PALAVRAS E EXPRESSÕES IDEOLÓGICAS SOBRE A QUESTÃO AGRÁRIA

Autores

  • Lucas Guedes Vilas Boas

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG196601

Palavras-chave:

Ideologia, Rural, Agricultura Camponesa, Agricultura Familiar, Reforma Agrária.

Resumo

Este artigo almeja discutir e desvelar o caráter ideológico de expressões, frases e vocábulos utilizados nos estudos concernentes à geografia agrária e às políticas formuladas para o setor agropecuário, responsáveis principalmente pela despolitização da questão camponesa no Brasil e pela manutenção de discursos e práticas conservadoras em relação à questão agrária. Neste sentido, as classes dominantes utilizam frases e vocábulos que escamoteiam as relações de produção, no intuito de conservar e reproduzir as estruturas vigentes. Deste modo, o texto é dividido em duas seções. Na primeira, discute-se conceitualmente a noção de ideologia, amplamente disseminada nas práticas cotidianas, nos estudos científicos e no senso comum, mostrando algumas de suas principais características, especialmente as relativas à sua materialidade, às interpelações, às práticas e aos sujeitos. Na segunda seção do artigo, será discutida a maneira como a ideologia interpela os indivíduos enquanto sujeitos através do uso de determinados termos, tais como reforma agrária, Revolução Verde, agricultura familiar e camponesa, e de alguns discursos amplamente difundidos em obras concernentes à questão agrária, sobretudo a partir da segunda metade do século XX, como aqueles que consideram o rural como sinônimo de atraso, conferindo-lhe conotação pejorativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Guedes Vilas Boas

Licenciado e Bacharel em Geografia - UFJF.

Especialista em Ciências Humanas e Saúde - UFJF.

Mestre em Geografia - UFJF.

Doutorando em Geografia - UFMG.

Professor de Geografia do CEFET/MG

Downloads

Publicado

18-07-2018

Como Citar

VILAS BOAS, L. G. PALAVRAS E EXPRESSÕES IDEOLÓGICAS SOBRE A QUESTÃO AGRÁRIA. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 19, n. 66, p. 1–18, 2018. DOI: 10.14393/RCG196601. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/35795. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos