Narrativas de professores formadores: práticas pedagógicas no ensino com a oralidade e a escrita na perspectiva dos multiletramentos

Conteúdo do artigo principal

Neide Castilho de Araújo Teno
https://orcid.org/0000-0001-5062-9155
Edinéia Leite dos Santos Oliveira
https://orcid.org/0000-0003-1973-4090
Maristela Zeviani
https://orcid.org/0000-0002-4418-7378

Resumo

Este estudo vincula-se ao projeto “Memórias de professores: diálogos sobre o Letramento e o ensino da Língua Portuguesa - etapa II” objetivando reflexão acerca do ensino da língua portuguesa nas escolas públicas. Analisa o ensino da oralidade e escrita enquanto prática docente na perspectiva do multiletramento. Objetiva compreender práticas pedagógicas dos professores em formação em Letras, por meio da análise de fragmentos de narrativas orais e escritas desses professores. Utilizou-se metodologia da análise de conteúdo de Bardin (2013) para análise dos dados com recorte para relação ensino e prática pedagógica, prática de ensino de textos orais e escritos, oralidade e escrita. Utilizou-se os teóricos Bakhtin/Volochínov (1997; 2014), Tfouni (2010), Josso (2010), Marcuschi, (2001), entre outros. Como resultado, constatou-se que os professores dominam observações da oralidade e da escrita com gêneros multimodais na construção de sentido relaciondo-os aos usos sociais da linguagem e articulação entre experiências vivenciadas em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Teno, N. C. de A. ., Oliveira , E. L. dos S. ., & Zeviani, M. . (2022). Narrativas de professores formadores: práticas pedagógicas no ensino com a oralidade e a escrita na perspectiva dos multiletramentos. Ensino Em Re-Vista, 29(Contínua), e012. https://doi.org/10.14393/ER-v29a2022-12
Seção
DOSSIÊ 1: A EXPERIÊNCIA DA PESQUISA COLABORATIVA EM REDE

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes,1997.

BAKHTIN, M. (V. N. Volochínov). Marxismo e Filosofia da Linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 16ª ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, 2013.

BAZERMAN, C. Escrita, Gênero e Interação Social. São Paulo Cortez Editora, 2007.

BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola. 2004.

BORTONI-RICARDO, S. M. Nós chegemu na escola, e agora?: Sociolinguística e educação. São Paulo: Parábola Editora, 2005.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Introdução. Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

COPE, B; KALANTZIS, M. (Eds.) Multiliteracies: Literacy Learning and the Design of Social Futures. Routlege: London, 2000.

COSTA VAL, M. G. Texto, textualidade e textualização. In: CECCANTINI, J. L. T.; PEREIRA, R. F.; ZANCHETTA JR., J. Pedagogia Cidadã: cadernos de formação: Língua Portuguesa. v. 1. São Paulo: UNESP, Pró-Reitoria de Graduação, 2004. p. p. 113-128.

DIONÍSIO, A. P. Multimodalidade discursiva na atividade oral e escrita (atividades). In: MARCUSCHI, L. A.; DIONÍSIO, A. P. (orgs.). Fala e Escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

JOSSO, M.-C. Experiência de vida e formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

KLEIMAN, Â. Preciso ensinar o letramento? Não basta ensinar a ler e a escrever? São Paulo: Produção Editorial, 2005.

KLEIMAN, Â. (org.) Os significados do letramento. Novas perspectivas sobre a prática social da escrita. Campinas, S. P.: Mercado de Letras, 6a. ed. 2003.

LARROSA, J. B. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. In: Geraldi, C.M.C; RIOLFI, C. R.; GARCIA, M. de F. (orgs. ) Escola Viva. Campinas, S.P.: Mercado de Letras, 2004, p. 113-13.

MARCUSCHI, L. A. Letramento e oralidade no contexto das práticas sociais e eventos comunicativos in: SIGNORINI, I. (org.) Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas – SP: Mercado de Letras 2001.

NOVOA, A. Os professores e a sua formação. Lisboa, PT: Dom Quixote, 1992.

NOVOA, A. Os professores e as Histórias da sua vida. In: NÓVOA António (org.) Vidas de professores. Portugal: Porto Editora, 1992.

PINHEIRO, N. F. A noção de gênero para análise de textos midiáticos. In: MEURER, J. L.; MOTTA-ROTH, D. (org.). Gêneros textuais e práticas discursivas: subsídios para o ensino da linguagem. Bauru, SP: EDUSC, 2002. p. 259-290. (Coleção Signum).

ROJO. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

ROJO; ALMEIDA, E. M. (Orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012, 264 p.

ROJO; ALMEIDA, E. M.; SCHNEUWLY, B. As relações oral/escrita nos gêneros orais formais e públicos: o caso da conferência acadêmica. Revista Linguagem em (Dis)curso - LemD, Tubarão, v. 6, n. 3, p. 463-493, set./dez. 2006.

SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Conferência proferida no Instituto de Estudos da Linguagem, da UNICAMP, em 20 out. 2005. Campinas: IEL/UNICAMP, 2005.

SOUZA, E. C.; ABRAHÃO, M. H. M. B. (Org.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006.

STREET, B. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, n. 25, Abril 2004, p. 5-17.

STREET, B. Os novos estudos sobre o letramento: histórico e perspectivas. In: MARINHO, M.; CARVALHO, G. T. Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010. p.33-53.

TFOUNI, L. V. Letramento e alfabetização. 9a. Ed. São Paulo/SP: Cortez, 2010.

VILELA, M.; KOCK, I. V. Gramática da língua portuguesa. Almedina – Portugal, março 2001.