A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA COMO PRÁTICA DOCENTE NA PRÉ-ESCOLA EM CATALÃO-GO

Autores

  • Priscilla de Andrade Silva Ximenes 64981217666
  • Profa. Thallita Cardoso Universidade Federal de Goiás/RC

DOI:

https://doi.org/10.14393/OT2022v24.n.1.64599

Palavras-chave:

Prática docente, Educação Infantil, Mediação Pedagógica, Teoria Histórico-Cultural

Resumo

A presente pesquisa teve por objetivo identificar e analisar as possibilidades e formas de mediação pedagógica nas práticas de professores/as de crianças da pré-escola da Rede Municipal de Educação de Catalão (GO). Fundamentadas pelos pressupostos da teoria Histórico-Cultural, parte-se da defesa da educação como condição universal do desenvolvimento humano e da mediação pedagógica como condição maior para o trabalho docente. Realizou-se uma pesquisa de campo em duas instituições municipais de Educação Infantil de Catalão (GO), utilizando-se dos procedimentos metodológicos: observações e entrevistas semiestruturadas.   A análise dos dados foi realizada a partir do método marxista, com ênfase nas categorias: trabalho docente, práxis e mediação pedagógica. Os resultados apontam para a centralidade da categoria mediação pedagógica nas práticas docentes na pré-escola, ainda que sinalize uma ênfase nas práticas pedagógicas com vistas à formação da competência leitora e da preparação das crianças para o 1º ano do Ensino Fundamental. Observa-se, ainda, uma dicotomização entre as mediações pedagógicas oportunizadas na creche e na pré-escola, reforçando alguns dos binômios que historicamente assombram/instigam pesquisadores e professores da Educação Infantil. Defendemos a importância de superar a fragmentação dessa etapa e de garantir condições objetivas para a efetivação de mediação pedagógica qualificada e da tríade ensino/aprendizagem/desenvolvimento infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARCE, A. Interações e brincadeiras na educação infantil. Campinas, SP: Editora Alínea, 2013.

ANDRADA, Interação e construção de conhecimento em situação de roda na educação infantil. 2006. 175 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia)-Universidade de Brasília, Brasília, 2006. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/6317. Acesso em 15 junho 2021.

BARBOSA, I. G; ALVES, N. N. L; MARTINS, T. A. T. O professor e o trabalho pedagógico na educação infantil. In: LIBÂNEO, J.C; SUANNO, M.V.R; LIMONTA, S.V. Didáticas e práticas de ensino: texto e contexto em diferentes áreas do conhecimento. Goiânia: CEPED/Editora PUC Goiás, 2011, p. 133-149.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 9.394/96. 11. ed. Brasília, 2013.

DUARTE, N. Concepções afirmativas e negativas sobre o ato de ensinar. Cadernos CEDES. Campinas, v. 19, n. 44, p. 85-106, apr. 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621998000100008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 05 jul. 2016.

FACCI, M. G. D; BRANDÃO, S. H. A. A importância da mediação para o desenvolvimento das funções psicológicas superiores de alunos da educação especial: contribuições da psicologia histórico-cultural. Anais... XIV Encontro nacional de didática e prática de ensino. Porto Alegre, 2008. p. 1-32.

GASPARIN, J. L. (2013). Uma didática para a pedagogia histórico-crítica. 5 ed. Campinas: Autores Associados.

KRAMER, S. A pré-escola como direito social. Ideias, São Paulo, FDE, n.2,1998 p.13-17.

PUENTES, Roberto Valdés; LONGAREZI, Andréa Maturano. A didática desenvolvimental: seu campo conceitual na tradição da psicologia histórico-cultural da atividade. In: LONGAREZI, A. M.; PUENTES, R. V. (Orgs.). Fundamentos psicológicos e didáticos do ensino desenvolvimental. Uberlândia: Edufu, 2017a, p.187-224.

MARSIGLIA, A. C. G. A prática pedagógica histórico-crítica na educação infantil e ensino fundamental – Campinas, SP: Autores Associados, 2011. – (Coleção Educação contemporânea).

MARTINS, L. M. Pedagogia histórico-critica e psicologia histórico-cultural. In: MARSIGLIA, A. C. G (Org.). Pedagogia histórico-crítica: 30 anos. Campinas, SP: Autores Associados, 2011, p. 43-58.

NETO, C.O. O trabalho de campo como descoberta e criação. In: DESLANDES, S. F; NETO, O. C; GOMES, R. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994, p. 51-66.

PASQUALINI, J. C. Contribuições da psicologia histórico-cultural para a educação escolar da criança de 0 a 6 anos: desenvolvimento e ensino em Vigotski, Leontiev e Elkonin. 2006. 207 f. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar) - Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2006.

PIMENTA, S.G. Saberes pedagógicos e atividade docente. Editora Cortez. São Paulo. 2011.

PRESTES, Z. R. Quando não é a mesma coisa: análise de traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil: repercussões no campo educacional. 2010. 295 f. Tese (Doutorado em Educação)- Universidade de Brasília, Brasília, 2010. Disponível em . https://repositorio.unb.br/handle/10482/9123 Acesso em 07 janeiro 2022.

REYES, C. R. Sobre o que falam as crianças em suas histórias: leituras e práticas cotidianas. Tese (Doutorado em Educação) - Centro de Educação e Ciências Humanas. Universidade Federal de São Carlos, 2000.

RODRIGUES, S. A.; GARMS, G. M. Z. Intencionalidade da ação educativa na educação infantil: a importância da organização do tempo e do espaço das atividades. Nuances: estudos sobre Educação. Presidente Prudente, ano XIII, v. 14, n. 15,2007, p. 123-13.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed.

Campinas: Autores Associados, 2013.

VIGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1998.

Downloads

Publicado

2022-07-13

Como Citar

XIMENES, P. de A. S.; CARDOSO, T. M. R. A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA COMO PRÁTICA DOCENTE NA PRÉ-ESCOLA EM CATALÃO-GO. Olhares & Trilhas, [S. l.], v. 24, n. 1, 2022. DOI: 10.14393/OT2022v24.n.1.64599. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/64599. Acesso em: 13 ago. 2022.