A valorização da identidade camponesa:

considerações sobre a organização do processo produtivo no campesinato

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT153915

Resumo

Este trabalho apresenta discussões relacionadas a identidade camponesa e discorre sobre a organização do processo produtivo do campesinato a partir de uma investigação realizada no povoado Serrote Grande, em Craíbas/AL. Objetiva-se por meio deste, evidenciar a importância da identidade camponesa, destacando o camponês como o sujeito que vive e produz no campo. Também discute como se dá o processo produtivo no campesinato presente no lócus da pesquisa, está teve caráter qualitativo com abordagem exploratória, foram utilizados como procedimentos metodológicos: levantamento bibliográfico, atividades de campo, aplicação de questionários e realização de entrevistas. Como resultados, tem-se a caracterização da comunidade em questão como campesina, por apresentar em sua gênese características elementares comuns ao campesinato, constituindo-se em um povoado no qual a religião católica possui grande relevância, sendo marcado por relações patriarcais e tendo a agricultura como principal ocupação dos camponeses residentes. O fumo é o principal cultivo e fonte de renda das famílias. A produção se estabelece através do trabalho familiar e as práticas de ajuda mútua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lívia Thaysa Santos de Albuquerque Gama , Universidade Federal de Alagoas

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL; e Pedagogia pela Universidade Pitágoras Unopar ; Especialista em Metodologia do Ensino de Geografia e Suas Tecnologias - UNEAL; e Ensino de Geografia - UFAL. Atuou como monitora nas disciplinas: Teoria e método em Geografia (2015-2016); Espaço mundial, Poder, Territórios e Redes (2016-2017); Meio ambiente, Sistemas energéticos e Politicas Públicas (2017-2018), ambas no curso de Geografia Licenciatura EAD, na Universidade Federal de Alagoas. É membro do Núcleo de Estudos Agrários e Dinâmicas Territoriais NUAGRÁRIO desde 2016, desenvolvendo pesquisas relacionadas as linhas de pesquisa: Dilemas, perspectivas e possibilidades do Ensino de Geografia; e Comunidades tradicionais, movimentos sociais, campesinato na luta por terra e água.

Cirlene Jeane Santos e Santos, Universidade Federal de Alagoas

Possui graduação em Geografia Licenciatura pela Universidade Federal da Bahia (1999), graduação em Geografia Bacharelado pela Universidade Federal da Bahia (2000), mestrado em Geografia pela Universidade Federal da Bahia (2004) e doutorado em Geografia (Geografia Humana) pela Universidade de São Paulo (2011). É professora adjunta I da Universidade Federal de Alagoas. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Agrária e Epistemologia da Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: produção do espaço, território, assentamentos rurais, luta pela terra, reforma agrária, comunidades tradicionais, agricultura urbana e políticas públicas.

Downloads

Publicado

30-12-2020

Como Citar

GAMA , L. T. S. de A. .; SANTOS E SANTOS, C. J. . A valorização da identidade camponesa: : considerações sobre a organização do processo produtivo no campesinato. Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 15, n. 39 Dez., p. 275–291, 2020. DOI: 10.14393/RCT153915. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/60343. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Identidades, Territorialidades e Redes no Campo