Pesquisa Participante, direitos territoriais e mapeamentos coletivos

o entrelaçar entre o uso e a vida

Autores

  • Sinthia Cristina Batista Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Camila Salles de Faria Universidade Federal de Mato Grosso https://orcid.org/0000-0003-4948-351X

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT195371484

Palavras-chave:

Pesquisa Participante, direitos territoriais, trabalho de campo, mapeamentos coletivos

Resumo

A interlocução entre a Geografia Crítica e a Pesquisa Participante transforma em sujeitos ativos todos os envolvidos nessa tarefa, trazendo uma coletividade ao ato de pesquisar e firmando um compromisso social. Ela permite uma compreensão das lutas sociais no campo brasileiro e dos direitos territoriais, fortalecidos principalmente no período de redemocratização do país com a Constituinte e lidos como estratégia contraditória da reprodução da vida. Objetiva-se trazer os conteúdos deste debate a partir dessa relação acrescida do trabalho de campo e dos processos de mapeamento, com destaque para a elaboração de Mapas do Vivido. Entendido como um processo que expressa o espaço da vida e imbrica diferentes momentos históricos, como o passado, presente e futuro diante dos conflitos territoriais e da distinta territorialização dos sujeitos do campo. Verticaliza-se a análise dos direitos territoriais e das disputas dos povos indígenas, e neste artigo examinamos aqueles vinculados ao processo administrativo demarcatório da Terra Indígena Tekoha Guasu Guavira (PR). Para esses Guarani o mapeamento articula-se: ao passado, evidenciando a dimensão da violência que emergiu da expropriação (e suas tentativas), assim como do roubo de suas terras; ao presente, por meio dos usos, da retomada do território e das ações práticas da territorialização, as quais constroem-se como futuro e almejam a reprodução física e cultural dos povos indígenas, além das demarcações de suas terras. Para isso, encontra-se, contraditoriamente, a negociação dos limites da TI que envolvem o possível mediado pelos agentes do Estado, o que convoca fortemente a Geografia para o debate.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Salles de Faria, Universidade Federal de Mato Grosso

Professora Adjunta do Departamento de Geografia e Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso

Downloads

Publicado

14-04-2024

Como Citar

BATISTA, S. C.; FARIA, C. S. de. Pesquisa Participante, direitos territoriais e mapeamentos coletivos: o entrelaçar entre o uso e a vida. Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 19, n. 53, p. 124–150, 2024. DOI: 10.14393/RCT195371484. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/71484. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Trabalho de Campo e a Pesquisa Participante: a contribuição de Carlos Rodrigues Brandão