ANALYSIS OF THE DEGREE OF GRASSLAND DEGRADATION USING REMOTE SENSING

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG228054817

Palavras-chave:

Crescimento urbano., Ordenamento territorial., Instrumentos legais urbanos., Especulação imobiliária.

Resumo

O objetivo deste estudo é adaptar os cálculos do Índice de Degradação de Pastagens (GDI) à savana brasileira usando imagem de satélite de média resolução espacial para estação seca. A cobertura vegetal é o principal parâmetro de avaliação usado para calcular o GDI. Os intervalos extremos da classe de pastagem foram determinados pelo histograma do NDVI. A cobertura de pastagem foi distinguida em cinco classes denominadas Cobertura Vegetal de Pastagem (GVC), derivada do NDVI e correlacionada com outras cinco classes derivadas de fotografias de campo, nomeadas de Porcentagem de Coberta Verde (GCP). A semelhança entre a GVC e a GVP demonstrou que a GVC pode ser usada para classificar a cobertura de pastagem. Como produto da GVC, foi obtido o GDI. O GDI demonstrou que a degradação de pastagem em Paraíso das Águas é muito séria. Degradação Extremamente Severa e Severa e ocupam 9,28% e 25,22%, da área de estudo, degradação de pastagem Moderada e Leve ocupam 8.29% e 4,50%, respectivamente, e a área não degrada cobrem 0,9% das pastagens. Os resultados sugerem a possibilidade de aplicar o GDI, originalmente desenvolvido para pastagens naturais e dados de sensoriamento remoto multitemporal, para avaliar as condições de pastagens plantadas em savanas tropicais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaiza Santos Motta, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Mestre em Recursos Naturais pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2019), desenvolveu sua dissertação sobre Geotecnologias na Análise do Nível de Degradação de Pastagens como bolsista da FUNDECT, também colaborou com pesquisas e publicações de pós-graduandos da instituição. Graduada em Engenharia Ambiental, sendo que seu Trabalho de Conclusão de Curso comparou a Equação Universal de Perdas de Solo (USLE) e o Modelo de Estabilidade dos Solos à Erosão (MES), também foi bolsista PIBIC pelo CNPq (2015/2016), desenvolvendo o Plano de Trabalho intitulado Modelagem Dinâmica Espacial da Cobertura do Solo do Miranda-Abobral, Sub-região do Pantanal. Ainda desenvolveu estágios não-remunerados nos Laboratórios de Qualidade Ambiental (FAENG) e Geoprocessamento para Aplicações Ambientais (FAENG). Foi monitora das disciplinas de Matemática do Ensino Médio I, Vetores e Geometria Analítica, Geoprocessamento I, Sensoriamento Remoto e Fotointerpretação, além de Geografia e Geologia da Bacia do Pantanal. Atua como Docente Voluntária nos cursos de Geografia e Arquitetura e Urbanismo na Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), além de atuar como Perita Ambiental ad hoc para o Ministério Público do Estado de Mato Grosso do sul. Possuí experiência em Geoprocessamento, Sensoriamento Remoto, Processamento Digital de Imagens, Modelagem Ambiental, Licenciamento Ambiental e Perícia Ambiental.

César Claudio Cáceres Encina, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Possui graduação em Ciências Biológicas (2012) e mestrado em Biologia Vegetal (2015) pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Atua no Laboratório de Geoprocessamento para Aplicações Ambientais da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). Tem experiência em Botânica e em Geoprocessamento com ênfase em Análise Ambiental de Bacias Hidrográficas.

Eliane Guaraldo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professor Associado Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Graduação, Mestrado e Doutorado USP Estruturas Ambientais Urbanas. Pos Doutorado em Gestão Urbana na PUC Campinas. Coordenador do Programa de Pós Graduação em Recursos Naturais. Foi coordenador de Graduação em Arquitetura e Urbanismo 2013-2014, de Especialização Abordagem Contemporânea na Arquitetura e na Cidade 2016; docente de Especialização na FAU-USP (1989-1991); coordenador do Laboratório da Paisagem. Líder do Grupo de Pesquisa ARBOREA Arborização, Recursos Naturais e Sustentabilidade. Associado Sociedade Brasileira de Arborização Urbana SBAU. Membro da International Society of Arboriculture ISA. Membro do CBCN (Comitê Brasileiro de Certificação e Normalização em Arborização Urbana). Ensino, pesquisa e projetos na área de Urbanismo, Paisagismo, Planejamento da Paisagem e Silvicultura Urbana. 

Ariadne Barbosa Gonçalves, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Possui graduação em Ciências Biológicas (2012), Mestrado em Biotecnologia (2015) e Doutorado em Ciências Ambientais e Sustentabilidade Agropecuária (2018) pela Universidade Católica Dom Bosco - UCDB. É Bacharel em Direito (2018) pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS. Foi destaque de Iniciação Científica no ciclo de PIBIC 2011-2012 na UCDB. Foi agraciada com o prêmio Uriel Franco Rocha pelo Colégio Brasileiro de Parasitologia Veterinária em 2016, por melhor trabalho na área de Entomologia. Parte de seu doutorado foi realizado nos Estados Unidos, na University of Nebraska - Lincoln, departamento de School of Natural Resources (SRN) em 2017. Participou do programa Tsinghua-Santander World Challenges of 21st Century na cidade de Pequim em 2018. Foi vice coordenadora do projeto "Desenvolvimento de um Sistema Baseado em Visão Computacional para Identificar, Contar e Rastrear Grãos de Pólen" desenvolvido entre 2016-2018. Tem interesse nas áreas de Polinização, Apicultura, Meliponicultura, Palinologia, Melissopalinogia, Agropecuária, Visão Computacional, Aprendizagem de Máquina, Termografia, Geotecnologias, Entomologia Forense, Ciência Forense, Direito, Construções Sustentáveis e outras. 

Roberto Macedo Gamarra, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduação em Ciências Biológicas Bacharelado (2004), Licenciatura (2005), mestrado (2008) e doutorado (2013) em Ecologia e Conservação e Técnico de Laboratório, todos pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Tem experiência em Geoprocessamento e Ecologia da Paisagem. Perfil no Google Acadêmico https://scholar.google.com.br/citations?user=0etVpv4AAAAJ&hl=pt-BR

Antonio Conceição Paranhos Filho, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

É Professor Titular da UFMS. Geólogo pela UFPR (1991), possui Mestrado (1996) e Doutorado (2000) em Geologia Ambiental pela UFPR - Foi Bolsista CAPES de Doutorado Sanduíche na Universidade de Siena (Itália, em Sistemas de Informação Geográfica e Cartografia Digital). Desenvolveu seu estágio de Pós-Doutorado no IGc da USP (2011 - bolsista PDS-CNPq) onde também obteve sua Livre Docência em 2015. É orientador de Mestrado e Doutorado. Atualmente coordena o LabGis - Laboratório de Geoprocessamento para Aplicações Ambientais da FAENG-UFMS. Atua e já atuou em colegiados de programa de pós-graduação, bem como de graduação, além de já ter atuado na administração universitária (Coordenação do PIBIC Institucional. Coordenador de Pesquisas da PROPP-UFMS, entre outros). Tem atuado como Consultor ad hoc para o CNPq, CAPES, FAPs e várias revistas científicas. Possui experiência em Geotecnologias aplicadas às Geociências, à Saúde e ao Meio Ambiente, com ênfase em Geologia Ambiental. Perfil no Google Acadêmico: http://scholar.google.com.br/citations?user=Gowe0-gAAAAJ - orcid.org/0000-0002-9838-5337

Downloads

Publicado

05-04-2021

Como Citar

Santos Motta, J. S., Encina, C. C. C. ., Guaraldo, E., Gonçalves, A. B. ., Gamarra, R. M. ., & Paranhos Filho, A. C. . (2021). ANALYSIS OF THE DEGREE OF GRASSLAND DEGRADATION USING REMOTE SENSING. Caminhos De Geografia, 22(80), 201–219. https://doi.org/10.14393/RCG228054817

Edição

Seção

Artigos