Geografia, ação política e gestão de Territórios Tradicionais

Autores

  • Mario Alberto Santos Universidade Federal do Oeste da Bahia
  • Catherine Prost Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT122705

Resumo

Correlacionar a ação política com a gestão em Territórios Tradicionais (territórios comunitários) permite compreender essa gestão sob uma perspectiva processual e, ao mesmo tempo, destacar a dimensão espacial na qual ela ocorre, considerando o sentido e o fundamento geográfico dessa ação. Também se justifica incluir os princípios e diretrizes da Política Nacional para o Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Assim, as geograficidades, como o fenômeno que nos liga íntima e profundamente à Terra, e o espaço, como o fenômeno que adquire sentido a partir da realização da experiência vivida, invocam para a ação política a pluralidade humana e a coexistência cotidiana, elementos essenciais à gestão nos territórios comunitários. Com isso, a gestão territorial começa a ser construída a partir de e através das correlações e interações existentes no universo social e de trabalho locais, tendo a ação política como fenômeno que gera e guia essa gestão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mario Alberto Santos, Universidade Federal do Oeste da Bahia

Centro das Humanidades, curso de Geografia

Downloads

Publicado

18-10-2018

Como Citar

SANTOS, M. A.; PROST, C. Geografia, ação política e gestão de Territórios Tradicionais. Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 12, n. 27 Ago., 2018. DOI: 10.14393/RCT122705. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/38706. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos