A territorialização do capital e as relações camponesas de produção

Autores

  • Régis Ricci dos Santos Faculdade do Noroeste de Minas - FINOM, Paracatu/MG

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT2311800

Palavras-chave:

agricultura, capital, concentração fundiária, expropriação camponesa, movimentos sociais

Resumo

Condicionantes políticos e históricos engendram a ocupação e posse da terra por grupos oligárquicos e a emergência dos movimentos sociais de luta pela terra no Brasil. Verifica-se o monopólio da terra pelo capitalista, expulsando e/ou subordinando o camponês aos interesses do capital. Quanto mais se expande o capital, ampliam-se as demandas pela obtenção de capital, aumentando a subordinação e, consequentemente, a expropriação camponesa. Como resultado, a concentração fundiária e de renda caracterizam a questão agrária no Brasil. Desterritorializa-se a agricultura familiar, frente às demandas do capital, com vistas à produção orientada pela agroindústria e/ou passível de ser exportada. Os incentivos governamentais que impulsionaram a modernização da agricultura brasileira são relativamente recentes e privilegiaram os latifundiários. Na medida em que se intensifica a modernização capitalista, vem sendo consolidada, no meio rural brasileiro, uma situação de exclusão social, fundamentada na grande propriedade de terras, seja pela expropriação e assalariamento do camponês, seja pela favelização na periferia dos centros urbanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Régis Ricci dos Santos, Faculdade do Noroeste de Minas - FINOM, Paracatu/MG

Professor do Departamento de Geografia da FINOM. Graduado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Especialista em Gestão de Programas de Reforma Agrária e Assentamento pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Mestrando em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília(UnB).  

Downloads

Publicado

02-02-2007

Como Citar

SANTOS, R. R. dos. A territorialização do capital e as relações camponesas de produção . Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 2, n. 3 Fev., p. 40–54, 2007. DOI: 10.14393/RCT2311800. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/11800. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos