A escola na atualidade – ensaio a partir de Paulo Freire e Alexander Neill

Conteúdo do artigo principal

Emerson Augusto de Medeiros
Ivan Fortunato
Osmar Hélio Alves Araújo
https://orcid.org/0000-0003-3396-8205

Resumo

Este escrito, de natureza ensaística, textualiza uma discussão a respeito da educação escolar. Objetiva refletir sobre a escola na atualidade, creditando ideias e conceitos debatidos por Paulo Freire e Alexander Sutherland Neill como centrais para o desenvolvimento da prática educativa escolar, a saber: a formação humana, o diálogo e a liberdade. Em termos metodológicos, se funde na pesquisa bibliográfica. Desse diálogo entre os dois pensadores, vislumbramos um caminho para a educação escolar que se fundamenta em três itinerários complementares: uma escola que se alimente, perenemente, da ideia da educação como uma prática social humanizadora; uma escola que se referencie no conhecimento útil à vida; e uma escola que promova o diálogo, respeite a diversidade do ser humano e cultive as relações socioafetivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Medeiros, E. A. de, Fortunato, I., & Araújo, O. H. A. (2022). A escola na atualidade – ensaio a partir de Paulo Freire e Alexander Neill. Ensino Em Re-Vista, 29(Contínua), e052. https://doi.org/10.14393/ER-v29a2022-52
Seção
DOSSIÊ 3 - A ESCOLA NOS DIAS ATUAIS: E AGORA?

Referências

ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

APLLETON, M. Escola Summerhill: tempo para a infância. Revista Hipótese, Itapetininga, v. 4, n.1, p. 38-47, 2018.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996.

BUENO, J. G. S. Função social da escola e organização do trabalho pedagógico. Educar, Curitiba, n. 17, p. 101-110, 2001.

CANÁRIO, R. A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto Alegre: Artmed, 2006.

CANÁRIO, R. A escola: das promessas às incertezas. Educação Unisinos, v. 12, n. 2, p. 73-81, maio/ago. 2008.

FORTUNATO, I. Summerhill, ou o legado de A. S. Neill para a educação libertadora de cabeças bem-feitas. Revista Hipótese, Itapetininga, v. 4, n.1, p. 3-13, 2018.

FRANCO, D. S. A gestão de Paulo Freire à frente da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo (1989 – 1991) e suas consequências. Pro-Posições, Campinas, v. 25, n. 3, p. 103-121, 2014.

FREIRE, P. Educação como Prática da Liberdade. 34. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 46. ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 24. ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1996.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação – uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 4. ed. São Paulo: Moraes, 1980.

FREIRE, P.; SCHOR, I. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

LUCAS, H. 90 anos de liberdade – após Summerhill: o que aconteceu com alunos da escola britânica mais radical? Revista Hipótese, Itapetininga, v. 4, n.1, p. 39-47, 2018.

MENEZES, M. G.; SANTIAGO, M. E. Contribuição do pensamento de Paulo Freire para o paradigma da curricular crítico-emancipatório. Pro-posições, v. 25, n. 3, p. 45-62, set./dez. 2014.

NEILL, A. S. Liberdade sem medo (Summerhill: radical transformação na teoria e na prática da educação). 23. ed. São Paulo: IBRASA, 1984.

NEILL, A. S. Um mestre contra o mundo: o fracasso que floriu numa nova escola. São Paulo: Instituição Brasileira de Difusão Cultural S.A., 1978.

SACRISTÁN, J. G.; PÉREZ GÓMEZ, A. Compreender e Transformar o Ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artmed 2007.

SAUL, A. M.; SILVA, A. F. G. O legado de Paulo Freire para as políticas de currículo e para a formação de educadores no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 90, n. 224, p. 223-244, jan./abr. 2009.

SOBREIRA, A. Summerhill e um diálogo com escola Viva Olho do Tempo e a pedagogia Griô. Revista Hipótese, Itapetininga, v. 4, n.1, p. 14-31, 2018.

YOUNG, M. Para que servem as escolas? Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 101, p. 1287-1302, set./dez. 2007.