VIGILÂNCIA AOS EFEITOS DA NOVA FRONTEIRA AGRÍCOLA: UMA ANÁLISE PARTICIPATIVA SOCIOAMBIENTAL E DE RISCO À SAÚDE DAS COMUNIDADES EXPOSTAS À POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO DE CERRADO-AMAZÔNIA, SUDESTE DO PARÁ

Autores

  • Thiago Fernandes Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Sandra de Souza Hacon Escola Nacional de Saúde Pública/FIOCRUZ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2836-3447
  • Jonathan Willian Zangeski Novais Universidade de Cuiabá (UNIC), Cuiabá, MT, Brasil https://orcid.org/0000-0002-6598-3138

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG217853337

Palavras-chave:

Risco ambiental, Saúde pública, Agronegócio, Sociedade

Resumo

O sudeste paraense é uma das mesorregiões de fronteira agrícola da Amazônia brasileira que contextualiza uma ampla história de expansão territorial baseada em conflitos sociais. Desse modo, objetivou-se, com esta pesquisa, identificar os municípios em situação de risco ambiental e epidemiológico e seus problemas socioambientais e de impacto à saúde em comunidades expostas à poluição atmosférica. O método de trabalho baseou-se na análise dos relatórios sobre os Instrumentos de Identificação de Municípios de Risco (IIMR). Para o diagnóstico participativo socioambiental, realizou-se a aplicação de questionários sociodemográficos e condução de uma oficina temática, fundamentando-se na abordagem de intervenção da árvore de problemas. Pelo diagnóstico de risco, 64,1% dos municípios da mesorregião se encontram em situação de alta vulnerabilidade ambiental e epidemiológica, expondo a RI Lago do Tucuruí como a região mais susceptível devido aos impactos decorrentes da expansão das matrizes econômicas, maiormente pela agropecuária e hidrelétrica. A percepção dos atores sociais esclareceu uma falta de diálogo com as comunidades de faixa de fronteira sobre os riscos iminentes das ações progressivas do agronegócio, bem como a falta de manutenção das políticas públicas que tratam de saúde e ambiente em defesa de uma melhor qualidade de vida nas comunidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Fernandes, Universidade Federal Rural da Amazônia

Pós-graduação em Ciências Ambientais (UNEMAT), Parauapebas, PA, Brasil.

 

Sandra de Souza Hacon, Escola Nacional de Saúde Pública/FIOCRUZ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Professora Doutora da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Docente no Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais (PPGCA/UNEMAT).

Jonathan Willian Zangeski Novais, Universidade de Cuiabá (UNIC), Cuiabá, MT, Brasil

Professor Doutor da Universidade de Cuiabá (UNIC), Campus Barão, Cuiabá, MT, Brasil. Docente no Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais (PPGCA/UNIC).

Downloads

Publicado

04-12-2020

Como Citar

FERNANDES, T.; HACON, S. de S. .; NOVAIS, J. W. Z. . VIGILÂNCIA AOS EFEITOS DA NOVA FRONTEIRA AGRÍCOLA: UMA ANÁLISE PARTICIPATIVA SOCIOAMBIENTAL E DE RISCO À SAÚDE DAS COMUNIDADES EXPOSTAS À POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA EM ÁREAS DE TRANSIÇÃO DE CERRADO-AMAZÔNIA, SUDESTE DO PARÁ. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 21, n. 78, p. 270–289, 2020. DOI: 10.14393/RCG217853337. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/53337. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos