Influências das teorias de aprendizagem nas propostas curriculares de Matemática Pós-70: continuidade e ruptura

Conteúdo do artigo principal

José Carlos Miguel
http://orcid.org/0000-0001-9660-3612

Resumo

O presente artigo analisa a influência das teorias de aprendizagem na constituição das propostas curriculares para o ensino de Matemática do período pós-70 no estado de São Paulo e como essas tentativas de renovação dos programas de ensino compreendem o processo de difusão do conhecimento matemático, com ênfase na perspectiva teórica adotada. Partindo de pesquisa bibliográfica, analiso documentos curriculares do estado de São Paulo, além dos Parâmetros Curriculares Nacionais e da Base Nacional Comum Curricular, BNCC. Os resultados indicam que se trata de programas cujos fundamentos transitam da concepção de aprendizagem por associação de modelos, passa pela abordagem cognitivista de diversos matizes e, ainda que de forma incipiente, aponta para constructos teóricos relacionados à aprendizagem verbal significativa. Observa-se a descontinuidade das propostas de renovação dos programas de ensino e desconsideração das teses das reformas curriculares pelos professores, principalmente nos aspectos que exigem reflexão conceitual sobre o processo de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Miguel, J. C. . (2020). Influências das teorias de aprendizagem nas propostas curriculares de Matemática Pós-70: continuidade e ruptura. Ensino Em Re-Vista, 27(2), 519–545. https://doi.org/10.14393/ER-v27n2a2020-6
Seção
Dossiê Currículos em Educação Matemática I

Referências

ADLER, I. Matemática e Desenvolvimento Mental. São Paulo, Cultrix, 1970.

AUSUBEL, D.; NOVAK, J. D. & HANESIAN, H. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro, Interamericana, 1980.

BRASIL, REPÚBLICA FEDERATIVA. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília, Ministério da Educação e Cultura, 2000.

BRASIL, REPÚBLICA FEDERATIVA. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, Ministério da Educação e Cultura, 2017.

BRITIS, K. G. A trajetória de uma educadora matemática paulista como curriculista e formadora de professores de Matemática. 2017. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática). 167 p. Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo.

BRITO, M. R. F. de. Contribuições da Psicologia Educacional à Educação Matemática. In: BRITO, M. R. F. de (org.). Psicologia da Educação Matemática: Teoria e Pesquisa. Florianópolis, Editora Insular, 2001, p. 49-84.

BRITO, M. R. F. Psicologia da Educação Matemática: um ponto de vista. Educar em Revista. Dossiê: Psicologia da Educação Matemática. Curitiba, 2011.

BRUM, W. P. Crise no Ensino de Matemática: amplificadores que potenciam o fracasso da aprendizagem. São Paulo, Clube dos Autores, 2013.

BRUNER, J. O processo da educação. São Paulo, Nacional, 1974.

D’AMBROSIO. B. S. Como ensinar Matemática hoje? Temas e Debates. SBEM, Ano II, n. 2. Brasília, 1.989, p. 15-19.

DAVIDOV, V. V. Problemas do ensino desenvolvimental: a experiência da pesquisa teórica e experimental na psicologia. Tradução de José Carlos Libâneo e Raquel Aparecida Marra da Madeira Freitas. [1988]. Disponível em: < http://professor.ucg.br/SiteDocente/admin/arquivosUpload/5146/material/Davydov >. Acesso em 21 de nov. 2019.

DAVIDOV, V. V. O que é a Atividade de Estudo? Revista Escola Inicial, nº 7, 1.999. Tradução do russo por Ermelinda Prestes, revista por José Carlos Libâneo em 2.013.

DAVIDOV, V. V. Desenvolvimento Psíquico da Criança. In: PUENTES, R. V; CARDOSO, C. G. C. & AMORIM, P. A. P. (orgs.). Teoria da Atividade de Estudo: Contribuições de D. B. Elkonin, V. V. Davidov e V. V. Repkin – Livro I. Curitiba (PR), Editora CRV, 2.019. Coedição: Uberlândia (MG), EDUFU, 2.019, p. 175-190.

IMENES, L. M. Um estudo sobre o fracasso do ensino e da aprendizagem da Matemática. Dissertação de Mestrado. Rio Claro, UNESP, 1.989.

LESSA, M. M. L. & DA ROCHA FALCÃO, J. T. Pensamento e linguagem: uma discussão no campo da Psicologia da Educação Matemática. Psicologia: Reflexão e Crítica, vol. 18, n. 3, Porto Alegre, set/dez. 2005.

MOREIRA, A. F. B & SILVA, T. T. (orgs.). Currículo, Cultura e Sociedade. São Paulo, Cortez, 1994.

NISS, M. Metas como reflejos de las necessidades de la sociedad. Estúdios en Educación Matemática. UNESCO, (2), 1981.

PASSOS, C. L. B. & NACARATO, A. M. N. Trajetória e Perspectivas Para o Ensino de Matemática nos Anos Iniciais. Estudos Avançados, 32 (94), 2018.

PIAGET, J. A Psicologia. Lisboa, Bertrand, 1973.

PIETROPAOLO, R. C. Parâmetros Curriculares Nacionais: uma análise dos Pareceres. 1999. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). 178 p. Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

PIRES, C. M. C. Currículos de Matemática: para onde se orientam? Revista de Educação da PUC-Campinas. Campinas, 2005, n.18, p. 25-34.

SÃO PAULO (ESTADO). Secretaria de Estado da Educação. Guias Curriculares para o Ensino de 1º Grau. São Paulo, SEE, 1975.

SÃO PAULO (ESTADO). Secretaria de Estado da Educação. Proposta Curricular para o Ensino de Matemática no 1º Grau. São Paulo, SEE, 1986.

SÃO PAULO (ESTADO). Secretaria de Estado da Educação. Programa São Paulo Faz Escola. São Paulo, SEE, 2007.

SCHLIEMANN, A. D.; CARRAHER, D. W.; SPINILLO, A. G.; MEIRA, L.L. & FALCÃO, J. T. P. R. Estudos em Psicologia da Educação Matemática. Recife, Editora Universitária da UFPE, 2003.

VYGOTSKY, L. S. A Construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo, Martins Fontes, 2001.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VYGOTSKY, L. S. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. (Orgs.). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2006, p. 103-118.