Jovens doutores em início da carreira docente

Conteúdo do artigo principal

Nadiane Feldkercher
http://orcid.org/0000-0002-8208-3369

Resumo

O objetivo deste estudo foi compreender a condição jovem dos professores em fase de iniciação à docência universitária. Consideramos iniciante os professores com até 3 anos de experiência e jovem aqueles com até 32 anos, que realizaram, sequencialmente, graduação, mestrado e doutorado e, em seguida, ingressaram na docência. Na pesquisa, de abordagem qualitativa, coletamos os dados por meio de entrevistas com 6 jovens professores iniciantes vinculados à Universidade Federal de Pelotas e por observações de aulas de graduação desses docentes. Os dados, trabalhados através da análise de conteúdo, foram interpretados a partir de teorias sobre a formação docente e a iniciação à docência. Para os professores, a condição jovem não é um fator de padronização ou de causalidade nas formas de ser, de atuar ou de se relacionar com os alunos. Porém, essa condição produz no professor vivências tanto motivadoras quanto limitações que são vividas em paralelos, enquanto constroem suas identidades docentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Feldkercher, N. . (2020). Jovens doutores em início da carreira docente. Ensino Em Re-Vista, 27(1), 333–350. https://doi.org/10.14393/ER-v27n1a2020-14
Seção
Dossiê O caminho se faz caminhando: formação docente no fazer e refazer

Referências

BOURDIEU, Pierre. A “juventude” é apenas uma palavra. In: Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero Limitada, 1983. p. 112-121.

CUNHA, Maria Isabel da. A prática pedagógica do “bom professor”: influências na sua educação. 1988. 178f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1988.

CUNHA, Maria Isabel da; ZANCHET, Beatriz Maria Boéssio Atrib. A problemática dos professores iniciantes: tendência e prática investigativa no espaço universitário. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 3, p. 189-197, set./dez. 2010.

FEIXAS, Mónica. El profesorado novel: Estudio de su problemática en la Universitat Autónoma de Barcelona. Revista de Docencia Universitaria. Murcia, Espanha, v. 2, n. 2, 1 p., 2002.

FEIXAS, Mónica. Los cambios en la docencia del profesor universitario. In: Enciclopedia virtual de didáctica y organización escolar. 2000, p. 1-26.

HUBERMAN, Michael. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, António (Org.). Vidas de professores. 2ª ed. Portugal: Porto Editora, 1992. p. 31-61.

ISAIA, Silvia Maria de Aguiar; BOLZAN, Doris Pires Vargas. Formação do professor do ensino superior: um processo que se aprende? Educação (UFSM), Santa Maria, RS, v. 29, n. 02, p. 121-133, 2004.

MARCELO GARCÍA, Carlos. Formação de professores: para uma mudança educativa. Tradução de Isabel Monteiro. Porto: Porto Editora, 1999.

MAYOR RUIZ, Cristina. Nuevos retos para una universidad en proceso de cambio: ¿pueden ser los profesores (principiantes) los protagonistas? Profesorado, Granada, España v. 13, n. 1, p. 61-77, 2009.

MAYOR RUIZ, Cristina; SÁNCHEZ MORENO, Marita. El reto de la formación de los docentes universitarios: una experiencia con profesores noveles. Vicerectorado de Calidad. Instituto de Ciencias de la Educación. Universidad de Sevilla. Sevilla, 2000.

SERRA, Juan Carlos. Profesores principiantes y los nuevos desafíos de las instituciones educativas (Mesa). Congreso sobre profesores principiantes e inserción profesional en la docencia, 3., 2012, Santiago, Chile. Anales… Santiago, Chile: Universidad Autónoma de Chile, 2012.