A educação como direito coletivo na construção da cidadania e dignidade da pessoa humana: a realidade de um estado de coisas inconstitucional

Conteúdo do artigo principal

Maria Cristina Vidotte Blanco Tárrega
https://orcid.org/0000-0002-4805-4345
Felipe Freitas de Araújo Alves
http://orcid.org/0000-0002-5844-0485
Ana Patricia Ribeiro Approbato
https://orcid.org/0000-0001-6473-0289

Resumo

A Constituição Cidadã de 1988, além de ser um marco histórico na construção do Estado Democrático de Direito, priorizou os direitos e garantias fundamentais. Entre estes, estão elencados os denominados direitos sociais pertencentes à segunda dimensão de direitos humanos. Integrando os direitos sociais encontra-se a educação como base para a construção de uma consciência que preza pela dignidade da pessoa humana e o efetivo exercício da cidadania, dois fundamentos do Estado Democrático de Direito. Assim, faz-se mister a compreensão dos conceitos de cidadania e de dignidade da pessoa humana, temas abarcados pelos direitos humanos. Após tal compreensão, a educação é apontada como direito social fundamental em seus aspectos constitucionais e infraconstitucionais. Ocorre que, a falta de apreço do Poder Público para com esse direito social fundamental causa uma situação insustentável, generalizada, um verdadeiro estado de coisas inconstitucional. Neste viés, surge a necessidade de o Poder Judiciário, respeitando a autonomia dos Poderes Executivo e Legislativo, agir em prol da harmonia e com a equidade que lhe é exigida, suscitar a concreção daquilo que é dever do Poder Público, o que no presente ensaio é o direito social fundamental à educação. O método de pesquisa é bibliográfico, descritivo e qualitativo, parte-se do confronto entre as bibliografias para se descrever os resultados. Após, a análise infere-se que, embora pouco utilizado no ordenamento pátrio, o país vive na Educação um autêntico Estado de coisas inconstitucional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Tárrega, M. C. V. B. ., Alves, F. F. de A. ., & Approbato, A. P. R. . (2021). A educação como direito coletivo na construção da cidadania e dignidade da pessoa humana: a realidade de um estado de coisas inconstitucional. Ensino Em Re-Vista, 28(Contínua), e048. https://doi.org/10.14393/ER-v28a2021-48
Seção
DOSSIÊ - MUDANÇAS NO SISTEMA EDUCIONAL: DO QUE SENTIMOS FALTA?

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. Tradução de Alfredo Bosi e Ivone Castilho Benedetti. 5 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução de Leonel Vallandro e Gerd Bornheim. In: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

ATHIAS, Gabriela. Crianças andam 10 km para ir à escola. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1903200003.htm. Acesso em 16 de jan. 2020.

ATHIAS, Gabriela. Política. Tradução Julian Marias y Maria Araújo, edicion bilíngue, Madrid, 1951.

BALZA, Guilherme. O Estado de São Paulo fecha sete salas de aula por dia. Disponível em: https://cbn.globoradio.globo.com/media/audio/203649/estado-de-sao-paulo-fecha-sete-salas-de-aula-por-d.htm. Acesso em 27 de fev. de 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069/90.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Lei nº 10.172/2001.

BRASIL. Estatuto do Idoso. Lei n° 10.741/2003.

BRASIL. Estudo mostra situação do professor brasileiro. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/estudo-mostra-situacao-do-professor-brasileiro/21206. Acesso em 16 de set. 2020.

BRASIL. A Constituição e o Supremo. Disponível em http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/artigoBd.asp?item=31. Acesso em 16 de set. 2020.

CABRAL, Thiago. Estado de Coisas Inconstitucional: análise do julgamento da ADPF 347. Disponível em: https://canalcienciascriminais.com.br/analise-do-julgamento-da-adpf-347/. Acesso em 16 de set. 2020.

CAMPOS, Carlos Alexandre de Azevedo. O estado de coisas inconstitucional e o litígio estrutural. Revista Consultor Jurídico, 1º set. 2015. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2015-set-01/ carlos-campos-estado-coisas-inconstitucional-litigio-estrutural#_ftn3. Acesso em: 26 set. de 2020.

CARNEIRO, Moaci Alves. LDB fácil: leitura crítico –compreensiva, artigo a artigo. 21 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

COLÔMBIA. Corte Constitucional República de Colombia. Sentencia SU.559/97. Disponível em: http://www.corteconstitucional.gov.co/relatoria/1997/SU559-97.htm. Acesso em 26 de set. de 2020.

COLÔMBIA. Corte Constitucional República de Colombia. Sentencia T-153/98. Disponível em http://www.corteconstitucional.gov.co/relatoria/1998/T-153-98.htm. Acesso em 26 de set. 2020.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 71 ed. Rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2010.

CUNHA, Luís Antônio; XAVIER, Libânia. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.fgv.br/CPDOC/BUSCA/dicionarios/verbete-tematico/lei-de-diretrizes-e-bases-da-educacao-nacional-ldben. Acesso em: 22 ago. de 2020.

EDITORIAL HUMANISTA. Balbúrdia é não investir em educação. Disponível em: https://www.ufrgs.br/humanista/2019/05/15/editorial-i-balburdia-e-nao-investir-em-educacao/. Acesso em 16 ago. 2020.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris. 10 dezembro de 1948. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf. Acesso em: 21 de fev. de 2020.

DIEHL, Rafael Mesquita. Teologia Católica e Direitos Humanos. Curitiba: InterSaberes, 2018.

DUARTE, Clarice Seixas. A educação como um direito fundamental de natureza social. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 691-713, out. 2007. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 22 de fev. de 2019.

FRAGA, Érica. Investimento em educação no Brasil é baixo e ineficiente. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2018/02/investimento-em-educacao-no-brasil-e-baixo-e-ineficiente.shtml. Aceso em 16 de set. 2020.

HABERMAS, Jürgen. Direito e Democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003, p. 354.

MASSON, Nathalia. Manual de direito constitucional. 3ª ed. Revista, ampliada e atualizada.Salvador: Juspodivm, 2015,

MASTRODI, Josué; AVELAR, Ana Emília Cunha. O conceito de cidadania a partir da obra de T. H. Marshall: conquista e concessão. Cadernos de Direito, Piracicaba, v. 17(33): 3-27, jul-dez. 2017. ISSN Eletrônico: 2238-1228. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistasunimep/index.php/cd/article/viewFile/3451/2072. Acesso em 25 de set. 2020.

MARSHALL, T. H. Cidadania e Classe Social [Ed. atual trad. e rev. Por EaD/CEE/MCT], 2. ed. Brasília: Senado Federal, Centro de Estudos Estratégicos, Ministério da Ciência e Tecnologia, 2002.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 29 ed. São Paulo: Atlas, 2013.

MOURA, Aline Beltrame. O discurso da cidadania em Marshall: a influência do modelo clássico na teoria jurídica moderna. JURISVOX. Patos de Minas: UNIPAM, (10):22‐34, 2010. Disponível em: http://jurisvox.unipam.edu.br/documents/48188/50566/O-discurso-da-cidadania-em-Marshall.pdf. Acesso em 22 mai. de 2020.

PARANÁ (Estado Brasileiro). Secretaria da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos - Departamento de Direitos Humanos e Cidadania (DEDIHC) do Paraná. Disponível em: http://www.dedihc.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=8. Acesso em 21 jul. de 2020.

PENTEADO FILHO, Nestor Sampaio. Direitos Humanos, 13. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

RAMOS, André de Carvalho. Curso de direitos humanos. 5. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2018. (Livro digital (E-pub) Produção do e-pub Guilherme Henrique Martins Salvador)

REALE, Giovani; ANTISERI, Dario. História da Filosofia: Filosofia pagã antiga. v. 1. São Paulo: Paulus, 2003.

TOKARNIA, Mariana. MEC divulga nesta segunda índice de qualidade do ensino básico. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2018-09/mec-divulga-nesta-segunda-indice-de-qualidade-do-ensino-basico. Acesso em 16 de jan. 2020.

TRINDADE JÚNIOR, Wanderley Baptista da. Direito Penitenciário Constitucional. Dissertação (mestrado) - Universidade de Ribeirão Preto, UNAERP, Direitos. Ribeirão Preto, 2015.