GEOMORFODINÂMICA DA FLORESTA ESTACIONAL SEMPRE-VERDE NA PAISAGEM DA BACIA DO RIO GRANDE, OESTE DA BAHIA

Autores

  • Solange Dourado da Silva
  • André Masahide Guimarães Takazone
  • Wanderson Ricardo Fonseca Rocha
  • Pablo Santana Santos
  • Luci Ferreira Ribeiro

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG206941332

Palavras-chave:

NDVI, Coluna estratigráfica, Análise temporal.

Resumo

A paisagem regional contemplada pela bacia do Rio Grande, no Oeste baiano, possui nas frentes de recuo erosivo presentes em suas Chapadas, a Floresta Estacional Sempre-verde entre mosaicos compostos por fitofisionomias florestais e savânicas. O presente trabalho teve como objetivo avaliar a distribuição espacial da ocorrência das FESV, quais as influências da paisagem local, e investigar possíveis mudanças neste cenário em um intervalo espaço-temporal. A metodologia baseou-se no uso de produtos da missão SRTM para elaboração dos mapas geomorfológicos, utilizando NDVI para avaliar a cobertura vegetal comparando-as ao longo do tempo de 40 anos, a partir de 1975. Foi realizado um perfil estratigráfico, para obter informações sobre a estrutura geológica local, e um perfil do terreno sobre os valores de NDVI para avaliar o vigor vegetativo na área da FESV ao longo da mancha. Observaram-se altos valores de NDVI para o ano de 2005 e baixos valores para os anos de 1975 e 2015. O perfil estratigráfico indicou a presença de rochas pouco porosas na altimetria de ocorrência da FESV, indicando uma condição favorável geomorfologicamente para sua ocorrência. Estes resultados permitiram avaliar que as condições climáticas e topográficas, influenciam na ocorrência e estrutura dessas formações vegetais na paisagem local. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

11-07-2019

Como Citar

SILVA, S. D. da; TAKAZONE, A. M. G.; ROCHA, W. R. F.; SANTOS, P. S.; RIBEIRO, L. F. GEOMORFODINÂMICA DA FLORESTA ESTACIONAL SEMPRE-VERDE NA PAISAGEM DA BACIA DO RIO GRANDE, OESTE DA BAHIA. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 20, n. 69, p. 371–384, 2019. DOI: 10.14393/RCG206941332. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/41332. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos