RELAÇÃO E VIVÊNCIA DE CANOÍSTASE CAMINHANTES COM O RIO DAS CONTAS EM UBAITABA-BA

Autores

  • Veronica Macedo dos Santos
  • Rita Jaqueline Nogueira Chiapetti

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG144816691

Palavras-chave:

Geografia Humanista, Lugar, Paisagem, Rio das Contas, Ubaitaba-BA

Resumo

Rio principal de uma bacia hidrográfica inteiramente baiana, o rio das Contas é importante histórico-social e culturalmente para o desenvolvimento de várias atividades ao longo de todo seu percurso, como: captação de água para consumo, lazer, pesca, prática de esporte, transporte de pessoas, de mercadorias, etc. Nesta pesquisa, buscou-se compreendê-lo na perspectiva da Geografia Humanista, através de sujeitos que o vivenciam cotidianamente. O objetivo desta pesquisa é identificar a relação que canoístas (água) e caminhantes (margem esquerda) têm como o rio das Contas na cidade de Ubaitaba, dando ênfase às suas vivências, para se compreender a importância do rio em suas vidas e seu bem-estar. Como procedimentos metodológicos realizou-se pesquisa de campo, através de entrevistas semiestruturadas e gravadas feitas a canoístas e caminhantes, que foram transcritas, interpretadas e analisadas, o que permitiu compreender como estes sujeitos se relacionam/vivenciam o rio das Contas e o significado do rio em suas vidas. Os resultados apresentaram diferentes formas de se relacionar/vivenciar o rio das Contas em Ubaitaba. Os canoístas têm uma relação de afetividade e amor pelo rio, porque a canoagem só é possível pela sua presença, enquanto os caminhantes da sua margem apenas o contemplam na prática de sua atividade física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita Jaqueline Nogueira Chiapetti

Profª. Drª. Curso de Licenciatura e Bacharelado em Geografia Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus, BA

Downloads

Publicado

15-12-2013

Como Citar

DOS SANTOS, V. M.; CHIAPETTI, R. J. N. RELAÇÃO E VIVÊNCIA DE CANOÍSTASE CAMINHANTES COM O RIO DAS CONTAS EM UBAITABA-BA. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 14, n. 48, p. 171–185, 2013. DOI: 10.14393/RCG144816691. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/16691. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos