Por uma escuta da infância: inclusão escolar e as demandas pós-pandemia

Conteúdo do artigo principal

Eliana Menezes
https://orcid.org/0000-0002-5908-0039
Suzana Feldens Schwertner
Morgana Domênica Hattge Hattge
https://orcid.org/0000-0002-4716-0410

Resumo

Há aproximadamente dezessete meses vive-se os efeitos da pandemia de COVID-19 nas mais diferentes dimensões da vida social, dentre elas, a educacional. Nesse cenário, com o objetivo de discutir práticas de inclusão e exclusão produzidas no contexto do ensino remoto, propõe-se uma problematização sobre os efeitos dessas práticas nos processos de escolarização da infância que retorna à escola. Diante das limitações operadas pelo/no ensino remoto, debate-se a intensificação das práticas de responsabilização individual dos alunos com relação às dificuldades de aprendizagem por eles vivenciadas como consequência desse período de afastamento da escola. Questões que convidam a pensar sobre como a escola se reorganiza para possibilitar que tais dificuldades sejam minimizadas nortearam os tópicos que constituem o texto, cuja finalização foi construída a partir da defesa da potência da escola quando resiste ao imperativo da norma e atenta para a singularidade que constitui cada vida que a habita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Menezes, E., Schwertner , S. F., & Hattge, M. D. H. (2022). Por uma escuta da infância: inclusão escolar e as demandas pós-pandemia. Ensino Em Re-Vista, 29(Contínua), e050. https://doi.org/10.14393/ER-v29a2022-50
Seção
DOSSIÊ 3 - A ESCOLA NOS DIAS ATUAIS: E AGORA?

Referências

ARANTES, E. M. M. Escutar. In: FONSECA, T. M. G.; NASCIMENTO, M. L.; MARASCHIN, C. (Orgs.). Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 93-96.

ASSIS, M. O Alienista. São Paulo: Editora Escala, 2010.

BAJOUR, C. Ouvir nas entrelinhas: o valor da escuta nas práticas de leitura. São Paulo: Editora Pulo do Gato, 2012.

BRUM, E. O olho da rua: uma repórter em busca da literatura da vida real. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2017.

BRUM, E. Cotidiano de exceção: como lutar pela democracia aprendendo sobre a tirania. El País, 29 de maio de 2017. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/05/29/opinion/1496068623_644264.html. Acesso: 28/08/2021.

BUTLER, J. O capitalismo tem seus limites. Blog da Boitempo, 20 de maio de 2020. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2020/03/20/judith-butler-sobre-o-covid-19-o-capitalismo-tem-seus-limites/. Acesso em 28/08/2021.

CARVALHO, A. F. A escola contemporânea e a desertificação institucional: o demérito da res pública. In.: GALLO, S.; MENDONÇA, S. (Orgs.). A Escola: uma questão pública. São Paulo: Parábola, 2020. p. 85-101.

GALLO, S. D. O.; CARVALHO, A. F. Foucault e a governamentalidade democrática: a questão da precarização da educação inclusiva. Mnemosine, vol.16, nº1, p. 146-160, 2020 – Parte Especial - Artigos. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/mnemosine/article/view/52688/34300. Acesso: 28/08/2021. DOI: https://doi.org/10.12957/mnemosine.2020.52688.

HATTGE, M. D.; MENEZES, E. P.; SANTOS, F. K.; PEDROZO, G. O. Sobre infâncias medicalizadas e a produção de marcas para a diferença na escola. In: HATTGE, M. D.; SANTOS, F. K.; COSTA, D. M. (Orgs.). Inclusão Escolar: um itinerário de formação docente. Lajeado: Editora Univates, 2020. p. 14-21. Disponível em: https://www.univates.br/editora-univates/publicacao/327. Acesso: 27/08/2021.

KERR, J. O tigre que veio para o chá da tarde. São Paulo: Harper Kids, 2021.

LARROSA, J. Pedagogia Profana - Danças, piruetas e mascaradas. 6. ed. rev. amp. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

LOBO, L. F. O nascimento da criança anormal e a expansão da psiquiatria no Brasil. In: RESENDE, H. (Org.). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019. p. 199-215.

.

LOPES, M C. Para pensar a experiência escolar e pedagógica. In: LOUREIRO, C. B.; LOPES, M. C. Inclusão, aprendizagem e tecnologias em educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2021. p. 25-34. DOI: https://doi.org/10.31560/pimentacultural/2021.434.22-30

MBEMBE, A. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: N-1 edições, 2020.

MENEZES, E. C. P. Isolamento social, cuidado de si e (re)invenção da vida. In: LOPES, M. C.; LOUREIRO, C. B. (Org.). Inclusão, aprendizagem e tecnologias em educação: pensar a educação no século XXI. São Paulo: Pimenta Cultural, 2021. p. 67-73. DOI: https://doi.org/10.31560/pimentacultural/2021.434.58-63

PAGNI, P. A. Resistências ao cotidiano escolar de exceção: o ingovernável, a desobediência e o julgar reflexivo. In.: GALLO, S.; MENDONÇA, S. (Org.). A Escola: uma questão pública. São Paulo: Parábola, 2020. p. 39-66.

PAGNI, P. A emergência do discurso da inclusão escolar na biopolítica: uma problematização em busca de um olhar mais radical. Revista Brasileira de Educação, v. 22, n. 68, p. 255-272, jan.-mar. 2017. DOI:. https://doi.org/10.1590/S1413-24782017226813.

ROCHA, Z. Esperança não é esperar, é caminhar: reflexões filosóficas sobre a esperança e suas ressonâncias na teoria e clínicas psicanalíticas. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. 10, n. 2, p. 255-273, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/1415-47142007002005.

ROSA, M. As crianças que são deixadas para trás. Lunetas, 01 de junho de 2020 Disponível em: https://lunetas.com.br/as-criancas-com-deficiencia-que-sao-deixadas-para-tras/#:~:text=Aquelas%20cujas%20m%C3%A3es%20t%C3%AAm%20se,escola%20precisa%20ser%20permanentemente%20negociada. Acesso: 28/08/2021.