Uma análise teórica sobre a temática hídrica em livros didáticos de Biologia do PNLD 2018

Conteúdo do artigo principal

João Paulo Cunha de Menezes
https://orcid.org/0000-0002-2566-3957
Simone Silva da Fonseca
https://orcid.org/0000-0002-2076-7853
Ana Júlia Lemos Alves Pedreira
https://orcid.org/0000-0003-2124-1789

Resumo

A água é um recurso limitado e que requer cuidados. As abordagens generalistas presentes nos livros didáticos podem parecer distantes da realidade do aluno, sendo, então, importante a contextualização e enriquecimento dessas. Desta forma, este trabalho teve como objetivo analisar os livros didáticos de Biologia sugeridos pelo Programa Nacional do Livro e do Material Didático 2018, buscando apreender a forma como os conhecimentos sobre o tema “Recursos Hídricos” se apresentam e estão relacionados à temática ambiental. Os resultados encontrados indicam que os livros didáticos são instrumentos que podem auxiliar professores e estudantes na aprendizagem, mas requerem um material de apoio como ferramenta sensibilizadora, devido ao fato de que nos livros didáticos não há uma abordagem minuciosa sobre a questão hídrica, que desperte a participação e reflexão sobre o uso da água e maneiras de minimizar o impacto do ser humano na exploração desse recurso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Menezes, J. P. C. de ., Fonseca, S. S. da ., & Pedreira, A. J. L. A. . (2020). Uma análise teórica sobre a temática hídrica em livros didáticos de Biologia do PNLD 2018. Ensino Em Re-Vista, 27(3), 1155–1180. https://doi.org/10.14393/ER-v27n3a2020-16
Seção
ARTIGOS DE DEMANTA CONTÍNUA

Referências

ADASA. Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal. Níveis oficiais dos reservatórios. Distrito Federal, 2016. Disponível em: < http://www.adasa.df.gov.br/monitoramento/niveis-dos-reservatorios/monitoramento/niveis-dos-reservatorios/796-nivel-dos-reservatorios >. Acesso em: 14, abr. 2018.

AMABIS, J. M.; MARTHO, G. R. Biologia moderna. Volume 3, Ensino Médio. 1ª ed. São Paulo: Moderna, 2016.

ARAUJO, F., C., M., D. Produção do livro paradidático: uma pitada de sal no ensino de Geografia. Rio Grande do Norte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2017, p. 144.

BANDOUK, A. C. Ser protagonista: Biologia. Volume 3, Ensino Médio. 3ª ed. São Paulo: SM, 2016.

BARBOSA, V. Torneira seca? A crônica paulista de uma crise anunciada. In: A última gota. São Paulo: Planeta, cap. 1, p. 41 – 62, 2014.

BIZZO, N. Biologia: novas bases. Volume 3, Ensino Médio. 1ª ed. São Paulo: IBEP, 2016.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. BNCC. Ministério da educação, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/04/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site.pdf. Acesso em: 17, abr. 2018.

______. Ministério do Meio Ambiente. Identidade da Educação Ambiental Brasileira. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília, p. 156, 2004.

______. Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Currículo em Movimento da Educação Básica – Ensino médio. Brasília, 2013.

CULPI, V., L., F., L. Contribuições da Pegada Hídrica no Ensino de Ciências: Percepções e Perspectivas de Mudança a partir da Sala de Aula. Paraná: Universidade Teológica Federal do Paraná, 2016.

FAVARETTO, J. A. Biologia: unidade e diversidade. Volume 3, Ensino Médio. 1ª ed. São Paulo: FTD, 2016.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 60ª edição, 2016.

GALDINO, S., M.; SOUSA, R., M., R.; COSTA, S., M., G.; FERREIRA, P., C. Estudo prospectivo de Tecnologias Potenciais para a Solução da Crise Hídrica no Brasil. Cad. Prospec. Salvador, v. 11, Edição Especial, p.198-210, 2018.

GOMES, R., K., S.; NAKAYAMA, L. Educação ambiental: saberes necessários a práxis educativa docente de uma escola amazônica amapaense. Educar em Revista. Curitiba, v. 33, n. 66, p. 257-273, 2017.

GUERRERO, J., V., R.; LOLLO, J., A.; MOSCHINI, L., E.; LORANDI, R. Carta de fragilidade ambiental como instrumento de planejamento e conservação de unidades aquíferas: o caso da bacia do rio Clarinho, SP. Caderno de Geografia. Minas Gerais, v. 25, n. 53, p. 385-403, 2018.

JÚNIOR, C. S.; SASSON, S.; JÚNIOR, N. C. Biologia. Volume 1, Ensino Médio. 12ª ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

LINHARES, S.; GEWANDSZNAJDER, F; PACCA, H. Biologia Hoje. Volume 3, Ensino Médio. 3ª ed. São Paulo: Ática, 2016.

LOPES, S.; ROSSO, S. Bio. Volume 1, Ensino Médio. 3ª ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

MARTINS, E; GUIMARÃES, G. As concepções de natureza nos livros didáticos de ciências. Ensaio. México, v. 4, n. 2, p. 1-14, dez. 2002.

MENDONÇA, V. L. Biologia. Volume 1, Ensino Médio. 3ª ed. São Paulo: AJS, 2016.

OGO, M.; GODOY, L. # Contato Biologia. Volume 3, Ensino Médio. 1ª ed. São Paulo: Quinteto, 2016.

OTALARA, A., P.; CARVALHO, L., M. O tema água nos livros didáticos de ciências da natureza, o cotidiano (global – local) e as questões ambientais. VI Encontro “Pesquisa em Educação Ambiental”. A pesquisa em educação ambiental e a pós-graduação no Brasil. Ribeirão Preto, 2011.

PASSERIA, M., G.; AIRES, R., M.; ROCHA, M., B. Reelaboração discursiva de um texto de divulgação científica sobre crise hídrica em um livro didático de ciências. Ensino, saúde e ambiente. Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 142-162, 2017.

PINTO, E. Geopolítica da água. Revista de Geopolítica. Natal, v.8, n.1, p. 19-32, 2017.

SANTOS, A., C.; SALCEDO, I., H.; CANDEIAS, A., L., B. Relação entre o relevo e as classes texturais do solo na microbacia hidrográfica de Vaca Brava, PB. Revista Brasileira de Cartografia, n., 54, p. 86-94, 2003.

SANTOS, A., C.; SALCEDO, I., H.; GALVÃO, S., R., S. Relações entre o uso do solo, relevo e fertilidade do solo em escala de microbiota. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, PB, v. 12, n. 5, p. 458-464, 2008.

SILVA, R. Tema água: uma contribuição para o desenvolvimento de percepções, questionamentos e compromissos sociais. Brasília: UnB. 2016. 144 p.

SILVA, T., R; SILVA, B., R. Reflexões sobre a abordagem de ciclos biogeoquímicos no ensino em ciências: considerações para um enfoque em CTS. Revista do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica. Universidade Federal do Piauí, Teresina, v. 5, n. 2, p.5-18, 2017.

SOUZA, P; ROCHA, M. A análise da linguagem de textos de divulgação científica em livros didáticos: contribuições para o ensino de Biologia. Atlas do IX encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. São Paulo, v. 23, nº 2, p. 321-340, 2017.

VASCONCELOS, S. D.; SOUTO, E. O livro didático de ciências no ensino fundamental – proposta de critérios para análise do conteúdo zoológico. Ciência & Educação. São Paulo, v. 9, n. 1, p. 93 – 104, 2003.

VIEIRA, E., P., B. A crise hídrica no distrito Federal: uma proposta CTS em rede social sobre o processo de separação de materiais. Brasília: UnB, 2017, p. 161.