Educação Especial: Formação de professores em matemática no contexto das classes hospitalares em Goiás

Conteúdo do artigo principal

Ricardo Antonio Gonçalves Teixeira
https://orcid.org/0000-0002-1603-2088
Ivone Garcia Barbosa
https://orcid.org/0000-0001-7194-6061
Uyara Soares Cavalcanti Teixeira
https://orcid.org/0000-0002-2141-964X

Resumo

Este artigo elege como objetivo analisar o contexto das classes hospitalares em Goiás e o processo de formação de professores em matemática atuantes no Núcleo de Atendimento Educacional Hospitalar de Goiás (NAEH). O estudo se caracteriza de natureza exploratória, de base qualitativa tendo a pesquisa-ação, em uma perspectiva integral e sistêmica, como método. Apresenta as bases documentais que orientam o contexto histórico, as políticas, a organização e funcionamento dos atendimentos no NAEH. A formação de professores de classe hospitalar que ensinam matemática, proposta no âmbito da pesquisa, foi construída de forma coletiva e orientada em conformidade com as demandas levantadas em campo. O curso, com carga-horária de 120 horas, trouxe, segundo avaliação dos participantes, importantes contribuições para o trabalho pedagógico, além de reflexões sobre a qualidade da atuação docente nesse espaço de inclusão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Teixeira, R. A. G. ., Barbosa, I. G. ., & Teixeira, U. S. C. . (2021). Educação Especial: Formação de professores em matemática no contexto das classes hospitalares em Goiás. Ensino Em Re-Vista, 28(Contínua), e006. https://doi.org/10.14393/ER-v28a2021-6
Seção
DOSSIÊ - FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA O ATENDIMENTO EM AMBIENTE HOSPITALAR

Referências

ALMEIDA, Dulce Barros de. Do especial ao inclusivo? Um estudo da proposta de inclusão escolar da Rede Estadual de Goiás, no município de Goiânia. 2003. 204 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

BRANCO, Rita Francis Gonzalez y Rodrigues. Capacitação de professores de Classe Hospitalar em relação professor-aluno/paciente na perspectiva balintiana. 2008. 180 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Solicitação de esclarecimento sobre as Resoluções CNE/CP 1/2002, que institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: MEC/CNE, 2002b.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado Federal,1998.

BRASIL. Decreto n. 3.298 de 20 de dezembro de 1999. Dispõe sobre a política nacional de integração da pessoa portadora de deficiência. Presidência da República. Casa Civil. Ministério da Educação, 1999.

BRASIL. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Secretaria de Educação Especial: SEESP/MEC, 2001a. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/diretrizes.pdf>. Acesso em: fev 2020.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, 1990.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 23 de dez. 1996. Seção 1. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Versão aprovada pelo CNE, novembro de 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf>. Acesso em mar/2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações. Secretaria de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP, 2002a.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial. Secretaria de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica (Versão Preliminar). Brasília, DF: Ministério da Educação, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. 2007. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf>. Acesso em: fev 2020.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n. 17, de 3 de julho de 2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. 2001a. Diário Oficial da União, Brasília, 17/08/2001, Seção 1, p. 46.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n. 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. 2001b. Diário Oficial da União, Brasília, 14/09/2001. Seção 1E, p. 39-40.

CONANDA. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Brasil). Resoluções, junho de 1993 a setembro de 2004. Resolução n. 42, de 13 de outubro de 1995. Secretaria Executiva do Conanda. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2004. 200 p. Disponível em: <http://dh.sdh.gov.br/download/resolucoes-conanda/res-1-a-99.pdf>. Acesso em: fev 2020.

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação matemática: da teoria à prática. 16. Ed. Campinas, S. P: Papirus, 2008.

DEMO, Pedro. Educar pela Pesquisa. Campinas: Ed. Autores Associados, 2002.

FONTES, Rejane de Souza. As possibilidades da actividade pedagógica como tratamento sócio-afectivo da criança hospitalizada. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v.19, n.01, p.95-128, 2006.

FONTES, Rejane de Souza. Escuta pedagógica à criança hospitalizada: discutindo o papel da Educação no hospital. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2003.

FONTES, Rejane de Souza. O desafio da educação no hospital. Presença Pedagógica, v. 11, n. 64, p. 21-29, Jul/ago 2005.

GOIÁS. Conselho Estadual de Educação. Resolução CEE n. 07, de 15 de dezembro de 2006. Goiânia. 2006.

GOIÁS. Conselho Estadual de Educação. Resolução n. 065, de março de 2004. Aprova o Projeto Hoje – Ação de Atendimento Educacional Hospitalar, a partir do ano letivo de 2003, por um período de 05 (cinco) anos letivos em todo Estado de Goiás. Goiânia, 2004.

GOIÁS. Conselho Estadual de Educação. Resolução n. 161, de 13 de novembro de 2001. Aprova o projeto Hoje destinado ao atendimento educacional hospitalar por meio da Superintendência de Ensino Especial. Goiânia, 2001.

GOIÁS. Conselho Estadual de Educação. Resolução n. 41, de 2 de dezembro de 2010. Goiânia, 2010.

GOIÁS. Núcleo de Atendimento Educacional Hospitalar - HOJE: o que é e como funciona: objetivos e dinâmica de funcionamento. 2013. Disponível em: <http://naehgoias.blogspot.com.br/p/documentos.html>. Acesso em: fev 2020.

GOIÁS. Seduce. Gerência de Ensino Especial. NAEH: Projeto 2016. Goiânia: Seduce/GEEE, 2016.

GOIÁS. Seduce. Gerência de Ensino Especial. Núcleo de Atendimento Educacional Hospitalar - HOJE: diretrizes para o trabalho do NAEH. Goiânia: Seduce/GEEE, 2014.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

MEDEIROS, José Gonçalves; GABARDO, Andreia Ayres. Classe hospitalar: aspectos da relação professor-aluno em sala de aula de um hospital. Interação em Psicologia. Curitiba v.8, n.1, p.67-79, 2004.

MONTEIRO, Janine Kieling et al. Adoecimento psíquico de trabalhadores de unidades de terapia intensiva. Psicologia ciência e profissão, 2013, v. 33 (2), p. 366-379.

MORIN, André. Pesquisa-ação Integral e Sistêmica: uma antropopedagogia renovada. Trad. Michel Thiollent. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

NAEH. Formação de professores para o ensino de matemática em classes hospitalares, 2017. Blog institucional com disponibilidade de materiais digitais para a formação em matemática dos professores do NAEH. Disponível em: <http://matematicanaehgo.blogspot.com/>. Acesso em: mar 2020.

TEIXEIRA, Ricardo Antonio Gonçalves. Matemática Inclusiva? O processo ensino-aprendizagem de matemática no contexto da diversidade.2010. 424 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.

TEIXEIRA, Ricardo Antonio Gonçalves et al. Classe Hospitalar: a gestão pedagógica de professores com educandos em iminência de morte. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação (RBPAE). V. 33, n. 2., 2019, p. 401-425. Disponível em: <https://www.seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/vol35n22019.91144/53890>. Acesso em mar/2020.

TEIXEIRA, Uyara Soares Cavalcanti et al. Teaching inclusive mathematics for cancer child patients in a hospital envioronment. In: COSTA, António Pedro et al. Computer supported qualitative research: second international symposium on qualitative research (ISQR 2017), v. 621. Switzerland: Advances in intelligent systems and computing, 2017, p. 358-369.