O processo de recriação contraditória do campesinato: o caso do assentamento coletivo COPAVI de Paranacity/PR

Autores

  • Fábio Luiz Zeneratti Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT81518290

Palavras-chave:

Campesinato, Assentamento, Cooperativismo, Territorialização camponesa, Renda da terra

Resumo

As reflexões contidas neste trabalho se inserem no debate sobre a recriação contraditória do campesinato contemporâneo, tendo como recorte empírico a Cooperativa de Produção Agropecuária Vitória (COPAVI), uma experiência de assentamento rural fundada no trabalho coletivo sob uma modalidade de cooperativismo que alcançou êxito no processo de territorialização camponesa. O trabalho procura evidenciar que o cooperativismo é um importante mecanismo para evitar que a renda da terra camponesa seja apropriada pelo capital, sobretudo possibilitando aos cooperados a inserção no mercado sem a intermediação do capital industrial ou comercial. Para isso contribui a estratégia da policultura, mediante a qual se produz uma parte dos gêneros necessários à sobrevivência das famílias, reduzindo-se a dependência externa. A divisão do trabalho no interior do assentamento revela uma lógica que lembra a organização empresarial, embora contraditoriamente esteja integrada à lógica de trabalho camponês, o que em última instância se apresenta como estratégia de resistência e fortalecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Luiz Zeneratti, Universidade Estadual de Londrina

Mestre em Geografia pela Universidade Estadual de Londrina

Downloads

Publicado

17-03-2013

Como Citar

ZENERATTI, F. L. O processo de recriação contraditória do campesinato: o caso do assentamento coletivo COPAVI de Paranacity/PR. Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 8, n. 15 Fev., 2013. DOI: 10.14393/RCT81518290. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/18290. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos