Atendimento educacional em ambiente hospitalar: visão do estudante portador de paralisia cerebral sobre direitos e formação

Conteúdo do artigo principal

Jucélia Linhares Granemann de Medeiros
https://orcid.org/0000-0002-3470-8723
Yara Fonseca de Oliveira e Silva
https://orcid.org/0000-0001-5725-478X

Resumo

Este artigo é fruto de uma pesquisa realizada em 2020 e que investigou o olhar de cinco estudantes portadores de paralisia cerebral hospitalizados sobre o atendimento educacional que recebiam, os seus direitos, o espaço do hospital e o papel do professor. Para a investigação, optou-se pela abordagem qualitativa, cujos dados foram levantados por meio de entrevistas semiestruturadas e atividades mediadas pela pesquisadora, à luz de documentos legais e estudos sobre o atendimento educacional. Os resultados mostraram que os estudantes reconheciam seus direitos a essa assistência pedagógico-hospitalar, mas acreditavam que esse atendimento precisava ser melhorado. No que diz respeito à atuação do professor, afirmaram que ele tem contribuído para dar continuidade a seus processos de aprendizagem, mas que, via de regra, carecem de formação de qualidade para o atendimento educacional hospitalar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Medeiros, J. L. G. de ., & Oliveira e Silva, Y. F. de . (2021). Atendimento educacional em ambiente hospitalar: visão do estudante portador de paralisia cerebral sobre direitos e formação. Ensino Em Re-Vista, 28(Contínua), e005. https://doi.org/10.14393/ER-v28a2021-5
Seção
DOSSIÊ - FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA O ATENDIMENTO EM AMBIENTE HOSPITALAR

Referências

BARROS, A. S. S. A prática pedagógica em uma enfermaria pediátrica: contribuições da classe hospitalar à inclusão desse alunado. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 12, p. 84-93, 1999.

BARROS, A. S. S. Contribuições da educação profissional em saúde à formação para o trabalho em classes hospitalares. Caderno Cedes, Campinas-SP, v. 27, n. 73, p. 257-278, 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88/>. Acesso em: jul. 2020.

BRASIL. Lei n. 7.583, de 24 de outubro de 1989. Dispõe sobre o apoio às pessoas Portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Brasília, DF. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7853.htm>. Acesso em: 19 de Set 2019.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf/>. Acesso em: jul. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº. 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 set. 2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/resolucao2.pdf/>. Acesso em: jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial. Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações. Brasília: MEC/ SEESP, 2002.

CAIADO, K. R. M. Aluno deficiente visual na escola: lembranças e depoimentos. Campinas-SP: Ed. Autores Associados/PUC, 2003.

CECCIM, R. B. Classe Hospitalar: encontros da educação e da saúde no ambiente hospitalar. Revista Pedagógica Pátio, Porto Alegre, n. 10, p. 41-44, ago./out. 1999.

FONSECA, E. S. Classe Hospitalar: ação sistemática na atenção as necessidades pedagógicas - educacionais de crianças e adolescentes hospitalizados. Temas sobre Desenvolvimento, RJ, v. 8, n. 44, p. 32-37, 1999.

FONTES, R. S. A classe hospitalar e a inclusão da criança enferma na sala de aula regular. Revista Brasileira Educação Especial, Marília-SP, v. 8, n. 1, p. 45-54, 2002.

FONTES, R. S. A reinvenção da escola a partir de uma experiência instituinte em hospital. Educação e pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 271-282, 2004.

GONZÁLEZ, E.; GONZÁLEZ, C. Classes hospitalares. In: GONZÁLEZ, E. et al. Necessidades educacionais específicas. Porto Alegre: Artmed, 2007. p. 344-369.

HARE, N.; DURHAM, S.; GREEN, E. Paralisias Cerebrais e Distúrbios de Aprendizado Motor. In: STOKES, M. Neurologia para Fisioterapeutas. São Paulo: Editora Premier, 2000. p. 255-269.

LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2003.

MAIA-VASCONCELOS, S. F. Penser l’école et la construction des savoirs. Berlim: Editions Universitaires Européennes, 2010. v. 01. 454 p.

MATOS, E. L. M.; MUGIATTI, M. T. de F. Pedagogia hospitalar: a humanização integrando educação e saúde. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

ORTIZ, L. C. M.; FREITAS, S. N. Classe hospitalar: caminhos pedagógicos entre saúde e educação. Santa Maria-RS: UFSM, 2005.

SANDRONI, G. A. Classe hospitalar: um recurso a mais para a inclusão educacional de crianças jovens. Cadernos da Pedagogia, São Paulo, v. 2, n. 3, p. 1-13, 2008.

ZOMBINI, E.V.; BOGUS, C. M; PEREIRA, I. M.T. B.; PELICIONI, M. C. F. Classe hospitalar: a articulação da saúde e educação como expressão da política de humanização do SUS. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 71-86, mar./jun. 2012.