INTENSIDADE DA AÇÃO ANTRÓPICA NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO CARIRI PARAIBANO

Autores

  • Leandro Félix da Silva Universidade Federal da Paraíba
  • Bartolomeu Israel de Souza Universidade Federal da Paraíba
  • Vitor Matheus Bacani Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG207145788

Palavras-chave:

Geotecnologias, Índice de Transformação Antrópica, Uso da Terra e Cobertura Vegetal.

Resumo

A região do Cariri paraibano encontra-se sob o domínio da Caatinga, o único bioma exclusivo do Brasil e também um dos mais modificados pela ação humana desde o início do seu processo de ocupação. O objetivo deste estudo foi avaliar os níveis de concentração das ações antrópicas exercidas na Área de Proteção Ambiental do Cariri, na região do semiárido no estado da Paraíba. O mapeamento foi desenvolvido a partir da combinação entre a rede de drenagem, vias de acesso, Índice de Transformação Antrópica e uso da terra e cobertura vegetal com auxílio das geotecnologias. O resultado culminou em cinco níveis de intensidade de ação antrópica: 1) Muito Baixa (12,79%); 2) Baixa (9,76%); 3) Média (21,75%); 4) Alta (34,32%) e 5) Muito Alta (21,47%). O mapeamento da intensidade de ação antrópica foi bastante satisfatório quantificando e espacializando a pressão humana exercida na paisagem da região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Félix da Silva, Universidade Federal da Paraíba

Doutorando em Geografia pela Universidade Federal da Paraíba

Bartolomeu Israel de Souza, Universidade Federal da Paraíba

Professor no Departamento de Geografia

Vitor Matheus Bacani, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professor de Geografia

Downloads

Publicado

30-08-2019

Como Citar

FÉLIX DA SILVA, L.; DE SOUZA, B. I.; BACANI, V. M. INTENSIDADE DA AÇÃO ANTRÓPICA NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO CARIRI PARAIBANO. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 20, n. 71, p. 364–383, 2019. DOI: 10.14393/RCG207145788. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/45788. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos