ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO TRECHO DE PLAN͍CIE DO RIO TRÊS BARRAS (SC) A PARTIR DO MAPEAMENTO DE FEIÇÕES FLUVIAIS

Autores

  • Yara Rúbia de Mello Universidade Federal do Paraná
  • Mayara Soares de Sousa Universidade Federal do Paraná
  • Ingrid Aparecida Gomes Universidade Federal do Paraná
  • Fabiano Antonio de Oliveira Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG196602

Palavras-chave:

Geomorfologia fluvial, bacia hidrográfica, dinâmica fluvial, Garuva.

Resumo

Os estudos relacionados às alterações dos sistemas fluviais e mapeamento de detalhe fornecem um conjunto de informações sobre processos, gênese e evolução que ocorrem na bacia hidrográfica onde estão inseridos. Nesta perspectiva, o objetivo deste trabalho foi realizar uma análise das mudanças no canal fluvial do rio Três Barras, em Santa Catarina, a partir do mapeamento de feições fluviais (barras e meandros abandonados), com base em fotografias aéreas e imagens orbitais de diferentes períodos, além do cálculo do índice de Sinuosidade, visando a compreensão da dinâmica fluvial em interação com a paisagem local. Partindo do georreferenciamento das fotografias e imagens orbitais, o canal principal do rio Três Barras, seus meandros abandonados e barras foram mapeados, concentrando a análise no baixo curso do rio. Posteriormente, procedeu-se a comparação das mudanças no canal fluvial ao longo das décadas, relacionando-as com índices pluviométricos da região e a geomorfologia local. A partir do mapeamento e análise das feições fluviais do rio Três Barras, foram detectadas zonas de erosão e deposição de sedimentos, além disso, o cálculo do índice de Sinuosidade para a área apresentou valores acima de 60%, classificando o canal como muito sinuoso, sendo que as principais alterações estão relacionadas a causas antrópicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

18-07-2018

Como Citar

MELLO, Y. R. de; SOUSA, M. S. de; GOMES, I. A.; OLIVEIRA, F. A. de. ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO TRECHO DE PLAN͍CIE DO RIO TRÊS BARRAS (SC) A PARTIR DO MAPEAMENTO DE FEIÇÕES FLUVIAIS. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 19, n. 66, p. 19–34, 2018. DOI: 10.14393/RCG196602. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/38282. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos