 ago. 2021.

RIBEIRO, Ana Elisa. Multimodalidade, textos e tecnologias: provocações para a sala de aula. São Paulo: Parábola, 2021.

ROJO, Roxane. Escol@ conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013.

SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros Orais e escritos na escola. Trad. e org. ROJO, Roxane; CORDEIRO, Glaís Sales. São Paulo: Mercado das Letras, 2004.

SOARES, Magda. Linguagem e escola: uma perspectiva social. 18° ed. Editora Contexto, São Paulo, 2021.