O EXERCÍCIO DA OBSERVAÇÃO NO ESTUDO DA PAISAGEM: REDUNDÂNCIAS E ESSENCIALIDADES

Autores

  • Maria Augusta Mundim Vargas Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG217651686

Palavras-chave:

Pesquisa geográfica, Etnogeografia, Objetividades, Subjetividades

Resumo

O texto evidencia a observação no estudo da paisagem e propõe ao leitor compartilhar questões a respeito de sua utilização como procedimento metodológico. Desenvolve-se expondo as “observações” nos caminhos metódicos – indutivos, dedutivos e dialéticos –, construídos pelos paradigmas que norteiam a produção geográfica. Para tal, toma um trabalho de campo como chão empírico, o que ocorreu no povoado Fazenda Velha, município de Sete Lagoas, no estado de Minas Gerais. Isso possibilitou expor redundâncias e essencialidades advindas das vivências e reflexões com a paisagem do lugar visitado. Ademais, as práticas e vivências com os participantes evidenciaram o êxito dos caminhos de nossas reflexões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Augusta Mundim Vargas, Universidade Federal de Sergipe

Programa de Pós-Graduação em Geografia, São Cristóvão, SE, Brasil.

Downloads

Publicado

03-08-2020

Como Citar

Mundim Vargas, M. A. (2020). O EXERCÍCIO DA OBSERVAÇÃO NO ESTUDO DA PAISAGEM: REDUNDÂNCIAS E ESSENCIALIDADES. Caminhos De Geografia, 21(76), 98–115. https://doi.org/10.14393/RCG217651686

Edição

Seção

Artigos