Mulheres no campo

divisão sexual do trabalho em propriedades da cafeicultura convencional no Sul de Minas Gerais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT153604

Resumo

Diante de uma sociedade patriarcal, capitalista e opressora, consiste a urgência compreensão da visibilidade da força de trabalho feminina, em especial das mulheres do campo, ainda mais vulneráveis dentro dessa lógica. Ao falar sobre o papel da mulher na agricultura, com destaque na cafeicultura mineira, é necessário compreender a participação e valorização destas mulheres nos setores de cooperativismo, administração da propriedade, divisão sexual do trabalho, reconhecimento no mercado, além das múltiplas jornadas de trabalho, que recaem sobre a mulher. Além disso, é importante discutir sobre gênero na geografia agrária principalmente pelo fato de existir poucos trabalhos que abordam a relação de gênero no campo e assim poucos trabalhos e autores que trabalham nesse tema.

Palavras-chave: Mulheres. Divisão Sexual do Trabalho. Cafeicultura. Cooperativismo. Agricultura Familiar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Almeida Araújo, Universidade Federal de Alfenas

Mestranda em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Alfenas.

Tamyris Maria Moreira da Costa, Universidade Federal de Alfenas

Graduada em Geografia pela Universidade Federal de Alfenas.

Thais de Cássia Silva Lemos , Universidade Federal de Alfenas

Mestranda em Geografia pela Universidade Federal de Alfenas.

Downloads

Publicado

03-07-2020

Como Citar

ARAÚJO, L. A.; COSTA, T. M. M. da; LEMOS , T. de C. S. Mulheres no campo: divisão sexual do trabalho em propriedades da cafeicultura convencional no Sul de Minas Gerais. Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 15, n. 36 Jul., p. 88–111, 2020. DOI: 10.14393/RCT153604. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/52187. Acesso em: 20 jul. 2024.