A educação popular em saúde como estratégia fortalecedora do apoio matricial na atenção básica

Autores

  • Paula Rafaela Gonçalves Lima Universidade Federal de Pernambuco
  • Fabiana de Oliveira Silva Sousa Universidade Federal de Pernambuco
  • Hannah Shiva Ludgero Farias Universidade Federal de Pernambuco
  • Yuri Andrey Ferreira do Carmo Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.14393/REP-2020-53288

Palavras-chave:

Educação Popular em Saúde, Apoio Matricial, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Este estudo buscou aperfeiçoar a operacionalização do apoio matricial (AM) na atenção básica considerando os princípios da Educação Popular em Saúde. Trata-se de um relato de experiência realizado em uma Unidade Básica de Saúde da Zona da Mata Pernambucana. O estudo configura-se em uma atividade de Educação Permanente realizada durante o AM. O planejamento, organização e execução teve duração de quatro meses. Os resultados apontam que o investimento em uma outra forma de (re)pensar e (re)produzir a saúde, alinhada com os princípios doutrinários do SUS e da Educação Popular em Saúde permitem o fortalecimento do processo de trabalho e, consequentemente, da reunião de AM. Sua efetivação sugere mudanças nas práticas dos profissionais, com a inclusão de ações interdisciplinares e de compartilhamento de saberes, visando a construção coletiva e a horizontalidade. Nessa dinâmica, estão implicados o engajamento dos gestores e profissionais de saúde, que, de maneira compartilhada, contribuem decisivamente para o aperfeiçoamento do apoio matricial na atenção básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Rafaela Gonçalves Lima, Universidade Federal de Pernambuco

Pós-graduanda (Especialização) em Educação na Saúde na Fundação Oswaldo Cruz - Instituto Aggeu Magalhães, Pernambuco, Brasil; assistente social do Núcleo de Apoio à Saúde da Família e Atenção Básica  em Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil.

Fabiana de Oliveira Silva Sousa, Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz - Instituto Aggeu Magalhães, Pernambuco, Brasil; professora adjunta na Universidade Federal de Pernambuco, Campus Vitória de Santo Antão, Brasil.

Hannah Shiva Ludgero Farias, Universidade Federal de Pernambuco

Especialista em Residência Multiprofissional de Interiorização a Saúde da Família pela Universidade Federal de Pernambuco, Campus Vitória de Santo Antão, Brasil; educadora popular em saúde.

Yuri Andrey Ferreira do Carmo, Universidade Federal de Pernambuco

Graduado em Educação Física pela Universidade Federal de Pernambuco, Brasil; educador físico do Núcleo de Apoio à Saúde da Família e Atenção Básica e na Secretaria Municipal de Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília: MS, 2014. (Cadernos de Atenção Básica, n. 39).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Política Nacional de Educação Popular em Saúde. Brasília, DF: CNEPS, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência a Saúde. Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar. Brasília, DF: MS, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família Brasília. Brasília, DF: MS, 2010. (Cadernos de Atenção Básica, n. 27).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica (PNAB). Brasília: MS, 2012. (Série E. Legislação em Saúde).

CAMPOS, G. W. S. Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 393-403, 1999. Doi: 10.1590/S1413-81231999000200013.

CAMPOS, G. W. S.; DOMITTI, A. C. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 399-407, fev. 2007. Doi: 10.1590/S0102-311X2007000200016.

FREIRE, A. M. de A. (org.) Pedagogia dos sonhos possíveis. São Paulo: Editora da Unesp, 2001.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 31. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008a.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 28. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

PASQUIM, H. M., ARRUDA, M. S. B. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: Revisão Narrativa sobre o apoio matricial na atenção básica. Corpus et Scientia, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 33-44, jul-dez. 2013.

SIMON, E. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem e educação popular: encontros e desencontros no contexto da formação dos profissionais de saúde. Interface, Botucatu, v. 18, Supl 2, p. 1.355-1.364, 2014. Doi: 10.1590/1807-57622013.0477.

SOARES, L. T. R. Ajuste neoliberal e desajuste social na América Latina. 1995. 446 f. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 1995.

SOUSA, F. O. S. Núcleo de apoio à saúde da família: uma avaliação da integralidade, resolutividade e coordenação do cuidado. 2016. 155 f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) - Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife. 2016.

VASCONCELOS E. M. Redefinindo as práticas de saúde a partir da educação popular nos serviços de saúde. In: Vasconcelos, E. M. A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede de educação popular e saúde. São Paulo: Hucitec, 2001.

Downloads

Publicado

2020-07-13

Como Citar

LIMA, P. R. G. .; SOUSA, F. de O. S.; FARIAS, H. S. L.; CARMO, Y. A. F. do. A educação popular em saúde como estratégia fortalecedora do apoio matricial na atenção básica. Revista de Educação Popular, Uberlândia, MG, p. 204–218, 2020. DOI: 10.14393/REP-2020-53288. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/53288. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Relatos de experiência

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)