Diagnóstico da gestão cultural em Instituições de Ensino Superior Públicas Brasileiras

Autores

  • Paulo Nunes Universidade Federal de Itajubá

DOI:

https://doi.org/10.14393/REP-2020-57104

Palavras-chave:

Cultura, Atividades culturais, Universidade, Gestão cultural, Extensão universitária

Resumo

Como estão estabelecidas as ações culturais dentro das Instituições de Ensino Superior (IES) públicas no Brasil, e quais as principais características dos seus modelos de gestão cultural? Buscando responder a estas questões, o artigo em tela condensa os principais resultados de um estudo conduzido em 2017, com a participação de 33,4% do número total IES públicas do país. A partir do emprego de uma ficha de coleta de dados com questões, abertas e fechadas, os resultados das 99 respostas recebidas estão organizados em três diferentes seções, que buscam discutir: (i) os lugares e desafios da cultura na universidade: (ii) a caracterização geral das atividades culturais desenvolvidas nas instituições participantes da investigação e (iii) os diferentes modelos de gestão cultural nas IES públicas nacionais. De modo geral, é possível afirmar que o modelo de gestão cultural no Brasil é bastante heterogêneo e carece de políticas públicas, ferramentas técnicas e medidas administrativas mais coerentes, estáveis e que facilitem seu campo de atuação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Nunes, Universidade Federal de Itajubá

Doutor em Sociologia, Cidades e Culturas Urbanas pela Universidade de Coimbra, Portugal; professor assistente no Instituto de Ciências da Universidade Federal de Itajubá, Minas Gerais, Brasil.

Referências

ARRUDA, C. L. R. Profissão: artista: formação para a arte e sua relação com o ensino superior no Brasil. In: SEGNINI, L. R.P.; BULLONI, M. N. (org.). Trabalho artístico e técnico na indústria cultural [recurso eletrônico]. São Paulo: Itaú Cultural, 2016. p. 177-194.
BARNABÉ, M. Cómo hablar de cultura en la universidad?: la gestión de un campo para los Estudios Culturales. Pragmatizes: Revista Latinoamericana de Estudos em Cultura. Rio de Janeiro, v. 2, p. 111-124, mar. 2012.
BARROS, J. M. Diversidade cultural e gestão: apontamentos preliminares. In: ENECULT - ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 4., 2008, Salvador. Anais […]. Salvador: Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura da UFBA, 2008.
BOTELHO, I. Cultura e universidade: reconstituindo as trajetórias dos diálogos institucionais. In: Políticas Culturais: Teoria e Práxis. São Paulo: Observatório Itaú Cultural, 2011, p. 96-103.
CAUNE, J. Préface. In: LADORTUNE, J. M. (dir.). La médiation culturele: les sens des mots et l´essence des pratiques. Québec: Presses de l´Université du Québec, 2012.
CERRETI, C. C. Cultura, educação e políticas públicas para o ensino superior: um estudo propositivo do Programa Mais Cultura nas Universidades para os Estados da Bahia e Sergipe. 2014. Monografia (Curso de Formação de Gestores Culturais dos Estados do Nordeste) – Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.
COSTA, P. M. D.; SANTOS, S. R. M.; GRISPUN, M. P. S. Z. Extensão universitária e o campo da política cultural. Meta: Avaliação, v. 1, n. 3, p. 352-368, set./dez. 2009.
FORPROEX, Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidade Públicas Brasileiras. Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus, 2012.
GOMES, E. E. O lugar da cultura na educação: desafios para a extensão universitária brasileira. Barbaquá, Cuiabá, v. 1, n. 1, p. 33-40, 2017.
GONZÁLEZ, M. A. J. et al. Políticas culturales para la educación superior en Colombia: ¡nuestro proyecto común! Medellín: Universidad de Antioquial, 2013.
INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Microdados: Censo da Educação Superior 2015. Brasília, 2016.
LONDOÑO, A. G; GONZÁLEZ, M. A. J. (ed.). Universidad de Antioquia: culturas y camiños. Medellín: Universidad de Antioquia, 2006.
LÓPEZ BORBÓN, L. La gestión cultural como construcción de ciudadanía. México, DF, 2015.
LORENZONI, I. Censo mostra que ingresso de alunos cresceu 8,5% em 2008. 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/32123. Acesso em: 23 abr. 2020.
NUNES JUNIOR, P. N. et al. Cultura y extensión universitaria en Brasil: un corredor de relatos. In: CONGRESSO ESPAÑOL DE SOCIOLOGÍA, 12., 2016, Gijón. Anales […]. Gijón: Federación Espanhola de Sociología, 2016.
NUNES JUNIOR; P. N. Gestión cultural en instituciones públicas brasileñas de enseñanza superior: diagnóstico y posibilidades de acción en red. Universidad de Cádiz: Observatório Cultural Atalaya, n. 77, 2017.
RUBIM, A. A. C. Políticas culturais do governo Lula. Revista Lusófona de Estudos Culturais, v. 1, n. 1, 224-242, 2013.
RUBIM, A. A. C. Políticas culturais: entre o possível e o impossível. In: NUSSBAUMER, G. M. (org.). Teorias e políticas da cultura. Salvador: EDUFBA, 2007.
SPELLER, P.; ROBL, F.; MENEGHEL, S. M. (org.). Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década. Brasília: UNESCO; MEC, 2012.

Downloads

Publicado

2020-09-01

Como Citar

NUNES, P. Diagnóstico da gestão cultural em Instituições de Ensino Superior Públicas Brasileiras . Revista de Educação Popular, [S. l.], v. 19, n. 2, p. 157–175, 2020. DOI: 10.14393/REP-2020-57104. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/57104. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais