ELABORAÇÃO DA CARTA DE SUSCETIBILIDADE À EROSÃO NA ESCALA 1:50000 DO MUNICÍPIO DE DOURADINA - PR

Conteúdo do artigo principal

Carina Petsch
Jéssica Barion Monteiro

Resumo

O conhecimento sobre as características físicas de determinadas áreas já notórias pela sua suscetibilidade á erosão é fundamental para o desenvolvimento ou adaptação de metodologias que sirvam de suporte para o planejamento e organização territorial. É objetivo desta pesquisa a elaboração de uma proposta de carta de suscetibilidade à erosão para o município de Douradina - PR. A área de estudo localiza-se sobre a Formação Arenito Caiuá, já conhecida pelos intensos processos erosivos desencadeados pela ação antrópica indiscriminada. A metodologia utilizada se baseou nas pesquisas sobre suscetibilidade a erosão de Canil (2000) e Zuquette (1987 e 1993). Os valores referentes aos pesos das variáveis físicas foram retirados destes estudos, mas a equação final para execução no LEGAL (Linguagem Espacial para Geoprocessamento Algébrico) do Spring 5.06 foi adaptada unindo somente algumas das características físicas propostas nestas metodologias. As variáveis utilizadas foram uso do solo, geologia, declividade, formas de relevo, precipitação e pedologia. Após vários testes, a equação proposta é: SUSCETIBILIDADE À EROSÃO = 3*(USO DO SOLO) + 3*(GEOLOGIA) + 2*(DECLIVIDADE) + 1*(FORMAS DE RELEVO) + 1*(PRECIPITAÇÃO) + 1 (PEDOLOGIA)/ 11. O mapa obtido com o uso desta fórmula evidenciou os diferentes usos do solo praticados na região, já que os problemas com erosão na área se relacionam principalmente com este atributo físico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
PETSCH, C.; MONTEIRO, J. B. ELABORAÇÃO DA CARTA DE SUSCETIBILIDADE À EROSÃO NA ESCALA 1:50000 DO MUNICÍPIO DE DOURADINA - PR. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 64, n. 3, 2013. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/43805. Acesso em: 8 ago. 2022.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Carina Petsch, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Universidade Estadual de Maringá - UEM Departamento de Geografia

Jéssica Barion Monteiro, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Universidade Estadual de Maringá - UEM Departamento de Geografia