Emergência da COVID-19 e produção do espaço de contágio em territórios de frigoríficos no Brasil e nos EUA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT174702

Resumo

Desde o início da pandemia da Covid-19 frigoríficos no Brasil e nos Estados Unidos se tornaram centros de contágio da doença. De um ponto de vista geográfico, a cronologia do contágio sugere que os frigoríficos atuaram na espacialização subsequente da Covid-19 em seus territórios, atingindo comunidades de trabalhadores imigrantes, indígenas e municípios vizinhos. Características sanitárias específicas, somadas às pressões corporativas, o descumprimento ou ausência de normas sanitárias de prevenção e controle de Covid-19 e a definição da indústria de processamento de alimentos como atividade essencial pelo poder público compõem os principais fatores para o contágio de Covid-19 em frigoríficos. Este artigo analisa o papel da indústria de proteína animal na emergência da Covid-19 e na subsequente produção do espaço do contágio a partir dos territórios dos frigoríficos controlados pelas companhias BRF município brasileiro de Concórdia, no estado de Santa Catarina, e pela JBS nos municípios estadunidenses de Cold Spring e Worthington no estado de Minnesota. Analisamos a espacialização do contágio através de uma perspectiva multidimensional e multiescalar, considerando as correlações entre os aspectos políticos, econômicos, sanitários e epidemiológicos. Sugerimos que os frigoríficos agiram como espaços aceleradores do contágio de Covid-19 sobre os seus territórios, impactando a escala e a interiorização da pandemia tanto no Brasil quanto nos EUA

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Allan Rodrigo De Campos Silva, IPPRI-TerritoriAl UNESP

Geógrafo e Pesquisador de Pós-Doutorado (TerritoriAL-UNESP).

Downloads

Publicado

04-10-2022

Como Citar

DE CAMPOS SILVA, A. R. Emergência da COVID-19 e produção do espaço de contágio em territórios de frigoríficos no Brasil e nos EUA. Revista Campo-Território, Uberlândia-MG, v. 17, n. 47 Out., p. 08–32, 2022. DOI: 10.14393/RCT174702. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/66000. Acesso em: 4 dez. 2022.