ANÁLISE DO MEIO FÍSICO E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ – PR

Autores

  • Jhonatan Laszlo Manoel Universidade Estadual Paulista
  • João Osvaldo Rodrigues Nunes

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG207145454

Palavras-chave:

Geomorfologia, Vulnerabilidade ambiental, Expansão urbana, Município de Maringá., Mapeamento

Resumo

A cidade de Maringá-PR tem como característica, em seu projeto arquitetônico original, uma malha urbana com bairros e ruas planejados. Porém, este projeto ficou restrito somente ao plano urbanístico original, visto que, com o passar dos anos, a mesma começou a se expandir e a criar novas áreas de expansão urbana. Assim, o presente artigoteve como objetivo principal analisar, avaliar e comparar os níveis de vulnerabilidade ambientais do município englobando o projeto urbanístico original da cidade de Maringá, em contraponto com as áreas que surgiram após a sua expansão urbana. A metodologia envolve a revisão bibliográfica sobre questões ambientais urbanas, planejamento e a relação com aspectos da geomorfologia. Desta forma, através do uso de software cartográfico ArcGis 10.3, foi confeccionada a carta de Vulnerabilidade Ambiental adaptada da metodologia de Ross (1994) A carta é o resultado do cruzamento de dados do meio físico da paisagem, tais como declividade, solos, dissecação do relevo, geologia, bem como também do uso e ocupação da terra que também foram analisados neste trabalho. Identificou-se 4 níveis de Vulnerabilidade Ambiental no município de Maringá-PR (muito baixa, baixa, média e alta), partindo de seu plano urbanístico inicial até compreender todo o território do município.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

28-08-2019

Como Citar

MANOEL, J. L.; NUNES, J. O. R. ANÁLISE DO MEIO FÍSICO E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ – PR. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 20, n. 71, p. 215–233, 2019. DOI: 10.14393/RCG207145454. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/45454. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos