A INFLUÊNCIA DO TAMANHO DO IMÓVEL RURAL SOBRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE CORPOS D'ÁGUA

Autores

  • Luís Antônio Coimbra Borges Universidade Federal de Lavras, Departamento de Ciências Florestais, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal, Lavras, MG, Brasil
  • Luiz Otávio Moras Filho Universidade Federal de Lavras, Departamento de Ciências Florestais, Lavras, MG, Brasil
  • Ricardo Tayarol Marques Instituto Federal Sudeste de Minas Gerais, Barbacena, MG, Brasil
  • Camila Carla da Silva Universidade Federal de Lavras, Departamento de Ciências Florestais, Lavras, MG, Brasil
  • Luís Gustavo de Paula Silva Universidade Federal de Lavras, Departamento de Ciências Florestais, Lavras, MG, Brasil

Palavras-chave:

Regularização Ambiental, Cadastro Ambiental Rural, Código Florestal.

Resumo

O trabalho tem por objetivo analisar os efeitos das flexibilizações do Código Florestal de 2012 quanto à "regra da escadinha" (artigo 61-A) na Unidade de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos dos rios Pandeiros e Calindó. Para tal, foram extraídos dados georreferenciados do módulo de consulta pública do Cadastro Ambiental Rural na unidade de estudo, sendo classificados de acordo como o tamanho em módulos fiscais. Dos 18.067 imóveis rurais declarados na área de estudo, 95% são pequenas propriedades que, beneficiadas pela "regra da escadinha", promoveram uma perda de cobertura vegetal de 11.159 ha em áreas de Preservação Permanente. Essa flexibilização afetará diretamente no controle de enchentes e de processos erosivos em bacias hidrográficas, afetando a disponibilidade de água em quantidade e qualidade adequada aos usos pretendidos, representando um retrocesso ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

30-12-2017

Como Citar

BORGES, L. A. C.; FILHO, L. O. M.; MARQUES, R. T.; SILVA, C. C. da; SILVA, L. G. de P. A INFLUÊNCIA DO TAMANHO DO IMÓVEL RURAL SOBRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE CORPOS D’ÁGUA. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 18, n. 64, p. 444–453, 2017. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/40953. Acesso em: 30 nov. 2022.