Qualidade Ambiental de remanescentes florestais na sub-bacia do Rio Capivari (Campinas/SP)
PDF-pt
PDF-en (English)

Palavras-chave

Disponibilidade hídrica municipal
Fragmentos florestais
Qualidade ambiental
Indicadores geoespaciais

Como Citar

SILVA, A. L. da; RIBEIRO, A. Írio; LONGO, R. M. Qualidade Ambiental de remanescentes florestais na sub-bacia do Rio Capivari (Campinas/SP). Sociedade & Natureza, [S. l.], v. 33, 2021. DOI: 10.14393/SN-v33-2021-59129. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/view/59129. Acesso em: 9 ago. 2022.

Resumo

Os remanescentes florestais apresentam uma relevante multifuncionalidade para o fornecimento de serviços ecossistêmicos para as cidades, especialmente relacionados à disponibilidade hídrica em aspectos quantitativos e qualitativos, visto que contribuem para o controle do escoamento superficial e das inundações, redução da poluição filtragem da água, dentre outros. Diante disso, o presente estudo teve como objetivo avaliar a qualidade ambiental dos remanescentes florestais da sub-bacia do rio Capivari, em Campinas-SP, que apresenta alto potencial hídrico, utilizando-se métricas da paisagem. As análises foram realizadas em ArcGIS sobre as seguintes métricas: AREA, CAI, IC, ENN, PROXRIOS, AGUA, BORDA, EROD, aplicadas para o cálculo do Índice de Qualidade Ambiental (IQrem). Identificou-se que 78,0% dos remanescentes apresentam qualidade ambiental média, seguidos por 15,2% com qualidade baixa e apenas 6,8% com qualidade alta. Esta condição está principalmente relacionada à predominância de remanescentes com pouca ou nenhuma área central, associada à formatos predominantemente alongados e a distribuição destes remanescentes em uma malha predominantemente antropizada. Por outro lado, estes remanescentes apresentam considerável conectividade, já que mais de 50% estão próximos a algum remanescente vizinho em até 60 m. Um ponto chave identificado é o fato de que 93,2% dos remanescentes estão em até 60m de algum curso d’água. Desta forma, constatou-se que os remanescentes florestais apresentam uma significativa função para a manutenção da disponibilidade hídrica para o município de Campinas, em termos de qualidade e quantidade. Isto aumenta a importância de que sejam realizadas ações de manejo eficazes que contribuam para aumentar e assegurar a qualidade ambiental destes remanescentes.

https://doi.org/10.14393/SN-v33-2021-59129
PDF-pt
PDF-en (English)

Referências

ANDERSSON, E. et al. Reconnecting Cities to the Biosphere: Stewardship of Green Infrastructure and Urban Ecosystem Services. AMBIO, v. 43, n. 4, p. 445-453, 2014. https://doi.org/10.1007/s13280-014-0506-y

BARGOS, D. C.; MATIAS, L. F. Áreas Verdes Urbanas: Um Estudo De Revisão e Proposta Conceitual. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v. 6, n. 3, p. 172–188, 2011. https://doi.org/10.5380/revsbau.v6i3.66481

BARÓ, F. et al. Contribution of Ecosystem Services to Air Quality and Climate Change Mitigation Policies: The Case of Urban Forests in Barcelona, Spain. AMBIO, v. 23, p. 466-479, 2014. https://doi.org/10.1007/s13280-014-0507-x

BENEDICT, M. A; McMAHON, E. T. Green Infrastructure: Smart Conservation for the 21st Century. Washington, DC: Sprawl Watch Clearinghouse Monograph, 2006. 36 p.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Download de dados geográficos. Disponível em: http://mapas.mma.gov.br/i3geo/datadownload.htm. Acesso em: 15 mai. 2018.

CALDERÓN-CONTRERAS, R.; QUIROZ-ROSAS, L. E. Analysing scale, quality and diversity of green infrastructure and the provision of Urban Ecosystem Services: A case from Mexico City. Ecosystem Services, v. 23, p. 127–137, fev. 2017. https://doi.org/10.1016/j.ecoser.2016.12.004

CALEGARI, L. et al. Análise da dinâmica de fragmentos florestais no município de Carandaí, MG, para fins de restauração florestal. Revista Árvore, Viçosa, v. 34, n. 5, p. 871-880, out. 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000500012

CAMARGO, M. et al. A sustentabilidade urbana analisada através do estudo de implantação de corredores verdes em dois logradouros da cidade de Cruz Alta/RS. Revista Gedecon, Cruz Alta, v. 1, n. 1, p. 127–135, 2013. http://dx.doi.org/10.33053/gedecon.v1i1.402

CAMPINAS. Origens. Disponível em: http://www.campinas.sp.gov.br/sobre-campinas/origens.php. Acesso em 12 out. 2017.

CAMPINAS. Portal Geoambiental. Disponível em: https://geoambiental.campinas.sp.gov.br/. Acesso em 15 jul. 2018.

CAMPINAS. Prefeitura Municipal de Campinas. Mapeamento de Áreas Verdes do Município de Campinas. Disponível em: http://ambientecampinas.wix.com/mapeamento#!. Acesso em: 26 mai. 2018.

CAMPINAS. Prefeitura Municipal de Campinas. Plano Diretor Estratégico. Campinas: (SEPLAMA) Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano, 2017.

CAMPINAS. Prefeitura Municipal de Campinas. Plano Municipal de Saneamento Básico. Campinas: (SVDS) Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, 2013.

CHAVES, H. M. L.; SANTOS, L.B. Ocupação do solo, fragmentação da paisagem e qualidade da água em uma pequena bacia hidrográfica. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 13, p. 922-930, dez. 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662009000700015

CHICA, C. P.; TAVARES, J. C. Sustentabilidade Urbana e Infraestrutura Verde: Diálogo entre Conceitos e Práticas. InSitu – Revista Científica do Programa de Mestrado Profissional em Projeto, Produção e Gestão do Espaço Urbano, São Paulo, v. 3, p. 165-180, jun. 2017.

DAMAME, D. B.; OLIVEIRA, E. D.; LONGO R. M. Impactos ambientais pelo uso e ocupação do solo em sub-bacias hidrográficas de Campinas, São Paulo, Brasil. Acta Brasiliensis, Patos, v. 3, n. 1, p. 1-7, 2019. https://doi.org/10.22571/2526-4338108

ELMQVIST, T. et al. Benefits of restoring ecosystem services in urban areas. Current Opinion in Environmental Sustainability, v. 14, p. 101-108, 2015. https://doi.org/10.1016/j.cosust.2015.05.001

ETTO, T. L. et al. Ecologia da paisagem de remanescentes florestais na bacia hidrográfica do Ribeirão das Pedras - Campinas -SP. Revista Árvore, Viçosa, v. 37, n. 6, p. 1063-1071, dez. 2013. https://doi.org/10.1590/S0100-67622013000600008

FENGLER, F. H. et al. Environmental quality of forest fragments in Jundiaí-Mirim river basin between 1972 and 2013. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 19, n. 4, p. 402-408, abr. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v19n4p402-408

FERNANDES, M. et al. Ecologia da Paisagem de uma Bacia Hidrográfica dos Tabuleiros Costeiros do Brasil. Floresta e Ambiente, Viçosa, v. 24, e00025015, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.025015

FERNANDES, M.; FERNANDES, R. D. M. Análise Espacial da Fragmentação Florestal da Bacia do Rio Ubá - RJ. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 27, n. 4, p. 1429–1439, 2017. http://dx.doi.org/10.5902/1980509830330

FRANCO, G. A. D. C. et al. Importância dos remanescentes florestais de Embu (SP, Brasil) para a conservação da flora regional. Biota Neotropica, Campinas, v. 7, n. 3, p. 145-161, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S1676-06032007000300017

FREITAS, E. P. Análise integrada do mapa de uso e ocupação das terras da microbacia do Rio Jundiaí-Mirim para fins de gestão ambiental. 2012. 132 f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical e Subtropical), Instituto Agronômico de Campinas, Campinas - SP, 2012.

HERSPERGER, A. M. et al. Urban land-use change: The role of strategic spatial planning. Global Environmental Change, v. 51, p. 32-42, 2018. https://doi.org/10.1016/j.gloenvcha.2018.05.001

HERZOG, C. P. A multifunctional green infrastructure design to protect and improve native biodiversity in Rio de Janeiro. Landscape Ecology Engineering Journal, Tempe, n. 12, p. 141-150, 2016. https://doi.org/10.1007/s11355-013-0233-8

HERZOG, C. P.; ROSA, L. Z. Infraestrutura Verde: Sustentabilidade e resiliência para a paisagem urbana. Revista LABVERDE, São Paulo, n. 1, p. 92-115, September, 2010. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i1p92-115

JESUS, E. N. et al. Estrutura dos fragmentos florestais da Bacia Hidrográfica do Rio Poxim-SE, como subsídio à restauração ecológica. Revista Árvore, Viçosa, v. 39, n. 3, p. 467-474, 2015.

http://dx.doi.org/10.1590/0100-67622015000300007

MARTINI, A. et al. Análise microclimática das diferentes tipologias da floresta urbana de Curitiba. Revista Floresta, Curitiba, v. 47, n. 24, p. 137-144, abr./jun. 2017. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v47i2.49518

MASSOLI, J. V.; STATELLA, T.; SANTOS, V. S. Estimativa da fragmentação florestal na microbacia Sepotubinha, Nova Marilândia - MT, entre os anos de 1990 a 2014. Caminhos de Geografia, v. 17, n. 60, p. 48–60, 2016. https://doi.org/10.14393/RCG176004

MENEZES, J. P. et al. Relação entre padrões e uso e ocupação do solo e qualidade da água em uma bacia hidrográfica urbana. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio Claro, v. 21, n. 3, p. 519-534, jul./set. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-41522016145405

OLIVEIRA, A. P. G. et al. Uso de geotecnologias para o estabelecimento de áreas para corredores de biodiversidade. Revista Árvore, Viçosa, v. 39, n. 4, p. 595-602, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/0100-67622015000400001

PATRA, S. et al. Impacts of urbanization on land use /cover changes and its probable implications on local climate and groundwater level. Journal of Urban Management, v. 7, p. 70-84, 2018. https://doi.org/10.1016/j.jum.2018.04.006

ROSS, J. L. S. Geomorfologia: Ambiente e Planejamento. 2005. 8ed. São Paulo: Contexto, Coleção Repensando a Geografia, 2005. 85p.

RUFFATO-FERREIRA, V. J. et al. Zoneamento ecológico econômico como ferramenta para a gestão territorial integrada e sustentável no Município do Rio de Janeiro. EURE, Santiago, v. 44, n. 131, p. 239-260, jan. 2018. http://dx.doi.org/10.4067/S0250-71612018000100239

SAITO, N. S. et al. Geotecnologia e Ecologia da Paisagem no Monitoramento da Fragmentação Florestal. Floresta e Ambiente, v. 23, n. 2, p. 201–210, fev. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.119814

SALOMÃO, F. X. T. Controle e prevenção dos Processos Erosivos. In GUERRA, A.J.T.; SILVA, A. S.; BOTELHO, R. G. M. (orgs) Erosão e Conservação dos Solos: Conceitos, Temas e Aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999. 340p.

SILVA, A. L. et al. Classificação de fragmentos florestais urbanos com base em métricas da paisagem. Classificação de fragmentos florestais urbanos com base em métricas da paisagem. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 29, n. 3, p. 1254-1269, jul./set. 2019. https://doi.org/10.5902/1980509830201

SILVA, A. L.; LONGO, R. M. Ecologia da paisagem e qualidade ambiental de remanescentes florestais na sub-bacia hidrográfica do Rio Atibaia dentro do município de Campinas-SP. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 30, n.4, 2020. https://doi.org/10.5902/1980509842640

TOLEDO, F. S; SANTOS, D. G. Espaços Livres de Construção. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, SP, v. 3, n. 1, p. 73-91, mar. 2008. http://dx.doi.org/10.5380/revsbau.v3i1.66254

WU, P.; TAN, M. Challenges for sustainable urbanization: a case study of water shortage and water environment changes in Shandong, China. Procedia Environmental Sciences, v. 13, p. 919-927, 2012. https://doi.org/10.1016/j.proenv.2012.01.085

WU, Y. et al. The spatial characteristics of coupling relationship between urbanization and eco-environment in the Pan Yangtze River Delta. Energy Procedia, v. 152, p. 1121-1126, 2018. https://doi.org/10.1016/j.egypro.2018.09.136

Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem em revista de acesso público, os artigos são licenciados sob Creative Commons Attribution (BY), que permite o uso irrestrito, distribuição e reprodução em qualquer meio, desde que o trabalho original seja devidamente citado.

 
 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...