SANTUÁRIO FABRICADO: UMA TIPOLOGIA E UM ESTUDO DE CASO

Autores

  • Francisco John Lennon Alves Paixão Lima Universidade Estadual de Maringá - UEM
  • Maria das Graças de Lima Universidade Estadual de Maringá - UEM

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG217852772

Palavras-chave:

Santuário Fabricado, Peregrinação, Geografia Cultural

Resumo

O presente artigo apresenta uma discussão acerca do conceito de santuário fabricado, fruto de quatro anos de pesquisa em curso de doutoramento em Geografia, com foco em Geografia Cultural. A pesquisa tem como área de enfoque a região sul do Brasil, tendo sido catalogados 101 santuários oficiais católicos. Metodologicamente, no que diz respeito a promoção da referida tese de doutoramento, realizou-se um levantamento do quadro de santuários oficiais presentes no sul brasileiro, aplicou-se questionário, fez-se entrevista e pesquisa em sites, artigos e livros. A necessidade de se trabalhar com o referido tema se justifica pela dificuldade de aplicação do conceito de santuário à realidade de alguns espaços sacroprofanos interdependentes (LIMA,2016), com base no código de direito canônico número 1230 e em autores que estudam ou estudaram o conceito de santuário, como Rubert (1987), Santos (2008) e Rosendahl (1996, 2014). Percebeu-se que, aos santuários fabricados, é inviável igualá-los conceitualmente a outros complexos sacroprofanos interdependentes: as características são signicamente distintas, desde o movimento de peregrinos à dinamização e organização espacial, ritual e turística do complexo, o que envolve seu espaço de entorno, mas também sua territorialização. Além disso, no santuário fabricado não há peregrinação ou esta ocorre de forma ínfima.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

04-12-2020

Como Citar

Lima, F. J. L. A. P. ., & Lima, M. das G. de. (2020). SANTUÁRIO FABRICADO: UMA TIPOLOGIA E UM ESTUDO DE CASO. Caminhos De Geografia, 21(78), 36–47. https://doi.org/10.14393/RCG217852772

Edição

Seção

Artigos