A cidade como fonte histórica

proposições para o ensino da temática indígena e afro-brasileira numa perspectiva relacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/OT2021v23.n.3.62908

Palavras-chave:

Perspectiva Relacional., Lei 11.645/2008, Temática indígena., Temática africana, Ensino de História

Resumo

Este artigo pretende apresentar resultados de pesquisa acadêmica em nível de mestrado profissional com vistas a divulgar procedimentos práticos, contudo, teoricamente situados para implementação da Lei nº 11.645 de 2008, cujo foco é a valorização das identidades, especificamente, indígenas e afrodescendentes. A metodologia adotada foi uma leitura da cidade como fonte histórica em contatos com outras realidades, isto é, locais, nacional e global. Nuna perspectiva do encontro entre as culturas, o ensino da temática indígena e afro-brasileira foi abordado considerando-se outras referências culturais, a fim de superar visões compartimentalizadas a respeito de diálogos interculturais no passado e no presente. Autores do campo dos estudos culturais, sobretudo da interculturalidade, do currículo e do Ensino de História embasaram a pesquisa. Portanto, a abordagem é relacional porque considera as diferentes culturas em diversas temporalidades e espaços.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Fátima Barbosa Pires, FME-NITERÓI (RJ); PPGE/UFRJ

Doutoranda em Educação (PPGE/UFRJ), professora da rede pública municipal de Niterói (RJ).

E-mail: piresmfb@gmail.com 

Referências

ALMEIDA, Mª Regina Celestino de. Metamorfoses Indígenas - Identidade e Cultura nas Aldeias Coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FGV, FAPERJ, 2013.
ANTONIADES, Andreas. Epistemic Communities, Epistemes and the Construction of (World) Politics. Global Society, v. 17, n. 1, 2003, p. 21-38. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/0953732032000053980 Acesso: 02 abr. 2021
ARROYO, Miguel G. Ações Coletivas e Conhecimento: Outras Pedagogias? In: Universidade Popular dos Movimentos Sociais – UPMS. Porto Alegre, 2009. Disponível em: <http://www.universidadepopular.org/site/media/leituras_upms/Acoes_Coletivas_e_Conhecimento__30-11-09.PDF>. Acesso: 02 abr. 2021.
BANIWA, G. L. Desafios no Caminho da Descolonização Indígena. Revista do PPGCS - Novos Olhares Sociais, v. 2, p. 41-50, 2019. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/ojs/index.php/novosolharessociais/article/view/463/211 Acesso: 03 abr. 2021
BARCA, Isabel. Aula oficina: do projecto à avaliação. In BARCA, Isabel (Org.), Para uma Educação Histórica de Qualidade. Atas das IV Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga: CIEd, Universidade do Minho, 2004, p. 131-144
BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais. Brasília: MEC/SEF, 2004
CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2013
CANCLINI, Néstor Garcia. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996.
CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica. Dei saber abio ai saber enseñado. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, s.d.
GABRIEL, Carmem. Nas tramas da didatização de uma disciplina escolar: entre histórias a ensinar e histórias ensinadas. ANPED / GT de Didática. n. 04. 2003. Disponível em: https://anped.org.br/sites/default/files/t041.pdf. Acesso: 02 abr. 2021
GABRIEL. Carmem. Conhecimento escolar, cultura e poder: desafios para o campo do currículo em “tempos pós”. MOREIRA, Antônio F. e CANDAU, Vera M. (Orgs). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes, 2008
HAMMINGA, Bert. Epistemology from the African Point of View. In: HAMMINGA, Bert (ed.). Knowledge Cultures. Comparative western and african epistemology. Amsterdam: Rodopy, 2005, p. 57-84.
FLEURI, Reinaldo Matias. Educação intercultural: a construção da identidade e da diferença nos movimentos sociais. Perspectiva, Florianópolis, v.20, n.02, p.405-423, jul./dez. 2002. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/10410>. Acesso: 03 abr. 2021
FLORENTINO, M. Em costas negras: uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro. São Paulo: Cia. das Letras, 2002
FREIRE, .J.R.B. Cinco ideias equivocadas sobre o índio. Revista do Centro de Estudos do Comportamento Humano (CENESCH). Nº 01 – Setembro 2000. P.17-33. Disponível em: https://moodle.ufsc.br/pluginfile.php/2534828/mod_resource/content/1/Cinco%20ideias%20equivocadas%20sobre%20o%20indio%20.pdf Acesso: 03 abr. 2021
FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987
GOMES, Nilma L. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículo. Currículo sem Fronteiras, v.12, n.1, pp. 98-109, Jan/Abr 2012. Disponível em: http://www.apeoesp.org.br/sistema/ck/files/5_Gomes_N%20L_Rel_etnico_raciais_educ%20e%20descolonizacao%20do%20curriculo.pdf. Acesso: 12 abr. 2021
HAMPATÉ, Bá, A tradição viva. In: KI-ZERBO, Joseph (Org.). História Geral da África – vol 1. São Paulo: Ática/UNESCO, 1982.
Kayapó, E;. Brito, T. “A pluralidade étnico-cultural indígena no Brasil: o que a escola tem a ver com isso?”. Mneme - Revista De Humanidades, Vol. 15, nº 35, outubro de 2015, p. 38-68. Disponível em: https://www.periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/7445 Acesso: 03 abr. 2021
KRENAK, Ailton. Trilhos Urbanos. In: MUNDURUKU, Daniel; WAPICHANA, Cristino. Antologia indígena. Cuiabá: SECULT, 2009.
LEE, Peter. Em direção a um conceito de literacia histórica. Educar em Revista. Especial. Dossiê: Educação Histórica, 2006.
MONTEIRO, Ana Maria F. C. A história ensinada: algumas configurações do saber escolar. História & Ensino, Londrina, v. 9, p. 37-62, 2003. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/histensino/article/view/12075/10607. Acesso: 02 abr. 2021
MUDIMBE, V. Y. A invenção da África: gnose, filosofia e a ordem do conhecimento. Lisboa: Mangualde (Portugal), Luanda (Angola): Edições Pedago; Edições Mulemba, 2013.
NIANE, Djibril. Sundjata ou a epopeia mandinga. São Paulo: Ática, 1982
NIKITIUK, Sônia Mª L. A História local como instrumento de formação. Simpósio Regional da ANPUH. Rio de Janeiro, 2002.
QUERINO, M. Costumes africanos no Brasil. 2. ed. Recife: Massangana/Fundação Joaquim Nabuco, 1988.
RAMOSE, M. B. Ubuntu: stroom van het bestaan als levensfilosofie. Holanda: Ten Have, 2017
RAMOSE, M. B. Sobre a Legitimidade e o Estudo da Filosofia Africana. Ensaios Filosóficos, Volume IV - outubro/2011. Disponível em: http://www.ensaiosfilosoficos.com.br/Artigos/Artigo4/RAMOSE_MB.pdf. Acesso: 03 abr. 2021
RAPHAEL, Samuel. História Local e História Oral. Revista Brasileira de História. Volume 9, nº19, p. 219-243 São Paulo, 1990
RIBEIRO, Berta. O índio na História do Brasil. São Paulo: Global, 2009
SCHMIDT, Maria Auxiliadora. O ensino de História Local e os desafios da formação da Consciência Histórica. In: GASPARELO, Arlette Medeiros; MAGALHÃES, Marcelo de Souza; MONTEIRO, Ana Maria (Orgs.). Ensino de História: sujeitos saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad X: FAPERJ, 2007
Consulta a legislação:
Lei 10.639-03. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm >. Acesso: 02 abr. 2021.
Lei 11.645-08. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm >. Acesso: 02 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2021-09-29

Como Citar

BARBOSA PIRES, M. de F. A cidade como fonte histórica: proposições para o ensino da temática indígena e afro-brasileira numa perspectiva relacional. Olhares & Trilhas, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 1074–1103, 2021. DOI: 10.14393/OT2021v23.n.3.62908. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/62908. Acesso em: 7 ago. 2022.