A FRAGMENTAÇÃO FLORESTAL EM DIFERENTES TERRITÓRIOS: ESTUDO DE CASO EM QUERÊNCIA-MT, SITUADA NO ARCO DO DESMATAMENTO, BRASIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG249566556

Palavras-chave:

Métricas da Paisagem, Amazônia, Ecologia da Paisagem

Resumo

O desmatamento e a fragmentação florestal no arco do desmatamento amazônico têm sido amplamente debatidos. Entretanto, os padrões florestais são singulares em diferentes territórios, sendo importante refletir sobre governanças diferenciadas. O artigo avalia a evolução espaço-temporal do desmatamento e da fragmentação florestal em terras indígenas, propriedades rurais e assentamentos rurais, no município de Querência (MT), em dois períodos distintos (entre 1995, 2005 e 2019). Analisou-se os resultados à luz de diferentes políticas públicas implantadas historicamente, viabilizando a proposição de um cenário de restauração ambiental. Identificou-se que o desmatamento e a fragmentação florestal são distintos entre os diferentes territórios. Nas terras indígenas houve manutenção de 94% da cobertura florestal nos dois períodos analisados, o que indica alta conservação. Nas propriedades rurais, no primeiro período houve avanço do desmatamento e da fragmentação motivados pela ocupação regional, e no segundo, incipiente desmatamento e até melhora na disposição espacial dos fragmentos, o que sugere resposta as pressões internacionais e as políticas nacionais. Nos assentamentos rurais houve o maior desmatamento proporcional e fragmentação de florestas. Devido à condição histórica do desmatamento em assentamentos rurais, foi proposto um cenário de restauração florestal que pode guiar políticas regionais de desenvolvimento sustentável na escala local e regional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heitor Carvalho Lacerda, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em licenciatura (2018) e bacharelado (2019) em Geografia, pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Mestre (2022) em Análise e Modelagem de Sistemas Ambientais (AMSA) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente é discente de doutorado do Programa de Pós-Graduação de Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

Andréa de Oliveira Mesquita, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de São João del Rei (2006) e Mestrado Stricto Sensu em Ecologia Aplicada pela Universidade Federal de Lavras (2009) com ênfase em Mamíferos, Fragmentação Florestal e efetividade de Corredores de Vegetação. Atuou como Analista de Meio Ambiente, trabalhando em projetos de Conservação e Licenciamento Ambiental nos Biomas Mata Atlântica, Cerrado e Amazônia. Possui experiência em levantamentos e monitoramentos de mamíferos silvestres e na Avaliação de Impactos Ambientais. Atualmente é aluna de Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Análise e Modelagem de Sistemas Ambientais da Universidade Federal de Minas Gerais. 

Alessandra Silva Araújo, Universidade Federal de MInas Gerais

Pesquisadora no Centro de Sensoriamento Remoto da Universidade Federal de Minas Gerais (CSR-UFMG), Doutoranda em Análise e Modelagem de Sistemas Ambientais (UFMG), Mestre em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socioambiental (Universidade do Estado de Santa Catarina, 2017), Bacharel em Ciências Socioambientais (UFMG, 2014)

Sónia Maria Carvalho Ribeiro, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora do Departamento de Cartografia da Universidade Federal de Minas Gerais, Coodenadora do Programa de Pós Graduação Em Análise e Modelagem de Sistemas Ambientais, Bolsista de Produtividade Pesquisa nível 2. Possui doutorado em Ciências do Ambiente -pela University of East Anglia (2009) em Inglaterra. Possui o grau de Mestre em Gestão do Desenvolvimento Rural pela Universidade de Trás-os Montes e Alto Douro -UTAD, Portugal e Universidad de Santiago Compostela -USC, Espanha (2003). Graduação em Engenharia Florestal pela UTAD, Portugal (1998). Possui 10 anos de experiência profissional na área de Engenharia Florestal e planejamento e manejo de terras comunitárias- baldios- no norte de Portugal (1994-2004). Possui 15 anos de experiência em pesquisa na área de ecologia da paisagem, desenvolvimento rural sustentado, produção agrícola sustentada e serviços de ecossistema florestal (2004-2019).

Downloads

Publicado

02-10-2023

Como Citar

LACERDA, H. C.; MESQUITA, A. de O.; ARAÚJO, A. S.; RIBEIRO, S. M. C. A FRAGMENTAÇÃO FLORESTAL EM DIFERENTES TERRITÓRIOS: ESTUDO DE CASO EM QUERÊNCIA-MT, SITUADA NO ARCO DO DESMATAMENTO, BRASIL. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 24, n. 95, p. 19–33, 2023. DOI: 10.14393/RCG249566556. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/66556. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos