O PARQUE URBANO DA CIDADE DE MAMBORÊ/PR, BRASIL: USOS E FUNÇÕES

Autores

  • Marcos Clair Bovo Universidade Estadual do Paraná - campus de Campo Mourão.
  • Ana Claudia Breitkreitz Fernandes Ayres Universidade Estadual do Paraná- Campus de Campo Mourão.

DOI:

https://doi.org/10.14393/Hygeia196721

Palavras-chave:

Áreas verdes. Parques. Qualidade de vida.

Resumo

As áreas verdes urbanas são consideradas de grande relevância para a população, pois contribuem com as funções ecológica/ambiental, estético/paisagística e social, e também com a qualidade de vida da população urbana. Dentre as várias áreas verdes existentes inserem-se os parques urbanos, cuja principal função nas cidades é a sociabilidade entre os indivíduos, independente da classe social, pois todos usufruem dos mesmos benefícios. Diante disso, a pesquisa teve como propósito/intenção analisar as diferentes possibilidades de usos e funções gerados pelo Parque Ecológico Armando Alves de Souza na cidade de Mamborê-PR. A metodologia foi constituída de pesquisa bibliográfica em periódicos científicos, dissertações, teses, livros, pesquisa in loco, questionário aplicado aos frequentadores do parque e levantamento qualitativo da infraestrutura e dos equipamentos. Os resultados indicam que as funções ecológica, social, estética e social são proporcionadas pelo parque, porém, existem ainda carências de infraestruturas e de equipamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Clair Bovo, Universidade Estadual do Paraná - campus de Campo Mourão.

Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista

Ana Claudia Breitkreitz Fernandes Ayres, Universidade Estadual do Paraná- Campus de Campo Mourão.

Graduada em Geografia (licenciatura e Bacharelado) e especialista em Geografia pela Universidade Estadual do Paraná.  Email:  anacbfernades@gmail.com

Downloads

Publicado

22-10-2018

Como Citar

BOVO, M. C.; BREITKREITZ FERNANDES AYRES, A. C. O PARQUE URBANO DA CIDADE DE MAMBORÊ/PR, BRASIL: USOS E FUNÇÕES. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 19, n. 67, p. 322–337, 2018. DOI: 10.14393/Hygeia196721. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/38172. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos